Copa Libertadores

Boca Juniors x Palmeiras: Verdão toma dois gols e se complica na Libertadores; Grêmio vence fora de casa

Inimigo meu

Palmeiras sofre apagão no final do segundo tempo e cai por 2 a 0 em La Bombonera pela ida da semifinal da Libertadores.

Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

Confirmando a indicação do Bet365 que mostrava um ligeiro favoritismo para o Boca Juniors (odds em 2,20) no jogo de ontem contra o Palmeiras (3,60), em La Bombonera, pela ida das semifinais da Copa Libertadores, a equipe xeneize se aproveitou do “apagão” dos brasileiros no final do segundo tempo e abriu uma gigantesca vantagem de 2 a 0 para o jogo decisivo, na próxima semana, no Allianz Parque. Sem criatividade, mas também sem sofrer grandes sustos, o time de Luiz Felipe Scolari controlou bem o jogo até aos 31 minutos do segundo tempo, quando o atacante Dário Benedetto entrou no lugar de Ábila e no espaço de 6 minutos definiu o duelo.

Agora, para se classificar, o Palmeiras precisará de uma vitória por 3 a 0 – ou devolver os 2 a 0 de ontem e levar a decisão para os pênaltis. Resultados nem um pouco improváveis, mas muito difíceis. Uma situação que repete o mesmo script das semifinais da Copa do Brasil (aqui e aqui) que terminaram com o Cruzeiro classificado e o Verdão eliminado.

Melhores sites de apostas

Saque em

1-2

Dias

R$200

Bônus

+4

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

R$200

Bônus

+3

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

Transmissão

ao Vivo

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

R$200

Bônus

+2 More

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

R$777

Bônus

+8 More

Saque em 1-2 - Dias

O Palmeiras ia bem…

“Promovidos” para o “time da Libertadores”, os zagueiros Luan e Gustavo Gómez tiveram pouco trabalho na maior parte do jogo de ontem contra o Boca Juniors. Dando a posse de bola para os donos da casa – que eram empurrados por quase 50 mil torcedores –, o Verdão exercia uma forte marcação no meio e não deixava os argentinos se aproximarem para finalizar com qualidade. Velho conhecido dos brasileiros, Ábila muito brigou entre os zagueiros palmeirenses mas pouco produziu em campo.

A estratégia de “controlar o jogo” funcionava muito bem contra um Boca que errava demais na criação e quando acertava, parava na marcação brasileira. A única boa chance veio em um chute para fora de Pérez aos oito minutos. E só.

Mas, se por um lado o Palmeiras se defendia muito bem, por outro seu ataque não foi eficiente como em outras ocasiões. Com Moisés em uma noite particularmente ruim, o time brasileiro falhava na transição para o ataque e perdia grandes chances de assustar o goleiro Rossi que apenas assistiu ao jogo no primeiro tempo. Repetindo o que se via nos tempos do técnico Roger Machado, Borja corria muito na frente, mas não recebeu uma única bola em boas condições para finalizar.

Mas, até aí, o empate era um bom resultado.

 

…até que veio o segundo tempo

A etapa final não começou com uma disposição diferente dos times: o Boca tentava pressionar sem sucesso e o Palmeiras falhava da mesma forma ao tentar contra-atacar. Aos 31 minutos, o técnico Guillermo Schelotto cansou-se da ineficácia de Ábila e mandou Benedetto para o jogo. Aos 36, Felipe Melo fez falta perigosa na frente da área. Olaza bateu forte, com perfeição, no ângulo e obrigou Weverton a fazer boa defesa, mandando a bola para escanteio. Na cobrança, Benedetto subiu com grande liberdade e desviou de cabeça na primeira trave: 1 a 0 Boca no primeiro grande erro da defesa palmeirense na noite de ontem.

Mas cabia mais.

O Palmeiras tentou abrir mais o jogo e aos 42 minutos, Benedetto driblou Luan e chutou de fora da área para fazer o segundo e fechar a fatura. Fim de jogo.

Na próxima quarta-feira o Verdão precisará vencer um oponente que, por conta das ironias do futebol, só está “vivo” graças à ação direta do Palmeiras.

 

River Plate 0 x 1 Grêmio

A defesa é o melhor ataque

Sem poder contar com seus principais nomes ofensivos – Luan e Everton – o técnico Renato Gaúcho montou um time “copeiro” para o primeiro duelo da outra semifinal da Libertadores contra o River Plate, na Argentina, na última terça-feira. Com Michel como “surpresa” na escalação, o professor deixou a criação principal no ataque sob os cuidados de Alisson e Jael. Com isso, o Imortal fechou-se na defesa e controlou bem a pressão dos donos da casa que, presos na marcação, partiram para o abafa à partir dos 30 minutos do primeiro tempo, mas sem sucesso.

No segundo tempo, o River voltou disposto a abrir o placar e assustou com Maidana que cabeceou livre sobre o gol de Grohe. Aos poucos o Grêmio reassumiu o controle e aos 16 minutos, Michel aproveitou cobrança de escanteio de Alisson para colocar o atual campeão da Libertadores à frente no placar. O gol afetou o River que se abateu e deu espaços. Aos 33, Leonardo pegou a sobra de uma falta e por muito pouco não marcou o segundo. Nos acréscimos , os donos da casa assustaram com Quintero em cobrança de falta bem defendida por Marcelo Grohe.

Agora, o Grêmio joga em casa na próxima semana por qualquer empate para chegar, novamente, à final da Copa Libertadores. Derrota por 1 a 0 leva a decisão para os pênaltis e qualquer derrota por 1 gol de diferença à partir de 2 a 1 classifica o River.

Comentários

3 Comentários
Voltar