Ganhador.com

Notícias

Empurrado pela torcida, Rosberg busca reação no GP da Alemanha de Fórmula 1

Piloto a ser batido no começo da temporada, quando venceu as quatro primeiras corridas, o alemão Nico Rosberg vai viver um fim de semana especial a partir desta sexta-feira (29) em Hockenheim, onde será realizado o GP da Alemanha, 12ª etapa da temporada 2016 da Fórmula 1.

Ultrapassado na classificação do campeonato pelo inglês Lewis Hamilton, companheiro de equipe Mercedes, Rosberg contará com o apoio da torcida para buscar a recuperação no Mundial e voltar a ocupar a liderança na tabela de pilotos. Rosberg soma agora 186 pontos contra 192 de Hamilton, que virou o jogo justamente na Hungria, no último fim de semana, quando venceu o GP de forma incontestável. O inglês já havia feito a mesma coisa nas duas provas anteriores, na Áustria e na Inglaterra.

A boa fase de Hamilton influencia nas cotações para o fim de semana em Hockenheim. Uma pole-position sua, por exemplo, oferece US$ 1,66 a cada dólar apostado, segundo as estatísticas do Oddsshark.com/br. Já Rosberg vem um pouco atrás: US$ 2,50 de retorno para quem investir um dólar na sua liderança no grid de largada. Qualquer outro resultado seria uma enorme zebra. O também alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, gera US$ 12 a cada dólar investido, e os demais vêm muito atrás.

O trio formado por Hamilton, Rosberg e Vettel é dominante também na classificação final da corrida. O inglês da Mercedes paga US$ 1,72 a cada dólar apostado, seguido de US$ 3,25 de Rosberg e de US$ 9 de lucro a cada dólar apostado em Vettel, ainda de acordo com o levantamento do Oddsshark.com/br. Já o brasileiro Felipe Massa, nono na classificação com 38 pontos, está cotado em US$ 20 para terminar a corrida no pódio. O resultado, caso venha a se confirmar (apesar das extremas dificuldades de a Williams acertar o carro) poderia gerar uma bolada para os investidores.

Regras mais claras

A Fórmula 1, na Alemanha, terá duas mudanças de impacto no regulamento da categoria.

A mais importante definição diz respeito à liberação do que os pilotos e equipes podem tratar pelo rádio durante a corrida. Antes, havia restrições para garantir que os pilotos não recebessem ajuda dos boxes principalmente no procedimento de largada. Agora, a única ressalva é para que a comunicação não seja feita durante a volta de apresentação.

O segundo item das regras que a partir de Hockenheim será mais flexível diz respeito aos limites de pista. Como limitar os trechos sempre gera interpretações subjetivas, a Fórmula 1 determinou que os comissários façam avaliações individuais sem estipular de antemão o que pode ou não em cada trecho do circuito.

As mudanças servem para reverter a preocupação com o excesso de punições e a confusão que as atuais regras estavam gerando nos telespectadores do mundo todo.
Pista de tradição

O momento é de festa pelo domínio da Mercedes que vai correr em casa, mas a Alemanha esbanja muita história nas pistas e principalmente no circuito que recebe a corrida deste final de semana.

Hockenheim fez parte do calendário da Fórmula 1 pela 1ª vez em 1970 com a vitória do austríaco Jochen Rindt, que terminaria aquele ano como campeão.

O Brasil guarda boas lembranças do circuito. Tanto Nelson Piquet quanto Ayrton Senna ganharam lá nos anos em que dominavam o esporte. Piquet chegou em primeiro em 1981, 1986 e 1987. Senna venceu nos três campeonatos seguintes, 1988, 1989 e 1990.

A última vitória brasileira em Hockenheim foi tão especial quanto as anteriores por ser a primeira de Rubens Barrichello na Fórmula 1. Ele ganhou em 2000 partindo da 18ª colocação no grid de largada, em uma corrida fabulosa. Com certeza, uma cotação de apostas de imenso lucro na época.

Hockenheim diminuiu seu traçado e, por consequência, sua média horária em 2002. O percurso caiu dos então quase sete quilômetros para os atuais 4.574 metros.

Uma para cada um

Usado sempre para traçar um favorito, o desempenho tanto de Rosberg quanto de Hamilton em Hockenheim é semelhante. Os dois carregam no currículo uma vitória cada um no circuito.

A de Rosberg é mais recente: venceu em 2014, ano em que terminou o campeonato na segunda colocação – que tenta evitar a todo custo este ano.

Hamilton ganhou em 2008 em um GP que teve um pouco de tudo, inclusive suas arriscadas ultrapassagens sobre Felipe Massa, então o terceiro colocado, e Nelsinho Piquet, segundo ao final da corrida. Foi o único pódio do piloto na Fórmula 1.

Hamilton corria na época pela McLaren, equipe que o levou ao primeiro dos seus três títulos na categoria.

Horários

A Fórmula 1 em Hockenheim terá treinos livres nesta sexta (às 5h e 9h, horário de Brasília). Às 9h será também realizado o treino classificatório de sábado e a largada da corrida de domingo.

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar