Ganhador.com

UFC

Cigano cai pela terceira vez seguida no UFC

Junior Cigano foi nocauteado por Jairzinho Rozenstruik no UFC 255
Foto: Divulgação / UFC

Um dos maiores nomes da história da categoria dos pesados, Junior Cigano vive péssima fase. Nem mesmo quando performa bem o brasileiro vence. No último sábado (15), pelo UFC 255, ele até que se apresentou bem e estava vencendo a luta contra Jairzinho Rozenstruik até o começo do segundo round. Mas bastou um vacilo pra que a mão pesada do surinamês entrasse em seu rosto e o derrubasse. Agora são três derrotas por nocaute consecutivas e a inevitável dúvida paira no ar: o que será do futuro de Cigano no MMA?

Saque em

1-2

Dias

R$200

Bônus

+4

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

100%

ATE

$1,000

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

Transmissão

ao Vivo

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

R$150

Bônus

+3

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

100%

ATE

$600

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

100%

ATE

$1,000

Saque em 1-2 - Dias

Saiba como apostar no UFC

Aos 36 anos, Cigano tem 14 anos de carreira. Essa é a primeira vez em sua trajetória de 29 lutas que ele perde três lutas consecutivas. Depois de emplacar três vitórias em sequência superando nomes como Blagoy Ivanov, Tai Tuivasa e Derrick Lewis, o brasileiro começou a má fase sendo nocauteado por Francis Ngannou, depois caiu diante de Curtis Blaydes e no UFC 255 sucumbiu ao poder de nocaute de Jairzinho Rozenstruik.

Um dos personagens mais carismáticos do mundo das lutas, Cigano novamente ainda encontrou forças para colocar a cara em suas redes sociais e se comunicar com os fãs num momento tão difícil na carreira. Ele obviamente lamentou o resultado, uma vez que vinha bem no combate, mas já falou em dar a volta por cima depois que descansar e se recuperar do revés.

O estilo estratégico e frio de Cigano hoje é uma questão de sobrevivência. Ele prolonga as lutas, pontua e tenta cansar seus adversários para eventualmente conquistar a vitória por nocaute. Ele sabe que não pode mais adotar da agressividade que amedrontou rivais no passado. Seu queixo e sua absorção de golpes não é a mesma. O problema é que estender as lutas permite que os adversários tenham mais tempo para encaixar o golpe mortal necessário para derrubá-lo.

O brasileiro provou até cair nocauteado que ainda tem condições de lutar em alto nível. Mas em se tratando de categoria dos pesados, qualquer deslize custa caro. E embora a decisão seja única e exclusiva do lutador, se ele perder mais uma luta, ele pode começar a ao menos cogitar a ideia de aposentadoria, até pra preservar seu legado de um dos maiores nomes da história do MMA nos pesados. Ninguém fica confortável vendo uma lenda do esporte em decadência.

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar