Vôlei

Final da Liga das Nações de Vôlei Feminino: Brasil arrasa a Holanda e é favorito também contra a China

Seleção Brasileira de Vôlei Feminino
Foto: William Lucas/Inovafoto/CBV

Seleção comandada por José Roberto Guimarães vence por 3 sets a 0 em uma atuação excelente do seu ataque    

O Brasil fez a sua parte e cumpriu o prognóstico que havíamos publicado ontem (27) aqui no Ganhador. Com uma ótima atuação em todos os setores da quadra, e em especial no ataque, a seleção estreou em Nanjing (China), na Fase Final da Liga das Nações de Vôlei Feminino, com uma contundente vitória de 3 a 0 sobre a Holanda, com parciais de 25/16, 25/17 e 25/23. De fato, só houve resistência mesmo na última parcial, quando o Brasil jogou com um sangue frio admirável e soube controlar todas as tentativas holandesas de levar a partida para o quarto set.

O problema é que o Brasil nem vai ter tempo para comemorar: o segundo compromisso deste triangular já ocorre nesta sexta, às 9h30, diante da China, a anfitriã. O SporTV 2 transmite ao vivo e há a expectativa por mais uma vitória brasileira. A China também já jogou contra a Holanda e venceu por 3 a 1, mas na fase de classificação perdeu para o Brasil pelo mesmo placar. É claro que não dá para desconsiderar que as chinesas vão apresentar um rendimento melhor por jogarem em casa e serem as anfitriãs da Fase Final da Liga das Nações, mas a diferença entre as equipes é considerável – especialmente na posição de levantadora, pois a titular Roberta é hoje um dos grandes nomes do mundo.

 

Única 100%

Chama bastante a atenção que o triunfo do Brasil sobre a Holanda seja sem perder sets. Todos os outros resultados foram bem mais parelhos, e a seleção europeia não atuou abaixo das suas capacidades – o Brasil sim que conseguiu impor o seu estilo de velocidade e potências e não ofereceu possibilidades de reação. No Grupo A, como citamos, a China bateu a Holanda por 3 a 1. E no Grupo B, com Estados Unidos, Sérvia e Turquia, as partidas estão bem mais parelhas, com 3 a 2 dos EUA sobre a Turquia e um novo 3 a 2 da Turquia sobre a Sérvia. Dando a lógica, o Brasil enfrentaria a Turquia na semifinal da Liga das Nações no sábado, com um possível confronto com as americanas na decisão de domingo – antes, porém, os Estados Unidos precisaria bater a China na semi.

“Essas seleções estão entre as melhores do mundo. A Holanda tem evoluído bastante. O técnico (Jamie Morrison) é americano e joga como os Estados Unidos, imprimindo bastante velocidade nas extremidades e com as jogadoras de meio. Ele tem investido no potencial defensivo do time. Já vencemos a Holanda na fase de classificação, mas estava tudo zerado. É sempre um grande desafio”, disse José Roberto Guimarães, que ainda fez questão de elogiar a equipe brasileira.

“Tenho que parabenizar as jogadoras pela dedicação delas durante essas sete semanas. Tivemos altos e baixos durante a competição, mas aprendemos bastante. Estamos treinando muito bem e sinto o time feliz por termos chegado aqui com a possibilidade de enfrentar as melhores seleções do mundo, mas queremos mais na competição”, completou o treinador.

“A Holanda hoje joga um voleibol redondo, as duas levantadoras imprimem bastante velocidade no jogo”, analisou a central Adenízia. “Mas conseguimos manter principalmente a atenção que o técnico tanto cobra. Vamos seguir neste caminho.”

 

Eficiência

O Brasil conseguiu realmente colocar em prática aquilo que se propôs: o time entrou concentrado e sacou muito bem, “quebrando” o passe da Holanda que em raros momentos pôde atacar com violência. As europeias bem se que esforçaram, mas não conseguiram fugir da situação de recorrer sempre às bolas altas, o que facilitava demais o bloqueio do Brasil.

Ressalte-se também a paciência do Brasil, que não se precipitou e não deu muitos pontos de graça para a Holanda. Tal eficiência é mostrada no aproveitamento de ataque, com 45 pontos para o Brasil e 36 para a Holanda. Tandara terminou com 17 pontos e foi a melhor da equipe neste item das estatísticas.

 

Palpite

O Brasil tem vantagem sobre a China em todos os pontos da quadra. A única maneira de equilibrar a partida seria com uma desatenção do time – que, convenhamos, não viajou até Nanjing para dar sets de graça. O Brasil demonstrou uma boa distribuição de jogo e o vigor de sempre tanto na hora de defender como de atacar. É de se imaginar que este padrão persista e que a equipe consiga ganhar por 3 a 1 ou até mesmo um 3 a 2, mas sem oferecer muita chance para nenhuma tentativa de vitória chinesa no quinto set.

 

Jogos do Brasil na Fase Final da Liga das Nações de Vôlei Feminino

Quinta-feira, 28 de junho

  • Brasil 3×0 Holanda

Sexta-feira, 29 de junho

  • 09:30 – Brasil x China – Palpite: Brasil

 

Comentários

1 Comentário

1 Comentário

  1. Lucas Rodrigues Pellegrine

    29 de junho de 2018, às 08:34

    Achei o texto bem otimista, e só dois pontos gostaria de ressaltar, entre tantos que gostaria de dizer.
    A Roberta não faz tanta diferença assim para as demais levantadoras, é uma boa jogadora, apenas! E a China sempre ofereceu resistência, tanto é que ganhou o ultimo jogo contra o Brasil por 3×2, com um show de Thin Zhu, ponteira chinesa.
    Atual campeã olímpica né?

    Ou seja, Brasil não terá vida facil! Ah nao ser que jogue como jogou ontem, quem sabe…

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.