Ganhador.com

Brasileirão Série A

Técnicos dos clubes brasileiros: quem entrou, quem saiu e quem permanece em 2017

Foto: Friedemann Vogel/Getty Images

>> Versão mais recente deste artigo: Lista de treinadores contratados e demitidos ao longo de 2017

 

Como já diria o provérbio que circula no mundo dos esportes dos Estados Unidos, “coaches are hired to be fired”. Em português, “técnicos são contratados para serem demitidos”.

É a dura realidade. Se o time vai mal, está ameaçado de rebaixamento, ou simplesmente é incapaz manter o nível esperado pela diretoria e pela torcida, o primeiro a “rodar” é o treinador. Um substituto é colocado no lugar, com a estóica missão de fazer tudo aquilo que o antecessor não conseguiu.

Aqui vamos fazer uma retrospectiva de quem entrou e quem saiu dos times da Série A do Brasileirão em 2016, e o que os torcedores podem esperar para o ano que vem.

 

Palmeiras

O ano começou com Marcelo Oliveira, que comandou o time na conquista da Copa do Brasil de 2015. Porém, a derrota em casa por 2 a 1 diante do Nacional-URU e a consequente eliminação da Copa Libertadores da América levaram o clube a demitir o treinador. Jogos: 53. Aproveitamento: 55%

Alberto Valentim atuou como interino até março, quando Cuca assumiu a posição. Sob seu comando, o Palestra teve excelente desempenho desde o início do Campeonato Brasileiro, sagrando-se campeão de 2016. Jogos: 53. Aproveitamento: 61,7%

Por motivos pessoais, Cuca já anunciou que não continuará na equipe na temporada de 2017. Quem assume é Eduardo Baptista, vindo da Ponte Preta.

 

Santos

Único clube da elite brasileira que não trocou de treinador em 2016.

Dorival Júnior retornou ao Peixe em julho de 2015, obteve sucesso em livrar o time do rebaixamento naquele ano e entrou na briga pelo título no final de 2016, terminando como vice-campeão. Seu contrato vai até fim de 2017, e a continuidade dos trabalhos torna a equipe uma das favoritas para o ano que vem. Jogos: 158 (somando esta contratação e a anterior, em 2010). Aproveitamento: 65,61%

 

Flamengo

Muricy Ramalho chegou em setembro de 2015, com a missão de unificar as táticas em todas as categorias do clube. No entanto, precisou sair em 2016 por problemas de saúde. Jogos: 26. Aproveitamento: 57,7%

Com a saída de Muricy, o clube promoveu Zé Ricardo, ténico do Sub-20, para a categoria profissional. Ele pegou a equipe na 8ª colocação do Brasileirão, chegou a brigar pelo título e encerrou em 3º lugar, garantindo a vaga direta para a fase de grupos da Libertadores. Projeta um bom 2017 no comando do grupo. Jogos: 34. Aproveitamento: 61,4%

 

Atlético-MG

Diego Aguirre sagrou o time campeão da Florida Cup 2016, porém pediu demissão após derrota diante do São Paulo e consequente eliminação da Copa Libertadores. Jogos: 29. Aproveitamento: 56,36%

Quem entrou no lugar foi Marcelo Oliveira, recém-saído do Palmeiras. Sob seu comando, o Galo se manteve vivo nas duas grandes competições nacionais. Contudo, no final do ano a pressão pela conquista de título foi forte demais. No Brasileirão, cedeu o empate por 3 a 3 para o vice-lanterna Santa Cruz. No jogo de ida da final da Copa do Brasil, perdeu para o Grêmio em casa, por 3 a 1. A decepção rendeu ao técnico sua demissão. Jogos: 42. Aproveitamento: 53,96%

Vindo da categoria Sub-20. Diogo Giacomini assumiu como interino e  comandou o time profissional na finalíssima da Copa do Brasil contra o Grêmio, na qual alcançou o empate fora de casa. Roger Machado assume o time em 2017 e terá Diogo Giacomini como auxiliar.

