Ganhador.com

Vôlei

Superliga de Vôlei: A força mineira vai além do Sada Cruzeiro e do Dentil/Praia Clube. O Camponesa/Minas também faz um belo campeonato

Camponesa:Minas análise vôlei
Foto: Orlando Bento/Minas Tênis Clube

Terra do pão de queijo e do delicioso cafezinho, Minas Gerais está se caracterizando pelo brilho das suas equipes nas quadras de vôlei também entre as mulheres

A Superliga Feminina está pegando fogo na sua reta final e na promessa de finalmente chacoalhar o domínio das equipes do Rio (hoje o Sesc-RJ) e de Osasco (cujo nome atual é Vôlei Nestlé). Uma enorme prova disso veio do Camponesa/Minas, que viajou ao Rio e não tomou conhecimento da equipe de Bernardinho, alcançando uma soberba vitória por 3 sets a 0 (25/21, 25/22 e 25/20) diante de um público atônito no Ginásio do Tijuca.

O triunfo conquistado no último final de semana ratifica a força mineira na atual Superliga. Se o Sada Cruzeiro é hoje o time masculino mais forte do país e da América do Sul, as mulheres mineiras também encontraram seu espaço hoje ocupando uma terceira colocação, com o Camponesa/Minas somando 45 pontos (15 vitórias e 6 derrotas), atrás só do próprio Sesc-RJ (18 vitórias e 2 derrotas) e do surpreendente líder invicto Dentil/Praia Clube, que tem 57 pontos e é…da cidade de Uberlândia, uai!

O grande nome do Camponesa/Minas é a experiente central Carol Gattaz, que está no auge da forma física e técnica, conseguindo atacar com uma força que jamais demonstrou na carreira. “Nosso time teve uma grande atuação. Nós treinamos bem e estávamos focadas no jogo contra o Sesc-RJ. É o time a ser batido, sempre serão as favoritas. É um time que tem um grande comandante, que sempre se arma bem taticamente. É muito difícil jogar contra elas. Nessa reta final do returno precisamos crescer como equipe. O jogo foi importante por isso”, disse ela, a maior pontuadora do confronto, com 18.

O Camponesa/Minas vai levar uns dias para voltar a atuar: será só contra o Renata Valinhos/Country (SP), no próximo dia 2, às 21h30, em Valinhos. Já o Sesc-RJ se prepara para o enorme clássico do dia 27/02, às 21h30, contra o Dentil/Praia Clube, em Uberlândia.

 

Masculino vê duelo de paredões

Embora haja favoritismo do Sada Cruzeiro entre os homens, o Sesc-RJ também desponta com boas chances de fechar esta fase de classificação em primeiro. Os dois times têm a mesma campanha, com 16 vitórias e só duas derrotas até aqui.

Uma estatística importante para entender o equilíbrio da competição está no ranking dos bloqueadores. Entre o primeiro e o quinto colocados no fundamento – com todos os atletas jogando no meio de rede –, a diferença hoje é de apenas seis pontos. O líder nesta tabela é Maurício Souza, do Sesc-RJ, com 47 pontos de bloqueio em 17 jogos (média de 2,76 por partida).

Três jogadores vêm atrás, com 42 bloqueios no campeonato: Wennder, do Copel Telecom Maringá Vôlei, Solé, do EMS Taubaté Funvic, e Luizinho, do Corinthians-Guarulhos.

“São todos grandes jogadores, excelentes centrais, e é normal haver esse equilíbrio em uma competição de alto nível”, afirmou Maurício Souza, o “paredão” do campeonato até aqui. “Isso demonstra que o campeonato está sendo muito bem disputado, com atletas e equipes fortes e equilibradas.”

Quinto na lista de eficiência no fundamento, o central Isac, do líder Cruzeiro, usa a estatística para demonstrar que não há nada definido na competição: “Isso mostra o equilíbrio do campeonato, das equipes e também dos jogadores”, disse. “Bloqueio pode ser decisivo e isso é bom porque eleva o nível da competição, sendo importante também para os jogadores que querem se manter lá em cima, na briga para estar entre os melhores. Isso motiva, mas não só para estar entre os melhores, mas para a equipe estar sempre bloqueando e tocando na bola. Isso é importante para qualquer time.”

Sesc-RJ e Cruzeiro jogam em casa neste final de semana e são candidatos a manter a briga entre ambos pela liderança. A parada mais difícil é a do Sesc: recebe o Minas, quinto na classificação.

 

Jogos da 8ª rodada do returno da Superliga Masculina

Sábado, 24 de fevereiro

  • 15:00 – Sesc-RJ x Minas Tênis Clube – Palpite: Sesc
  • 18:00 – Vôlei Renata x EMS Taubaté Funvic – Palpite: Taubaté
  • 18:00 – JF Vôlei x Copel Telecom Maringá Vôlei – Palpite: JF Vôlei
  • 18:00 – Lebes Canoas x Ponta Grossa Caramuru – Palpite: Canoas
  • 19:00 – Sada Cruzeiro x Montes Claros  Palpite: Cruzeiro

Domingo, 25 de fevereiro

  • 13:00 – Sesi-SP x Corinthians-Guarulhos  Palpite: Sesi

 

Jogos da 10ª rodada do returno da Superliga Feminina

Sexta-feira, 23 de fevereiro

  • 19:00 – Renata Valinhos/Country x Vôlei Bauru – Palpite: Renata Valinhos
  • 19:30 – Vôlei Nestlé x Sesi-SP – Palpite: Nestlé
  • 20:00 – São Cristovão Saúde/São Caetano x BRB/Brasília – Palpite: Brasília
  • 20:00 – Fluminense x Pinheiros – Palpite: Fluminense

Terça-feira, 27 de fevereiro

  • 17:00 – Dentil/Praia Clube x Sesc-RJ – Palpite: Praia Clube

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar