UFC

UFC anuncia data, local e rival de retorno de José Aldo e futuro do lutador entra em jogo

Foto: Divulgação/UFC

Depois de muita expectativa, José Aldo está com a volta ao octógono definida. O brasileiro foi confirmado no UFC Fight Night que acontece em Calgary, Canadá, dia 28 de julho. Ele terá pela frente no evento o americano Jeremy Stephens em combate válido pela categoria dos penas. O brasileiro busca a recuperação depois de duas derrotas consecutivas na carreira no MMA e chega em um ponto da carreira que embora o duelo com Stephens não seja válido por cinturão, o futuro do brasileiro está em jogo.

Será a primeira luta de Aldo sem título em jogo desde junho de 2009, quando ele nocauteou Cub Swanson pelo extinto WEC e ganhou o direito de enfrentar Mike Brown pelo cinturão dos penas. De lá para cá, o manauara emplacou uma série de 14 disputas de cinturão. Ele foi um campeão dominante no WEC e no UFC, mas nos últimos tempos vive uma fase ruim. Aldo soma três derrotas (todas por nocaute) nas últimas quatro lutas. E esse retrospecto é o que faz com que o duelo contra Stephens possa definir seu futuro.

Não é de hoje que Aldo declara aos sete ventos que gostaria de direcionar sua carreira no mundo das lutas para o boxe. Ele já deixou bem claro que se o contrato com o Ultimate acabasse hoje, amanhã ele já estaria no ringue. E dizer isso sem a menor papa na língua passa a impressão de que ele só está “cumprindo tabela” no UFC. Parece que ele está lutando apenas para cumprir as lutas que tem no contrato e que depois disso é fim da linha no octógono. O problema é que quando se luta sem motivação e apenas por formalidade, sem motivação, o resultado não é bom.

Aldo está num momento em que não precisa provar mais nada a ninguém. Apesar de jovem (ele tem 31 anos), o brasileiro poderia se aposentar do MMA hoje e viver bem satisfeito com a condição financeira que alcançou e mais do que isso, com as conquistas que colecionou durante sua trajetória no esporte. Ele tem todo o direito de seguir para o boxe caso esse seja seu real sonho, mas seguir no MMA sem lutar 100% não é uma boa ideia.

O lado bom é que Jeremy Stephens é o tipo de cara certo para nos mostrar se Aldo ainda pode seguir lutando em alto nível. Se o brasileiro entrar desmotivado, será atropelado. Jeremy é agressivo e nocauteador. Por outro lado, se Aldo vence um cara como Stephens, será a prova de que ele ainda tem lenha a queimar dentro do octógono.

O combate tem tudo para ser empolgante. E vale lembrar que foi exatamente no Canadá que José Aldo fez sua primeira defesa de título no UFC. Foi em abril de 2011, há quase exatos sete anos atrás, que o brasileiro pisou pela primeira vez no octógono, pelo UFC 129, onde venceu Mark Homnick na decisão dos juízes e teve o braço erguido pela primeira vez no Ultimate.

Que o retorno ao Canadá possa fazer Aldo voltar às raízes e voltar a ser – se não tudo – ao menos parte do lutador que ele era na última vez que pisou por lá. Um atleta agressivo, frio, técnico e preciso. Será que mais do que a volta de José Aldo é possível sonhar com a volta de Aldo? São duas coisas diferentes, e já aprendemos isso.

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar