Ganhador.com

Copa Libertadores

Libertadores da América: Análise e prognóstico para Racing x Vasco

Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br

Duelo de gigantes tem caráter decisivo para o time carioca. Partida começa às 19h15 (de Brasília) no Cilindro de Avellaneda                   

A rivalidade entre Brasil e Argentina no futebol é talvez a maior de todo o mundo, mas no que diz respeito a este Racing x Vasco, o clima prévio à partida é o mais amistoso possível. Os dois clubes trocaram elogios mútuos nas redes sociais e até os craques de cada um dos times, Lautaro Martínez, do Racing, e o machucado Paulinho, do Vasco, fizeram a sua parte para transformar a disputa em um mero evento esportivo, e não na batalha muitas vezes sem sentido que vemos nos gramados da América do Sul. Melhor para o Vasco. Qualquer sensação de tranquilidade nas horas anteriores à partida vai ser bem-vinda, pois o Cilindro de Avellaneda, a casa do Racing, é um dos estádios mais quentes da Argentina, com uma torcida admirada em todo o mundo.

 

Zé Ricardo faz malabarismos

Muitas vezes os técnicos de futebol são criticados por ganhar dinheiro demais e sequer se esforçar – afinal, são os jogadores que suam e se machucam dentro de um gramado, enquanto o técnico está sempre à beira dele. Mas não há o que criticar a conduta do comandante vascaíno. Seja qual for o resultado que o Vasco obtiver nesta noite em Avellaneda, cidade que fica colada à capital Buenos Aires, o seu trabalho está realmente merecendo aplausos, em que pese o único pontinho conquistado nesta Libertadores.

O Vasco conseguiu uma defesa sólida o suficiente para avançar no Carioca e segurar o empate sem gols contra o Cruzeiro no Mineirão justamente pela Libertadores. Quem viu o jogo entre os dois brasileiros não tem muita dúvida na hora de dizer que é esta a postura defensiva que o Vasco vai ter também na Argentina. Afinal, a equipe está desfalcada demais, e é aí que entra a capacidade do treinador para fazer o time jogar sem perder demais a qualidade. Thiago Galhardo, Giovanni Augusto, Breno, Kelvin, Ramon, Paulinho e Marcelo Mattos. São nada menos que sete ausências. É muita gente.

Na contenção, outro jogador que precisa ser destacado é o argentino Leandro Desábato, um camisa 5 bem típico do país vizinho, alguém que parece ter um pulmão extra. Ele vai ser uma peça essencial na hora de segurar o perigoso ataque do Racing. A capacidade ofensiva deste Vasco é reduzida – exceção feita a Evander, de 19 anos, mas de quem não se deve esperar muito justamente pelo grau de dificuldade da partida de hoje.

 

Racing aposta em técnico ‘maluco’

Chamado na Argentina de “Academia”, o Racing conta hoje com um treinador dos mais extravagantes: o famoso Eduardo “Chacho” Coudet, que comandava o Rosario Central e que quase saiu na mão com todo o time do Atlético Nacional quando os dois times se cruzaram na Libertadores de dois anos atrás. É claro que o caráter explosivo e a fama de maluco não são as únicas coisas que definem Coudet: ele é também um dos treinadores mais competentes e criativos de um futebol argentino que testa os seus profissionais até o limite da sanidade – daí alguns “exageros de comportamento”, como definia o lendário Marcelo “El Loco” Bielsa.

O grande desafio de Coudet é dar forma para uma equipe que vem em declínio no Campeonato Argentino, perdendo dois jogos e empatando um nos últimos três compromissos. A fase na Libertadores é mais promissora, com uma vitória e um empate. O ponto forte da equipe está no ataque, com um tridente capaz de ferir qualquer defesa do continente: o ex-são paulino Centurión, o badalado Lautaro Martínez e outro ex, desta vez do Colorado, Lisandro “Licha” López, um mestre da catimba e do jogo pesado contra os zagueiros.

 

Palpite

O Racing é favorito, não há o que discutir. É o líder do grupo, enquanto o Vasco tenta respirar e melhorar o pontinho único que possui até aqui. Sobre o time argentino, outro ponto a se destacar é que o Racing está irritado demais com as boas campanhas recentes do arqui-rival Independiente – qualquer resultado positivo obtido pelos “primos”, como brincam os argentinos, é motivo de muito esforço para que haja um revide no âmbito esportivo. Atuar no Cilindro, estádio onde a torcida joga junto, também é outro trunfo que a equipe vai saber usar em seus mínimos detalhes.

Pelo lado do Vasco, só mesmo a boa e a velha raça vai poder equilibrar as coisas. Se a partida for franca e com os dois times buscando o ataque, o Racing leva ampla vantagem. Se o Vasco se trancar na defesa e conseguir esfriar os ânimos, tem um pouco mais de chance. Mas a parada é mesmo dura demais. Imaginamos uma vitória do Racing por dois gols de vantagem: 2×0 ou 3×1. Nada surpreendente para quem fez 4×2 no Cruzeiro na estreia.

 

Jogos da fase de grupos da Libertadores da América 2018

Quinta-feira, 19 de abril

  • 19:15 – Racing x Vasco – Palpite: Racing
  • 21:30 – Universidad de Chile x Cruzeiro – Palpite: Cruzeiro
  • 21:30 – Emelec x River Plate – Palpite: River
  • 21:30 – Alianza Lima x Junior Barranquilla – Palpite: Junior

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar