Amistosos de seleções

Será que o Brasil golearia a Argentina por 6 a 1?

Foto: Cees van Hoogdalem/Soccrates/Getty Images

Como a Espanha me fez trocar o Brasil pela Península Ibérica

Coincidiu com a mudança do Brasil para a Espanha deste humilde redator que escreve este artigo, a super goleada que a Fúria impôs à Argentina. Simultaneamente, o Brasil vencia a Alemanha por 1 a 0, o que não deixa de ser um baita resultado, ainda mais para uma equipe que havia levado de 7 a 1 o último encontro contra a Mannschaft. Mesmo assim, às vésperas da Copa do Mundo, a seleção Canarinho não apresentou novidades. Numa ascendente incrível, Isco comandou o show espanhol. As consequências foram os elogios de torcedores, imprensa e amantes da bola a Iniesta e companhia, a crise na nação de Maradona e o rebaixamento a segundo plano dos amistosos de Holanda, Portugal, Brasil, Itália, Inglaterra, França, etc.

 

Aqui não tem Fúria. Nem hermanos

No Brasil, apelidou-se a Espanha de Fúria. Por aqui ela é chamada de Roja, mesmo nome da seleção chilena. Nossos vizinhos são chamados de Selección Albiceleste, pois eles são irmãos apenas dos brasileiros.

Após esta rápida introdução, posso dizer que espanhóis e argentinos começaram a peleja buscando ações ofensivas. Ambos tiveram boas chances de marcar. Quando Diego Costa abriu o placar aos 12’, os sul-americanos desmoronaram. Os europeus ganharam ainda mais confiança para encurralar sua presa. Isco fez o segundo aos 27’. Mais próxima do terceiro gol do que seu adversário do primeiro, foi numa falha de marcação que Nicolás Otamendi subiu sozinho para descontar, aos 39’.

Na segunda metade, Isco, aos 7′, Thiago Alcântara, aos ’10’, Iago Aspas, aos 28′ e novamente Isco, aos 29′ deram números finais ao amistoso. A goleada poderia ter sido ainda maior se o árbitro não poupasse cartões vermelhos a alguns atletas que perderam a cabeça.

À Argentina resta levantar e sacudir a poeira. De nada adiantou a palestra de Messi no vestiário. O próprio craque deixou a arquibancada ao assistir o sexto gol e a cena viralizou na internet. Antes de pegarem o ônibus, nenhum membro da delegação derrotada falou com a imprensa.

Será que Jorge Sampaoli dá jeito neste time? Faltam pouco mais de dois meses para o Mundial… será que se a Argentina tivesse contado com Messi a estória teria sido outra? A imprensa não perdoou e muitos já cogitam a demissão do comandante que trocou o Sevilla pela seleção em meados de 2017.

Do outro lado, as perguntas que se fazem é se a Espanha poderá brigar pelo título para apagar o vexame de sua participação em 2014. Será que os espanhóis conseguem parar os times de Neymar, Cavani e Harry Kane? Contra a Alemanha, a Vermelha também foi melhor e voltou de Düsseldorf com um belo empate em um gol.

 

Brasil forte

Tite tirou nota máxima no grande teste da seleção brasileira contra potências europeias candidatas ao título. Primeiro, goleamos a Rússia por 3 a 0, em Moscou. Apesar dos russos não terem um dos melhores quadros da Terra, eles são os anfitriões e contam com o apoio do seu torcedor. Depois, em Berlim, conseguiu sua revanche do 7 a 1 com um importante triunfo sobre a Alemanha por 1 a 0, gol de Gabriel Jesus.

Sem querer tirar o mérito dos brazucas, a esquadra jogou bem, mas não encantou. Mostrou força física, disciplina tática e entrosamento. É verdade que os germânicos pouparam alguns jogadores. O Brasil, porém, estava sem Neymar, o que faz muita diferença.

Favoritos ao título

Após esta rodada dupla de amistosos, Alemanha, Brasil e Espanha continuam entre meus favoritos, mas vejo os espanhóis numa ascendente fora da curva. Julen Lopetegui devolveu a confiança aos seus hinchas.

Argentina, França, Inglaterra, México, Portugal e Suécia correm por fora.

 

Mudança de endereço

Aproveitando o texto, informo aos meus leitores seguidores que não mudei somente de opinião em relação à Espanha. Também decidi me mudar para este belo país e já aderi ao programa sócio torcedor da Roja. Rumo ao bi! Para vocês, não muda. Sou eu que tenho que me adaptar ao fuso-horário.

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.