Amistosos de seleções

Alemanha x Espanha: invencibilidade de quase dois anos em clássico mundial a três meses da Copa do Mundo

Foto: Sebastian Widmann/Bongarts/Getty Images

Embate em Düsseldorf marca encontro dos últimos dois campeões do torneio de seleções e dos principais favoritos para a conquista na Rússia

Não existe uma partida mais atraente do que Alemanha x Espanha nesta sexta-feira (23 de março). O duelo na Esprit Arena, em Düsseldorf, marca o encontro de duas das principais forças do planeta da bola, que vêm ditando conceitos de futebol desde a última década. Seja pelo fato de serem os últimos campeões mundiais – Fúria em 2010, e as Águias, em 2014 – ou por promoverem inúmeros talentos através de clubes como Real Madrid, Barcelona, Bayern de Munique e Borussia Dortmund, os dois países chegam mais fortes do que nunca para a Copa do Mundo e, como não poderia deixar de ser, são os grandes favoritos ao título do torneio ao lado de Brasil, Argentina e França. Se liga só na análise deste jogaço!

 

Invencibilidade em jogo

Com dois dos esquemas de jogos mais envolventes do futebol mundial, Alemanha e Espanha entram em campo com uma longa invencibilidade debaixo do braço. Os alemães não perdem um confronto desde a eliminação para a França por 2×0 na Eurocopa de 2016. De lá para cá foram 20 partidas, entre amistosos e jogos oficiais, sendo incríveis 15 vitórias e cinco empates.

Entre estes triunfos está a conquista da Copa das Confederações do ano passado, no palco da Copa do Mundo de logo mais. O time dirigido por Joachim Löw ganhou a taça ao vencer o Chile por 1×0.

Já nas Eliminatórias, a Alemanha foi dona da melhor campanha no geral. Se a ótima safra de jogadores já era um caminho bem mais tranquilo para cravar a vaga para o Mundial, encarar uma chave fraca, com República Checa, Irlanda do Norte, Noruega, Azerbaijão e San Marino, tornou a meta ainda mais fácil. A Seleção teve simplesmente 100% de aproveitamento, ou seja, ganhou todos os 10 jogos e somou todos os 30 pontos possíveis (43 gols pró e 4 contra), marca que pulverizou o feito alcançado pela própria Espanha em 2009 (também 100%, mas com 28 gols e 5 contra). Agora, terá pela frente em território russo Coreia do Sul, México e Suécia pelo Grupo F. O que convenhamos, não parece difícil.

Coincidência a parte, o último revés espanhol também ocorreu na Euro, mas para a Itália, por 2×0. Desde a troca no comando da seleção – saída de Vicente del Bosque e chegada de Julen Lopetegui -, a Fúria ganhou 12 partidas e empatou outras quatro. Entre os importantes triunfos, destaque para o “troco” na Azzurra, no qualificatório, em goleada por 3×0. O resultado foi fundamental para a campeã mundial de 2010 alcançar a vaga direta pelo Grupo G. Já na Copa, pertence ao Grupo B, ao lado de Irã, Marrocos e Portugal.

 

As novidades

A Alemanha que enfrenta a Espanha e que consequentemente vai à Rússia terá muitas modificações da que foi campeã no Brasil, há quatro anos. Tudo bem que Joachim Löw mantém no elenco oito jogadores (Ginter, Hummels, Boateng, Khedira, Draxler, Kroos, Özil e Müller) do título no Macaranã, mas outros importantes nomes já não fazem mais parte da seleção. São os casos de ex-capitão Philipp Lahm, Bastian Schweinsteiger, Lukas Podolski e do maior artilheiro de todas as Copas Miroslav Klose, todos aposentados por seu país.

Ainda sem poder contar com Manuel Neuer, que se recupera de longa contusão no pé, e poupando Marco Reus, a Alemanha vê a ascensão de Marc-André ter Stegen no gol do Barcelona, de Leroy Sané, no ataque do Manchester City, e de Timo Werner, do RB Leipzig.

Já a Fúria tem como principal novidade para a sequência de dois amistosos, que inclui partida contra a Argentina, o retorno de Diego Costa. Fora da seleção desde junho do ano passado por razões técnicas, o brasileiro naturalizado espanhol voltou a encontrar o seu melhor futebol no Atlético de Madrid depois de ficar seis meses na “geladeira” pelo Chelsea. Ele surge como opção para o técnico Lopetegui, que deixou de fora Morata, que tem sido irregular nos Blues. Também estarão em campo logo mais os experientes Sergio Ramos e Piqué, que formam uma das melhores duplas defensivas da atualidade, e os maestros Iniesta e David Silva.

 

Palpite

É um dos poucos jogos que não ouso apontar favorito. Por quê? Porque as peças de cada lado se equivalem! Mas por atuar em casa, a Alemanha pode levar ligeiro favoritismo.

 

Confira os amistosos preparatórios para a Copa do Mundo da Rússia 2018

Sexta-feira, 23 de março

  • 13:00 – Rússia x Brasil – Palpite: Brasil
  • 15:00 – Grécia x Suíça – Palpite: empate
  • 16:00 – Portugal x Egito – Palpite: empate
  • 16:30 – Sérvia x Marrocos – Palpite: Sérvia
  • 16:45 – Alemanha x Espanha – Palpite: Alemanha
  • 16:45 – Itália x Argentina – Palpite: Itália
  • 16:45 – Holanda x Inglaterra – Palpite: empate
  • 17:00 – França x Colômbia – Palpite: França
  • 18:00 – México x Islândia – Palpite: México
  • 18:00 – Peru x Croácia – Palpite: empate

Sábado, 24 de março

  • 14:00 – Suécia x Chile – Palpite: empate

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.