Ganhador.com

NBA

Por que o Brasil está encolhendo na NBA?

Foto: Jim McIsaac/Getty Images

Acerto de Anderson Varejão com o Flamengo faz lembrar que o país já foi muito mais forte no principal basquete do mundo. E não há sinais de que o cenário atual vá mudar                 

O Brasil é um dos mercados mais importantes para a NBA em todo o planeta. País de dimensões continentais, ninguém pode negar que a presença do melhor basquete do planeta em nosso território é, hoje em dia, das mais maciças, com cobertura constante das TVs e até mesmo a realização de partidas de pré-temporada no Rio de Janeiro. O que vem sofrendo um grande retrocesso é a participação de jogadores do país nas quadras. E exemplo disso veio nesta semana, quando o pivô Anderson Varejão foi anunciado como novo reforço do Flamengo para o NBB.

Três campeões ausentes

Vale sempre lembrar e é digno de aplausos. O Brasil produziu três jogadores que foram simplesmente campeões na NBA. O primeiro deles foi Tiago Splitter, que conquistou o anel e o troféu da temporada 2013/2014 pelo San Antonio Spurs. Vieram depois dele Leandrinho (pelo Golden State Warriors, em 2014/2015) e Anderson Varejão – Varejão, aliás, é um campeão mais teórico do que na prática, pois ele deixou os Warriors antes das finais do ano passado, mas a franquia lhe deu um anel de campeão mesmo assim.

O trio está fora da NBA. Splitter ficou sem time depois de machucar o quadril. Leandrinho e Varejão agora defendem Franca e Flamengo pelo NBB, respectivamente, e os brasileiros que ficaram no melhor basquete do mundo estão encolhendo as suas participações a cada mês.

O grande exemplo disso é o experiente pivô Nenê, de 35 anos, nada menos que 15 na NBA. Sua média de minutos em quadra é de 14,9, a mais baixa da carreira. E o que é mais triste: ele sofreu uma lesão no joelho e não tem dada para voltar ao Houston Rockets.

Os outros quatro brasileiros no melhor basquete do mundo também enfrentam muitas dificuldades.

Bruno Caboclo fez só duas partidas pelo Toronto Raptors. Lucas Nogueira vem tendo uma temporada mais efetiva pela equipe canadense, com a participação de 26 jogos, mas a média de pontos dá uma noção do que vem fazendo – apenas 3,6 pontos por partida.

O caso é o mesmo de Cristiano Felício no Chicago Bulls: 25 partidas, com uma média de pontos de 3,8 por jogo

O armador Raulzinho, por sua vez, tem uma média melhor de pontos pelo Utah Jazz: 4,9 por partida, com uma efetividade de 19 jogos. Ele, porém, tem a previsão de parar por algumas semanas para tratar o joelho.

Sem surpresas

O tempo de “vacas magras” dos jogadores brasileiros na NBA deve ser encarado com normalidade. O acesso ao melhor basquete do mundo é caracterizado por um funil dos mais complicados, e a cultura esportiva do Brasil não permite mesmo que se olhe para o país como um celeiro de talentos com destino aos Estados Unidos.

Todos os 16 brasileiros que jogaram na NBA até hoje chegaram lá única e exclusivamente por seu esforço próprio, não por ter uma estrutura por trás de si. E é este “modo espera” que o fã vai precisar se acostumar nas próximas temporadas. É uma situação semelhante à F-1 – de inegável maior tradição no Brasil, mas nem assim o país vai conseguir alinhar sequer um representante nas corridas deste ano.

As portas do ginásio estão abertas. Mas que todos passem por ela já é querer demais.

Jogos da temporada regular da NBA 2017/2018

Quinta-feira, 18 de janeiro

 

  • Sacramento Kings 105×120 Utah Jazz
  • Los Angeles Clippers 109×104 Denver Nuggets
  • Cleveland Cavaliers 104×103 Orlando Magic
  • Boston Celtics 80×89 Philadelphia 76ers

 

Sexta, 19 de janeiro

 

  • Houston Rockets 116×98 Minnesota Timberwolves
  • Portland Trail Blazers 100×86 Indiana Pacers
  • 22:00 – Toronto Raptors x San Antonio Spurs – Palpite: Raptors
  • 22:30 – Brooklyn Nets x Miami Heat – Palpite: Heat
  • 23:00 – Detroit Pistons x Washington Wizards – Palpite: Pistons
  • 23:00 – Memphis Grizzlies x Sacramento Kings – Palpite: Grizzlies

 

Sábado, 20 de janeiro

 

  • 00:00 – Denver Nuggets x Phoenix Suns – Palpite: Nuggets
  • 01:30 – Los Angeles Lakers x Indiana Pacers – Palpite: Lakers
  • 01:30 – Utah Jazz x New York Knicks – Palpite: Jazz
  • 18:30 – Cleveland Cavaliers x Oklahoma City Thunder – Palpite: Cavs
  • 20:00 – Atlanta Hawks x Chicago Bulls – Palpite: Bulls
  • 22:00 – Charlotte Hornets x Miami Heat – Palpite: Heat
  • 22:00 – New Orleans Pelicans x Memphis Grizzlies – Palpite: Grizzlies
  • 22:30 – Philadelphia 76ers x Milwaukee Bucks – Palpite: Bucks
  • 23:30 – Houston Rockets x Golden State Warriors – Palpite: Warriors

 

Domingo, 21 de janeiro

 

  • 00:00 – Minnesota Timberwolves x Toronto Raptors – Palpite: Raptors
  • 00:00 – Utah Jazz x Los Angeles Clippers – Palpite: Jazz
  • 01:00 – Portland Trail Blazers x Dallas Mavericks – Palpite: Trail Blazers
  • 16:00 – Boston Celtics x Orlando Magic – Palpite: Celtics
  • 18:30 – Los Angeles Lakers x New York Knicks – Palpite: Knicks
  • 19:00 – Detroit Pistons x Brooklyn Nets – Palpite: Pistons
  • 22:00 – San Antonio Spurs x Indiana Pacers – Palpite: Spurs

 

 

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar