Champions League

Real Madrid resiste ao ataque do Bayern de Munique, agradece a Keylor Navas e está em mais uma final de Champions League

Foto: Víctor Carretero/Site Oficial Real Madrid

Alemães caíram de pé após jogão no estádio Santiago Bernabeu

 

O Real Madrid tentará pela décima-terceira vez em sua história se sagrar campeão europeu. Caso os Merengues deem uma nova volta olímpica, o madridistas terão se tornado o primeiro clube a faturar o tricampeonato consecutivo no atual formato da Liga dos Campeões. Resta dizer que o Bayern de Munique se esforçou demais para sair da capital espanhola com a classificação. Resta aos de vermelho tentarem o título novamente em 2018/19. Confira abaixo como foi a peleja de ontem.

 

O Real Madrid nunca morre

Mal o juiz apitou o término do espetáculo, o jornal esportivo espanhol Marca publicou a seguinte manchete: “O Real Madrid Nunca Morre”. Pelo menos, na Champions League, é a mais pura verdade.

Os comandados de Zinedine Zidane fizeram uma campanha patética no Campeonato Espanhol e nós já havíamos noticiado algumas vezes que o Real Madrid da Champions League é bem diferente daquele da Primeira División (leia aqui e aqui, por exemplo). Papel ainda mais tosco conseguiu fazer na Copa do Rei, quando foi desclassificado pelo Leganés, modesta equipe de um dos subúrbios da metrópole.

Vale lembrar que apesar dos fracassos nos certames nacionais, Cristiano Ronaldo e companhia já subiram no lugar mais alto do pódio três vezes desde agosto, em torneios de tiro curto: Mundial Interclubes, Supercopa Europeia e Supercopa Espanhola.

E como foi a arrancada dos do velho Chamartín na Champions League? Tudo começou nas oitavas de final quando o milionário PSG, de Neymar e Cavani, prometia se tornar a nova sensação da Europa. Veja bem: os de branco encararam os franceses já tendo praticamente desistido da La Liga, após derrotas para Betis, Girona, Villarreal e Español e empates com Levante (duas vezes) e Celta. Contra os franceses, CR7 fez o diabo e quem jurava que seria o início da dinastia continental dos parisienses, se deu mal.

Depois veio a Juventus, que levou um sacode de 3 a 0 dentro de Turim. Em seus domínios, o Real Madrid foi engolido pela Vecchia Signora que chegou a abrir três gols de vantagem e só sofreu o gol de sua desclassificação quase no apagar das luzes.

 

E contra o Bayern?

Ah… podem dizer que o Bayern tenha tido as melhores ocasiões de balançar as redes nos 180 minutos. É verdade! A questão é que futebol se decide com as bolas nas redes e não com belas tentativas, com lances cara a cara com o goleiro ou com chutes na trave. A resposta para qualquer treinador entender o que aconteceu nesta eliminatória é a seguinte: defesa sólida e um ataque letal.

Karim Benzema estava inspirado ontem à noite. Primeiro, ele marcou o gol do empate madrilenho ao subir de cabeça entre os zagueiros. No começo da segunda etapa, o arqueiro Sven Ulreich parece que ainda estava se recuperando da soneca no vestiário durante o intervalo e deu um enorme presente para o atacante marcar o segundo. Aí está a letalidade: nestas duas bolas, passíveis de serem impedidas, os locais fizeram dois gols. Os demais chutes, sobretudo de Cristiano Ronaldo foram ou bloqueados ou para fora.

Precisando vencer para se classificar, os Roten partiram para cima. Joshua Kimmich e James Rodríguez marcaram para os visitantes. Faltava porém, mais um.  Este um não veio. Sempre que os bávaros chegavam à área adversária, havia uma enorme população de camisas brancas na marcação. Era muito difícil se desvencilhar deles. Foram tantas tentativas que uma hora ou outra essa barreira seria furada. E foi. Só que aí surgiu Keylor Navas. O camisa um fez pelo menos três defesas difíceis, sendo que uma à queima-roupa. O costarriquenho se tornou o nome do jogo. Se não fosse por ele, talvez o Bayern tivesse até aplicado uma goleada.

O 2 a 2 serviu ao Real Madrid, que foi mais competente e chega à sua 16ª final. Mortos de inveja, o El Periódico, da Catalunha, estampou a seguinte manchete: “Outro milagre e outra arbitragem salvadora para o Real Madrid, que chega à final da Champions”.

 

Ficha técnica

Real Madrid: Keylor Navas; Lucas Vázquez, Raphaël Varane, Sergio Ramos e Marcelo; Mateo Kovacic (Casemiro), Toni Kroos, Luka Modric e Asensio (Nacho Fernández); Karim Benzema (Gareth Bale) e Cristiano Ronaldo. Técnico: Zinedine Zidane.

Bayern de Munique: Sven Ulreich; Joshua Kimmich, Niklas Süle, Mats Hummels e David Alaba; Thiago Alcântara, Thomas Müller, Corentin Tolisso (Sandro Wagner), James Rodríguez (Javi Martínez) e Franck Ribéry; Robert Lewandowski. Técnico: Jupp Heynckes.

Cartões Amarelos: Casemiro, Lucas Vázquez, Luka Modric e Raphaël Varane.

Cartões Vermelhos: nenhum.

Gols: Karim Benzema (dois), James Rodríguez e Joshua Kimmich.

 

A Campanha

  • 3×0 APOEL (Chipre), em Madri
  • 3×1 Borussia Dortmund (Alemanha), em Dortmund
  • 1×1 Tottenham (Inglaterra), em Madri
  • 1×3 Tottenham (Inglaterra), em Londres
  • 6×0 APOEL (Chipre), em Nicósia
  • 3×2 Borussia Dortmund (Alemanha), em Madri
  • 3×1 Paris Saint-Germain (França), em Madri
  • 2×1 Paris Saint-Germain (França), em Paris
  • 3×0 Juventus (Itália), em Turim
  • 1×3 Juventus (Itália), em Madri
  • 2×1 Bayern de Munique (Alemanha), em Munique
  • 2×2 Bayern de Munique (Alemanha), em Madri

As finais do Real Madrid

  • 1955/56 – Real Madrid 4×3 Stade de Reims (França), em Paris.
  • 1956/57 – Real Madrid 2×0 Fiorentina (Itália), em Madri.
  • 1957/58 – Real Madrid 3×2 Milan (Itália), em Bruxelas.
  • 1958/59 – Real Madrid 2×0 Stade de Reims (França), em Stuttgart.
  • 1959/60 – Real Madrid 7×3 Eintracht Frankfurt (Alemanha Ocidental), em Glasgow.
  • 1961/62 – Benfica (Portugal) 5×3 Real Madrid, em Amsterdã.
  • 1963/64 – Internazionale (Itália) 3×1 Real Madrid, em Viena.
  • 1965/66 – Real Madrid 2×1 Partizan (Iugoslávia), em Bruxelas.
  • 1980/81 – Liverpool (Inglaterra) 1×0 Real Madrid, em Paris.
  • 1997/98 – Real Madrid 1×0 Juventus (Itália), em Amsterdã.
  • 1999/00 – Real Madrid 3×0 Valencia (Espanha), em Saint-Denis.
  • 2001/02 – Real Madrid 2×1 Bayer Leverkusen (Alemanha), em Glasgow.
  • 2013/14 – Real Madrid 4×1 Atlético de Madrid (Espanha), em Lisboa.
  • 2015/16 – Real Madrid 1×1 Atlético de Madrid (Espanha), em Milão.
  • 2016/17 – Real Madrid 4×1 Juventus (Itália), em Cardiff.
Como apostar na futebol 2021