Paulista A2

Garantidos na elite do Paulistão em 2019, Guarani e Oeste fazem final da A-2 neste sábado

Guarani Paulista A2
Foto: Divulgação Guarani

Título da Segundona paulista será definido em jogo único no Brinco de Ouro da Princesa, já que o Bugre realizou a melhor campanha da primeira fase; campeão ganha vaga na Copa do Brasil do ano que vem

Sensação de dever cumprido. O título da Série A-2 soa como mera formalidade quando o maior objetivo dos finalistas, Guarani e Oeste, já foi cumprido: o acesso à elite do Paulistão em 2019. Neste sábado (07), as duas equipes fazem a decisão no estádio Brinco de Ouro da Princesa, às 19h (horário de Brasília).

O Bugre têm direito ao mando de campo por ter concluído a primeira fase na liderança. Além da premiação em dinheiro, o campeão garante vaga na Copa do Brasil do ano que vem. Se houver empate no tempo normal, o vencedor será conhecido após as penalidades máximas.

 

Final da Série A-2: Guarani x Oeste

Após a vitória por 1 a 0, em casa, sobre o XV de Piracicaba, que determinou o retorno à primeira divisão estadual, a torcida do Guarani comemorou incessantemente. Desde 2013, o Guarani não disputa a Série A-1. Para que 2018 torne-se ainda mais inesquecível, só mesmo a conquista da Série B do Brasileirão ou mesmo a volta à Primeirona nacional como um dos quatro melhores colocados da competição.

Para os mais supersticiosos, é bom lembrar que o ano com final oito traz boas lembranças aos bugrinos. Em 1978, o clube foi campeão brasileiro em cima do Palmeiras. Até hoje, os campineiros são o único clube do interior a conquistar o troféu mais importante do nosso futebol. Em 1988, o título paulista escapou com a derrota para o Corinthians no segundo jogo da final, em Campinas – gol do então iniciante Viola.

Mas garantir o retorno à Copa do Brasil é uma das metas da diretoria do Guarani, que não participa da competição há quatro anos. Na última vez, em 2014, o Bugre, que entrou na disputa em função do ranking da CBF, acabou eliminado logo na primeira fase com uma vexatória derrota para o Santa Rita de Alagoas, em pleno Brinco de Ouro, por 2 a 1. Caso não fique com o título da Série A-2, a única chance de os bugrinos retornarem à Copa BR seria com a conquista da Segundona do Campeonato Brasileiro.

 

Oeste quer manter a pegada da semifinal para surpreender o Bugre

Terceiro colocado na primeira fase, o Oeste surpreendeu o São Bernardo com duas vitórias na semifinal – 2 a 1 (em casa) e 3 a 2 (ABC). Líder por algumas rodadas no início da competição, o Rubrão esteve sempre entre os primeiros colocados. O time treinado por Roberto Cavalo evoluiu na reta final da fase de classificação e chegou na ponta dos cascos na parte final da A-2 – situação oposta a do Bernô, que por pouco não perdeu a vaga no mata-mata e ficou sem a vaga na Série A-1 do ano que vem.

De olho na possibilidade de jogar a Copa do Brasil do ano que vem, o Oeste sabe que é franco-atirador contra o bom time do Bugre, que terá a vantagem de fazer a final na condição de mandante. Mas nada que abale a confiança do Rubrão, que quase subiu para a primeira divisão do Brasileirão no ano passado, ao terminar na sexta colocação.

 

Como as duas equipes alcançaram a final da A-2

O Oeste garantiu o retorno à elite do futebol paulista, na noite de terça-feira (03), ao bater o São Bernardo por 3 a 2, no Estádio Primeiro de Maio. No jogo de ida, em Barueri, o Rubrão venceu por 2 a 1 e tinha a vantagem do empate. De volta à elite depois de dois anos. E graças a um gol de Ricardinho, aos dois minutos do segundo tempo do jogo de volta, o Guarani venceu o XV de Piracicaba por 1 a 0, depois de empatar o duelo de ida, no Barão da Serra Negra, em 0 a 0.

 

Palpite

Diferente da semifinal, a expectativa é de que os dois times entrem um pouco mais relaxados em campo. A missão mais importante na Série A-2 de 2018 já foi cumprida. Mas ambos estão de olho nas pomposas premiações da Copa do Brasil no ano que vem. Por isso, a partida tem muita importância. Vale o fator casa, o peso na camisa e a força da torcida. Por isso, a confiança no título do Bugre é maior, que segue na sua caminhado de repetir os áureos momentos de 1978 a 1994, quando montou equipes de ponta no futebol brasileiro.

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.