Copa do Mundo Rússia 2018

Brasil x Bélgica: com Neymar em alta, Seleção Brasileira desafia invencibilidade belga e melhor ataque da Copa do Mundo nas quartas de final

Neymar e Willian
Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Apesar das recentes polêmicas em torno de seu comportamento nos gramados russos, camisa 10 vem em evolução e é peça fundamental para o país chegar às semifinais 

Vivendo a sua melhor fase desde a chegada à Rússia, há um mês, a Seleção Brasileira define sua vida na Copa do Mundo de 2018 nesta sexta-feira (6 de julho), às 15h. Depois de uma vitória segura sobre o México por 2×0 na abertura do mata-mata, que contou com a melhor atuação de Neymar com a camisa verde e amarela desde a fase de grupos, o Brasil tem pela frente o confronto mais aguardado das quartas de final. Com boas recordações do último duelo entre os países, a seleção pentacampeã mundial encara a Bélgica, dona do melhor ataque da competição e com 100% de aproveitamento (ao lado do Uruguai) em território russo.

 

Solidez defensiva

O Brasil chega para o embate que vale vaga nas semifinais mais confiante do que nunca. E isso se deve a solidez da equipe nas oitavas de final, que mesmo pressionada durante os primeiros minutos de bola rolando contra o México, soube ter tranquilidade e vencer o jogo na etapa final.

Assim como é de costume nos times dirigidos pelo técnico Tite, o setor defensivo é sempre um ponto muito forte. Muitas vezes, até intransponível. Com a Seleção brasileira, isso não é diferente. Mesmo tendo atuações questionáveis na primeira fase, o Brasil se mostrou bastante eficiente neste quesito. Nem mesmo as contusões de Danilo e Marcelo mexeram com a estrutura do time. Fato é que o setor liderado por Alisson, Miranda e Thiago Silva é o menos vazado do Mundial com apenas um gol tomado.

Sem Casemiro, que está suspenso e dá lugar a Fernandinho, a defesa canarinha terá o mais duro desafio em território russo, diante de um ataque que é o melhor do torneio com 12 gols.

 

Evolução ofensiva

O Brasil que enfrenta a Bélgica terá sua principal estrela perto de seu auge. Desde a operação no pé direito, há cinco meses, Neymar disputou poucas partidas. A falta de ritmo foi evidente no empate com a Suíça (1×1) e vitória sobre a Costa Rica (2×0). Mas isso mudou desde o triunfo sobre a Sérvia (2×0), que garantiu a Seleção no mata-mata. Mais à vontade em campo, o camisa 10 também brilhou diante do México, com gol e assistência, e teve sua melhor apresentação no Mundial. Apesar das polêmicas em torno de seu comportamento dentro de campo, como as faltas sofridas e o modo como cai no gramado, o craque brasileiro é a figura de desequilíbrio brasileira e precisará estar 100% focado para bater os Diabos Vermelhos.

Neymar divide as atenções com Philippe Coutinho, que após ser o homem canarinho da fase de grupos, teve atuação apagada contra a seleção El Tri. Por outro lado, Willian, que foi cogitado a sair do time após o triunfo sobre os costarriquenhos, mas só não perdeu a posição por seu substituto Douglas Costa se machucar, teve a redenção nas oitavas. A única peça do quadrado mágico que falta brilhar é Gabriel Jesus, que está zerado na competição e convive com a pressão pela entrada de Roberto Firmino.

 

Bélgica: defesa é o melhor ataque

Tem sido muito comum nos últimos anos os analistas apontarem a geração belga como a melhor de toda história do país. Jogadores não faltam para isso: Mertens, Hazard, De Bruyne e Lukaku. Após constantes decepções no passado, como as eliminações no Mundial passado para a Argentina, ou então a queda precoce na Euro 2016 diante de País de Gales, a equipe dirigida por Roberto Martínez está mais calejada. Ainda mais após quase passar novo vexame, desta vez contra o Japão, nas oitavas desta Copa. Depois de sair perdendo por 2×0, os belgas conseguiram a virada graças a dois homens que saíram do banco de reservas – Fellaini e Chadli – e, com gol no último minuto, superou a possível zebra da rodada.

O placar de 3×2 não deu somente a vaga nas quartas de final para os Diabos Vermelhos, mas fez a equipe liderar a Copa do Mundo em gols, com 12 no total. Únicos com 100% de aproveitamento na fase de grupos ao lado do Uruguai e há quase dois anos – 23 jogos de invencibilidade – sem serem derrotados, os belgas vão enfrentar o Brasil de igual para igual. É a chance do quarteto liderado pelo atacante Lukaku, vice-artilheiro do torneio com quatro gols, provar que está preparado para vencer o primeiro mundial da história.

 

Retrospecto

Brasil e Bélgica se enfrentaram poucas vezes na história, com três vitórias da equipe canarinha e uma dos europeus. O jogo mais emblemático entre os países ocorreu em 2002, nas oitavas de final do Mundial ocorrido na Coreia do Sul e Japão. A Seleção Brasileira de Ronaldo, Rivaldo e Ronaldinho Gaúcho bateu os rivais por 2×0, em jogo que foi fundamental para a arrancada para o pentacampeonato.

 

Palpite

Se tem um jogo que vale a pena acompanhar nas quartas de final é Brasil x Bélgica. Com duas escolas ofensivas, a expectativa é de termos um jogaço na Arena Kazan. A tal solidez defensiva brasileira, que não toma gol há mais de 270 minutos, terá pela primeira vez um teste real na Copa do Mundo, contra o melhor ataque da competição. Mesmo com o poderio ofensivo europeu, a Seleção Brasileira pode encontrar espaços em uma defesa adversária que tomou quatro gols na competição. É baseado nisso que acredito numa vitória sul-americana, mas com gols de ambos os lados.

 

Jogos das quartas de final da Copa do Mundo 2018

Sexta-feira, 6 de julho

  • 11:00 – Uruguai 0x2 França
  • 15:00 – Brasil 0x2 Bélgica 

Sábado, 07 de julho:

  • 11h00: Suécia 0x2 Inglaterra
  • 15h00: Rússia 2×2 Croácia (Pênaltis: 3×4)

 

 

Comentários

1 Comentário

1 Comentário

  1. victorino arone

    5 de julho de 2018, às 13:34

    eu tenho certeza qui Uruguai vai fazer o possível contra França

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.