 

Botafogo

Depois de quatro anos fora de atuação por motivos de saúde, Ricardo Gomes voltou à ativa em 2015. Manteve o Bota na liderança da Série B e garantiu o retorno à elite. Deixou o time em agosto de 2016, para assumir o comando do São Paulo. Jogos: 67. Aproveitamento: 63%

Jair Ventura assumiu a equipe ao final de um primeiro turno muito ruim e levou-a da 15ª para a 5ª posição. Não só a livrou da ameaça de um novo rebaixamento, como garantiu uma vaga para a Libertadores 2017. Jogos: 15. Aproveitamento: 66,6%

 

Atlético-PR

Buno Pivetti atuou como técnico interino até a contratação de Paulo Autuori, em março. A liderança do novo treinador levou o time a conquistar o Campeonato Paranaense e a escalar a tabela do Brasileirão até o G-6. Na Copa do Brasil, foi eliminado apenas pelo Grêmio, que mais tarde se sagraria campeão do torneio. O contrato de Paulo Autuori ainda dura mais um ano. Jogos: 57. Aproveitamento: 52%.

 

Corinthians

Já tendo conquistado os títulos de Campeão Mundial em 2012 e Campeão Brasileiro em 2015, Tite deixou o comando do Timão em junho, para assumir a Seleção Brasileira. Deixou para trás o vácuo de sua liderança em um time que sofria o desmanche. Jogos: 378 (somando três passagens pelo time). Aproveitamento: 61,9%

Cristóvão Borges pegou a equipe em 6º lugar na tabela, subiu até a 2ª colocação, onde permaneceu por cinco rodadas, foi até a liderança e depois voltou a cair. Sob pressão da torcida, que chegava a vandalizar o estádio, foi demitido após derrota em casa, por 2 a 0, diante do arquirrival Palmeiras. Jogos: 18. Aproveitamento: 48,1%

Fabio Carille foi interino até a contratação de Oswaldo de Oliveira, que assumiu um time desestruturado, em momento crítico, e não conseguiu apagar o incêndio. Mesmo a zona de classificação para a Libertadores tendo se estendido de G-4 para G-6, não conseguiu garantir uma vaga. Sua demissão já foi anunciada, mas ainda não se sabe quem entra no lugar.

 

Ponte Preta

Após período interino de Felipe Moreira, Alexandre Gallo foi contratado com a missão de salvar a Macaca no Campeonato Paulista. A equipe foi eliminada na primeira fase, e o técnico se viu surpreendido pela demissão em abril. Jogos: 12. Aproveitamento: 63,8%

Eduardo Baptista comandou a equipe ao longo de todo o Brasileirão, mantendo-se na zona de classificação para a Copa Sul-Americana. Jogos: 43. Aproveitamento: 48%

Para a temporada de 2017, está de volta ao comando Felipe Moreira, dessa vez efetivado. Sua estreia foi na última rodada do Brasileirão, com vitória em casa diante do Coritiba.

 

Grêmio

Roger Machado alegrou a torcida ao vencer o Internacional por 5 a 0 em 2015, mas pediu demissão em maio deste ano, após derrota por 3 a 0 para a Ponte Preta. Jogos: 93. Aproveitamento: 59%

Logo em seguida, Renato Gaúcho retornou para sua terceira passagem pelo time e colocou um fim ao jejum de 15 anos do Tricolor ao conquistar o pentacampeonato da Copa do Brasil. Agora, negocia a renovação de seu contrato para 2017. Jogos: 19. Aproveitamento: 50,8%

 

São Paulo

A campanha do São Paulo já não ia bem quando Edgardo Bauza deixou o time para assumir a Seleção Argentina. André Jardine ficou como interino. Jogos: 48. Aproveitamento: 44,4%

Ricardo Gomes, prosseguiu com campanha insatisfatória. Foi demitido em novembro, quando o time já não tinha mais chances de ir à Libertadores e já estava fora de risco de rebaixamento. Pintado assumiu como interino. Jogos: 18. Aproveitamento: 43%

Rogério Ceni já está com contrato assinado para 2017.

 

Chapecoense

Em 2015, Guto Ferreira assegurou a permanência do time na Série A. Em junho de 2016, deixou o time para assumir o comando do Bahia. Jogos: 50. Aproveitamento: 57,3%

Caio Júnior liderou a Chape até a final da Copa Sul-Americana, porém foi uma das vítimas do acidente aéreo que vitimou toda a equipe. Jogos: 36. Aproveitamento: 45,3%

Em 2017, quem assume a missão de ajudar a reconstruir a equipe é Vagner Mancini.

 

Cruzeiro

De auxiliar técnico a treinador, Deivid alcançou aproveitamento impressionante. No entanto, a eliminação na semifinal do Campeonato Mineiro levou à sua demissão. Jogos: 18. Aproveitamento: 70%

Paulo Bento passou a maior parte de seu comando na zona de rebaixamento e foi demitido após derrota em casa, diante do Sport. Jogos: 17. Aproveitamento: 41,17%

Mano Menezes foi quem livrou o time do rebaixamento e terminou o campeonato em 8ª colocação. Já está pronto para prosseguir os trabalhos na próxima temporada. Jogos: 28. Aproveitamento: 58,3%

 

Fluminense

Em 2015, Eduardo Baptista foi contratado como pedra de salvação para o time, que ia de mal a pior. Porém, caiu da 11ª para a 13ª colocação e foi ainda pior no Campeonato Carioca 2016. A derrota por 2 a 0 no clássico contra o Botafogo resultou em sua demissão. Jogos: 26. Aproveitamento: 37%

Assumiu Levir Culpi, e conquistou o título da Primeira Liga do Brasil. Sua atuação no Brasileirão, por outro lado, não foi tão animadora. Foi demitido em novembro, após derrota por 4 a 2 diante do Cruzeiro, deixando o time na 9ª colocação do Brasileirão. Jogos: 52. Aproveitamento: 51,9%

Marcão assumiu como interino, até a chegada de Abel Braga, que está contratado para 2017.

 

Sport

Paulo Roberto Falcão foi demitido em abril, após ser eliminado da Copa do Nordeste nas semifinais, com derrota nos pênaltis diante do Campinense. Jogos: 34. Aproveitamento: 55,8%

Thiago Gomes foi interino até a chegada de Oswaldo de Olveira, mas este deixou o cargo para assumir o Corinthians. Jogos: 34. Aproveitamento: 35%

Já tendo atuado como interino, Daniel Paulista foi efetivado para as oito rodadas finais do Campeonato Brasileiro. Conseguiu manter o time fora da zona de rebaixamento e conta com apoio da torcida e dos jogadores para se manter no cargo em 2017. O clube ainda não se posicionou. Jogos: 8. Aproveitamento: 54,34%

 

Coritiba

Após um início desastroso no Campeonato Brasileiro, Gilson Kleina foi demitido e deixou a equipe na zona de rebaixamento. Jogos: 28. Aproveitamento: 52,38%

Pachequinho assumiu como interino até a contratação de Paulo César Carpegiani. Este entrou com a missão de tirar o time do Z-4 e conseguiu! Permanece na equipe em 2017. Jogos: 26. Aproveitamento: 44,87%

 

Vitória

Em sua terceira passagem pelo time, Vagner Mancini conquistou o acesso do Vitória à Série A. Porém, caiu de rendimento no returno de 2016 e foi demitido devido à ameaça de retornar à Série B. Jogos: 76. Aproveitamento: 51%

Vindo do Figueira, Argel Fucks entrou em seu lugar em setembro e foi bem sucedido em tirar o Vitória da zona de rebaixamento. Agora, aguarda as eleições do clube para confirmar se fica ou sai do comando do time. Jogos: 13. Aproveitamento: 41%

 

Internacional

Campeão Gaúcho em 2015, Argel Fucks foi demitido em agosto de 2016, após derrota no Gre-Nal e consecutiva derrota diante do Santa Cruz, deixando o time na 8ª posição. Jogos: 61. Aproveitamento: 60,10%

Entre julho e agosto, Paulo Roberto Falcão descreveu uma descida vertiginosa na tabela e foi demitido com menos de um mês no cargo, deixando o time no Z-4. Jogos: 5. Aproveitamento: 13,3%

Em três meses, Celso Roth também não foi capaz de reverter o mau momento e deixou o time com grande risco de rebaixamento. Jogos: 22. Aproveitamento: 36%

Lisca foi contratado apenas para as três últimas partidas do ano, como uma aposta desesperada para livrar o Inter da degola, mas não obteve sucesso e o time caiu para a Série B. Jogos: 3. Aproveitamento: 44,44%

Em 2017, quem assume é Antônio Carlos Zago. O técnico vem de bela atuação no Juventude, tendo conseguido o acesso de volta para a Série B, e agora recebe a missão de devolver o Internacional à Série A.

 

Figueirense

Em 2015, Hudson Coutinho conseguiu livrar o Figueira do rebaixamento, e então retornou à função de auxiliar técnico. Jogos: 20. Aproveitamento: 40%.

Assumiu Vinícius Eutrópio, mas foi demitido em julho de 2016, após uma sequência de cinco partidas sem vencer no Brasileirão e descida para o Z-4. Jogos: 30. Aproveitamento: 51%

Vindo do Inter, Argel Fucks comandou o time por pouco mais de um mês, de julho a agosto, e foi demitido após perder em casa para o Cruzeiro, tendo descido uma posição na tabela. Jogos: 9. Aproveitamento: 25,9%

Já tendo atuado como interino, Tuca Guimarães comandou o time por menos de um mês, no qual subiu uma posição mas não saiu da zona da degola. Além disso, foi eliminado da Copa Sul-Americana. Jogos: 8. Aproveitamento: 41,6%

Marquinhos Santos entrou em setembro, não conseguiu escapar do Z-4 e comandará o time na Série B, em 2017. Jogos: 12. Aproveitamento: 25%

 

Santa Cruz

Após conquistar a Copa do Nordeste e o Campeonato Pernambucano, Milton Mendes caiu de rendimento drasticamente durante o Campeonato Brasileiro e mergulhou na zona da degola, o que rendeu sua demissão. Adriano Teixeira assumiu como interino. Jogos: 32. Aproveitamento: 46,87%

Em face da crise vivida pelo Santa Cruz, Doriva foi incapaz de tirar o time do Z-4 e pediu demissão, deixando o time na última colocação. Jogos: 16. Aproveitamento: 22,91%

Para 2017, Vinícius Eutrópio chega a Recife com a missão de recolocar a equipe na Série A do Brasileirão, além de conquistar títulos regionais.

 

América-MG

Em 2014, Givanildo Oliveira estava em sua quarta passagem pelo Coelho. Salvou o time do rebaixamento para a Série C em 2014, alcançou o acesso à Série A em 2015 e conquistou o Campeonato Mineiro em 2016. Foi demitido após péssimo início na elite do futebol brasileiro, deixando o time na lanterna do Brasileirão. Jogos: 89. Aproveitamento: 60%

Cláudio Prates foi interino. Sérgio Vieira ficou por um mês, mas não conseguiu esboçar reação no time. Foi demitido após derrota em casa contra o Santa Cruz, por 3 a 0. Jogos: 10. Aproveitamento: 20%

Enderson Moreira assumiu em julho. Afundado no Z-4, não conseguiu recuperar o time e caiu para a Série B. Continuará na posição em 2017. Jogos: 24. Aproveitamento: 31,9%

 

Comentários

1 Comentário

1 Comentário

  1. Pingback: Técnicos dos clubes brasileiros: demitidos e contratados na Série A de 2017 | Ganhador.com

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar