Ganhador.com

Brasileirão Série A

A Polêmica do Fla-Flu

 

Depois de muita negociação, está decidido o local do clássico Fluminense x Flamengo, válido pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro. Será no dia 13 de outubro, às 21 horas, no Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, a 130 km da capital carioca. Mas, até chegar ao veredicto, foram muitas idas e vindas, discussão e até má vontade entre clubes.

Vários clubes cariocas já andavam se estranhando antes, na intrincada política esportiva, onde não apenas o futebol importa, mas também fatores como estádio, contratos dos atletas e direitos de imagem e televisão. Mas a situação se agravou com a realização dos Jogos Olímpicos 2016. O Maracanã é um dos estádios cedidos para o Comitê Olímpico, o que deixou o Flamengo e o Fluminense “desabrigados” desde março desse ano. Esperava-se que já tivesse sido devolvido a essa altura, mas a previsão de entrega ficou para 30 de outubro.

Diante da impossibilidade de mandar seus jogos no Maracanã, o Fluminense realizou uma parceria com o America FC para receber jogos no Estádio Édson Passos. Enquanto isso, o Flamengo adotou o Estádio Kléber Andrade, em Cariacica (ES), para a maioria de seus duelos. Outros estádios que receberam os dois clubes incluem Pacaembu (São Paulo), Mané Garrincha (Brasília) e Arena das Dunas (Natal). Este último recebeu a partida Flamengo 1×2 Fluminense, válida pela 11ª rodada do campeonato, em 26 de junho. Também ocorreram dois jogos no estádio da vez, Raulino de Oliveira: Flamengo 1×0 Vitória e Fluminense 0x0 Coritiba. O problema é que o estádio não atrai torcedores. A somatória do público pagante nos dois jogos não chega a 6 mil.

Se conseguir um estádio no Rio de Janeiro já é difícil para partidas contra visitantes de outras cidades, a logística se complica quando o assunto é clássico regional. Considerado um dos maiores clássicos do país, o Fla-Flu requer vários níveis de planejamento, que levam em consideração o grande público esperado e a rivalidade das torcidas. Tendo isso em mente, o Estádio Édson Passos foi vetado pela Polícia Militar. De acordo com o Grupamento Especializado em Policiamento de Estádios (Gepe), as ruas que circundam o estádio são estreitas demais e o estacionamento é insuficiente, fatores que podem contribuir para brigas entre as duas torcidas. Começou aí a Via Crucis por um estádio adequado.

Vários locais foram cogitados e descartados por diferentes motivos. O Pacaembu será palco de São Paulo x Santos no mesmo dia. Na véspera, o Maracanã receberá show da dupla Jorge e Matheus, e estará indisponível no dia do duelo. A torcida fluminense é minoria em Natal, o que tirou do páreo a Arena das Dunas. O mesmo acontece com a Arena da Amazônia. Na verdade, nenhum dos dois times tinha interesse em ir a campo em Manaus. O Serra Dourada, em Goiânia, também foi cogitado, mas a casa do Fla-Flu é o Rio de Janeiro. E o Tricolor fez das tripas coração para manter o duelo perto de casa. Isso o levou às negociações com o Botafogo. Queriam o Estádio Luso Brasileiro.

Houve alteração de data, a pedido do Flamengo, que esperava poder contar com o goleiro Muralha, convocado para jogos da Seleção Brasileira, e com o atacante Guerrero, da Seleção Peruana, e então estava tudo combinado. O duelo foi anunciado no site da CBF: Fla-Flu no Luso Brasileiro. Mas o anúncio não durou nem dois dias. Pressionado por dirigentes e conselheiros, o Botafogo recuou da proposta e afirmou que seu estádio estaria indisponível.

As justificativas foram diversas. Ao Fluminense, a diretoria do Botafogo declarou que haviam problemas com a tubulação de esgoto sob a arquibancada sul. Questionado sobre sua partida agendada para o dia anterior, contra o Internacional, o clube não se pronunciou. Apenas substituiu o pretexto em comunicado à CBF. Afirmou que já existem dois jogos marcados na mesma semana, e um terceiro poderia comprometer a qualidade do gramado.

A torcida tricolor e a rubro-negra não se contentaram com as justificativas, que consideraram meros pretextos para não receber a partida. Desde o ano passado, o Botafogo está envolvido em disputa judicial com um de seus ex-jogadores, o volante Willian Arão, que agora defende a bandeira do Flamengo. Esse atrito entre os dois times levou o presidente do Glorioso, Carlos Eduardo Pereira, a declarar que, enquanto durar a disputa, a equipe do Flamengo não será bem-vinda. Comportamento de “dono da bola”.

Em meio à crise entre clubes, o Fluminense tentou modificar o dia do duelo novamente, para uma data em que o Maracanã esteja disponível, mas a opção foi vetada pela CBF. Descontente com a tentativa frustrada e com a falta de opções, o duelo foi marcado para acontecer em Volta Redonda. No entanto, em vez da torcida ser composta por 50% de cada time — como era o de se esperar caso a partida se realizasse em outro estado — o Tricolor decretou a proporção 90/10.

Com tanta discussão e animosidade velada, todos saem perdendo. Flamengo e Fluminense contarão com torcida reduzida. Botafogo não receberá o aporte oferecido pelo Tricolor pelo uso do estádio. E o torcedor perde a chance de assistir a um jogaço como esses na Cidade Maravilhosa.

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar