Estaduais

Corinthians, Flamengo, Cruzeiro e Fortaleza: Campeões Estaduais!

Festa

As finais dos campeonatos estaduais em destaque no resumo da rodada

Foto: Reprodução

Foi um jogo amarrado, como dissemos aqui, e por pouco o empate sugerido como melhor opção de aposta não se confirmou no Itaquerão no domingo, dia 21. Cortesia de Vagner Love que fez, no finalzinho, o gol que garantiu a vitória de 2 a 1 sobre o São Paulo no Itaquerão e o tricampeonato Paulista do Corinthians – curiosamente, terceiro título estadual conquistado sob o comando de Fábio Carille.

Na decisão do Campeonato Mineiro, entretanto, nenhuma surpresa: o Cruzeiro, como sugerimos aqui, empatou com o Atlético-MG e conquistou, de forma invicta, o estadual, no sábado, dia 20. E se deu muito bem quem seguiu nossa dica e investiu na possibilidade de empate com o placar exato de 1 a 1 – um retorno de 6,50/1,00 ou, colocando em cifras, um pagamento de R$ 650,00 em uma aposta de R$ 100,00.

No Rio de Janeiro – também como indicamos aqui – o Vasco não conseguiu segurar o Flamengo e a nova derrota na final do Campeonato Carioca por 2 a 0 levou o título estadual para a Gávea, no domingo, e o técnico Alberto Valentim, que vinha sendo muito contestado, para fora de São Januário.

O monstro da demissão que atingiu Valentim também vitimou Lisca após a nova derrota do Ceará para o Fortaleza na decisão do Campeonato Cearense. Com a vitória, Rogério Ceni conquistou seu segundo título à frente do Tricolor – já havia sido campeão da Série B em 2018.

Melhores sites de apostas

Saque em

1-2

Dias

R$200

Bônus

+4

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

R$150

Bônus

+3

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

Transmissão

ao Vivo

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

R$200

Bônus

+2 More

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

R$777

Bônus

+8 More

Saque em 1-2 - Dias

Campeonato Paulista – Corinthians 2 x 1 São Paulo

Gol de Vagner Love garante o tricampeonato corintiano

Nem de longe foi uma apresentação digna do peso das camisas de Corinthians e São Paulo. Longe disso. Como era de se esperar, o Majestoso que decidiria o Campeonato Paulista foi, de forma generosa, um jogo ruim. O Tricolor bem que tentou surpreender com uma saída de bola ofensiva no apito inicial do juiz, mas não demorou muito para o Alvinegro equilibrar as ações e deixar o duelo amarrado no meio-campo. Sem finalizações, os dois times viveram da bola parada em boa parte do primeiro tempo. Aos 30 minutos, em cobrança de escanteio, Ralf ajeitou de cabeça e Danilo Avelar mandou para o fundo do gol de Tiago Volpi.

O gol fez o São Paulo procurar mais o jogo, mas sem um centroavante de ofício em campo, as jogadas custavam a sair até que aos 47 minutos, Ralf se atrapalhou, Antony aproveitou e deixou tudo igual: 1 a 1 mais do que merecido pelo que os dois times (não) apresentavam.

No segundo tempo, os times voltaram ainda mais mornos para o campo, como se esperassem pelos pênaltis. No São Paulo, Hernanes entrou na vaga de Everton Felipe; Léo no lugar de Jucilei – Reinaldo passou a atuar como volante – e pouco depois, William Farias substituiu Everton. No Corinthians, Fábio Carille demorou mais que Cuca para mexer e quando mexeu conseguiu errar e acertar ao mesmo tempo: colocou Vagner Love (acerto) no lugar de Pedrinho (erro) ao invés de tirar Ramiro (apenas regular) ou Clayson (uma tragédia do início ao fim). Boselli também foi para o jogo no lugar de Gustavo – que não recebeu um único cruzamento decente enquanto esteve em campo. E a verdade é que o argentino quase pediu para voltar para o futebol mexicano quando Clayson, em um contra-ataque promissor, tentou cavar (infantilmente) uma falta ao invés de lançar o companheiro em profundidade. Minutos depois, Sornoza mostrou como se faz: colocou Vagner Love para correr; ele dominou, deixou a zaga para trás e bateu na saída de Volpi, sem chances de defesa.

O São Paulo partiu para cima e assustou em finalização de Arboleda. Em novo contra-ataque, Clayson, mais uma vez, escolheu a jogada errada e desperdiçou outra boa oportunidade.

No final, terceiro título estadual seguido para Fábio Carille, choro e esperança de dias melhores no São Paulo e em campo um futebol que, nem em sonhos, merecia título (para nenhum dos dois lados).

 

Campeonato Carioca – Flamengo 2 x 0 Vasco

Flamengo repete o placar da ida e é campeão carioca

Precisando fazer três gols para conquistar o título de campeão carioca após a derrota por 2 a 0 no jogo de ida, o Vasco levou um balde de água fria aos 15 minutos quando William Arão aproveitou levantamento de Arrascaeta para aumentar a vantagem do Urubu. Tendo agora que marcar três gols para forçar uma decisão nos pênaltis, o Cruz-Maltino equilibrou as ações a partir dos 30 minutos mas não conseguiu completar nenhuma das três boas chances que criou.

Na volta do intrevalo, a equipe de Alberto Valentim pressionou nos primeiros 10 minutos, novamente sem sucesso. Pouco a pouco o Flamengo foi assumindo o controle do jogo e gastando o tempo. Gabigol chegou a ampliar, mas o VAR anulou o lance. Aos 20 minutos, Diego Alves evitou que Maxi Lopez empatasse. Aos 37, Vitinho aproveitou passe de Diego e ampliou. No final ainda houve tempo para Danilo Barcelos acertar o travessão e Werley ser expulso.

Agora, enquanto o Flamengo segue comemorando o título, o Vasco está a procura de novo técnico: ainda no Maracanã a diretoria vascaína anunciou a demissão do treinador.

 

Campeonato Mineiro – Atlético-MG 1 x 1 Cruzeiro

Invicto, Cruzeiro comemora o título de campeão mineiro

Precisando de uma vitória por um gol de diferença para forçar uma decisão nos pênaltis, o Atlético-MG começou melhor o duelo decisivo da final do Campeonato Mineiro e assustou o Cruzeiro logo nos primeiros minutos em cabeceio de Ricardo Oliveira. Não demorou para a Raposa equilibrar as forças no Horto e deixar o jogo “lá e cá”. Mas foi o Galo quem conseguiu abrir o placar aos 29 minutos em cabeceio de Elias aproveitando rebote do goleiro Fábio: 1 a 0. Antes do final do primeiro tempo, Fábio trabalhou e evitou o gol de Geuvânio que daria o título aos “donos da casa”.

Na etapa final, tendo em mãos o resultado que lhe ajudava (grande erro), o Atlético-MG fechou-se na defesa e segurou as ações ofensivas do Cruzeiro – e abriu mão de ameaçar o gol de Fábio. A bola sempre pune e na parte final do segundo tempo, Pedro Rocha – que havia entrado no lugar de Marquinhos Gabriel – arrancou em lance individual e viu Léo Silva desviar a bola com a mão. Pênalti que o árbitro Leandro Bizzio Marinho marcou com a ajuda do VAR. Fred cobrou aos 34 e deixou tudo igual.

Precisando, novamente, de um gol, o Galo partiu para cima  na base do “bumba-meu-boi” e nada conseguiu até o apito final.

Com 10 vitórias e cinco empates em 15 partidas, o Cruzeiro conquistou seu 38º Campeonato Mineiro e agora passa a concentrar suas energias na Libertadores e no Campeonato Brasileiro.

 

Campeonato Cearense – Ceará 0 x 1 Fortaleza

Fortaleza chega ao segundo título sob o comando de Rogério Ceni

Precisando vencer por dois gols de diferença para ser campeão estadual, o Ceará tentou acuar o Fortaleza desde o início do jogo do último domingo, 21, no Castelão. Ricardinho chegou a ter boa chance no começo do jogo, mas a força do Vozão parou por aí. Roger Carvalho, que aproveitou a sobra da cobrança de falta de Edinho, que acertou o travessão, abriu o placar para o Fortaleza e ampliou a desvantagem do Ceará que passou a precisar de três gols para ser campeão. Sem criação no meio-campo e enfrentando um Tricolor que soube aguentar a pressão e controlar suas ações ofensivas, o Vozão viu o tempo passar e o título ficar cada vez mais distante até o apito final que decretou a derrota por 1 a 0 e também a demissão do técnico Lisca.

O Fortaleza por sua vez comemora o segundo título do clube sob o comando de Rogério Ceni e ainda pode levar o terceiro: está nas semifinais da Copa do Nordeste. Ceni, entretanto, é cotado para assumir o posto de técnico do Atlético-MG. A semana será decisiva para o treinador e para o Fortaleza.

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar