UFC

Jon Jones passa limpo em testes antidoping do UFC 232 e dá mais um passo para superar descrença pública

Jon Jones nos bastidores do UFC 232
Foto: Divulgação / UFC

Jon Jones deu o primeiro passo extra-octógono para “limpar a sua barra” com o fã de lutas. Ele passou nos testes antidoping que fez no último dia 29 de dezembro, data do UFC 232, em Las Vegas (EUA). Havia falado sobre isso em uma das minhas colunas pré-luta: o americano pode até vencer no octógono mais famoso do mundo, mas tão importante quanto é passar ileso pela série de testes antidoping que vão acompanhá-lo durante a continuidade de sua carreira. E depois de recuperar o cinturão dos meio-pesados, o campeão também venceu ao passar limpo no teste.

Melhores sites de apostas

Saque em

1-2

Dias

R$200

Bônus

+4

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

R$200

Bônus

+3

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

Transmissão

ao Vivo

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

R$200

Bônus

+2 More

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

R$777

Bônus

+8 More

Saque em 1-2 - Dias

Jones continua sendo gigante no MMA. Diante de Alexander Gustafsson, no UFC 232, mesmo depois de mais de um ano sem lutar, o astro mostrou seu poder de luta. Inteligente, estratégico, frio e técnico, Jones nocauteou o sueco no terceiro round da revanche – ele já havia vencido o primeiro confronto, em 2013, na decisão. Mas além da expectativa por sua performance dentro do cage, Jones hoje gera expectativa por conta dos resultados de seus exames. Não é à toa que os testes antidoping limpos pós-UFC 232 são notícia.

Foram testes conduzidos pela (CSAC) Comissão Atlética do Estado da Califórnia, nos quais não foram encontradas quaisquer substâncias proibidas no organismo do americano. O teste sequer apontou a presença de qualquer nível de metabólitos de turinabol. Vale lembrar que o UFC 232 migrou de Las Vegas para Los Angeles por conta do “picograma da discórdia” encontrado no organismo de Jones em um teste fora de competição. No fim das contas, o teste feito pela CSAC não justificou a não liberação de Jones para lutar em Nevada.

Quando o não-doping de Jones vira notícia é porque o caso é grave mesmo. E não é para menos. O americano lutou apenas quatro vezes nos últimos quatro anos, e os principais motivos foram consequentes casos de doping nos quais ele se envolveu. Ao todo, foram mais de três casos. O primeiro doping foi por uso de cocaína, e os seguintes por uso de metabólitos de esteroides anabolizantes. Todos esses casos fazem com que a o legado de Jones seja desacreditado por muitos. “Seu sucesso está ligado ao doping”? É um questionamento comum gerado pelo público que acompanha a carreira do americano.

Jones ainda vai precisar de alguns testes para se ver totalmente livre da descrença que o acompanha. Por agora, o americano pode gozar com todos os louros a vitória contra Alexander Gustafsson. Que ele se mantenha na linha para nunca mais ter seu nome ligado ao doping. Afinal, depois de tantos casos, ele só precisa fazer o que sabe dentro do cage e se manter longe de polêmicas. Caso ele consiga, ele pode dormir tranquilo que terá seu nome seguro na mente de muita gente como “o melhor lutador de todos os tempos”.

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar