Vôlei

Os tropeços do Brasil na Liga das Nações de Vôlei são quedas normais? Ou já não somos os mesmos?

Brasil vs EUA Liga das Nações
Foto: Divulgação/FIVB

Seleção feminina vem de derrota para os EUA, enquanto os homens perderam há pouco para a Itália. Será que não estamos exigindo demais do Brasil?                        

Não tem jeito. Quando entra em quadra para uma partida de vôlei, o Brasil sempre vai jogar pressionado e cobrado por vitórias. A seleção masculina e a feminina vivem o mesmo panorama dentro daquilo que os técnicos chamam de “problema positivo”. É muito melhor, claro, ser cobrado quando as equipes são qualificadas. Por tudo isso, não dá mesmo para criar pânico com os tropeços que tanto as mulheres quanto os homens apresentaram recentemente.

É preciso frear um pouco esta exigência toda. Quando somos os terceiros, queremos ser os primeiros. Quando somos os primeiros do mundo, queremos enfrentar os marcianos. Depois de ganhar de ganhar dos marcianos, queremos voar. Vamos viver um pouco mais no presente. Ponto a ponto. Set a set. Só temos a ganhar.

 

Nove vitórias e duas derrotas: e não está bom?

A seleção feminina é tão soberana que qualquer derrota realmente choca. Na primeira fase da Liga das Nações, em Barueri, a queda ocorreu diante da Alemanha. Na atual semana de disputa, em Jiangmen, na China, foi a vez de perder para os Estados Unidos nesta quarta-feira (6) por 3 sets a 1, parciais de 25/23, 26/28, 25/21 e 25/18. Não foi uma derrota para uma seleção qualquer. Os Estados Unidos lideram esta fase de classificação.

Provando que está mais do que dentro de qualquer disputa pela ponta, o Brasil fez ótimo papel também logo na partida seguinte, nas primeiras horas desta quinta-feira (7), batendo a forte Rússia por 3 sets a 2, em um jogaço terminado só com 17/15 no quinto set.

Não dá para reclamar da equipe. A central Carol está jogando bem, a ponteira Amanda também está com a consistência necessária. Tandara só falta estourar a bola, de tão fortes que são os seus ataques. É claro que dá para melhorar – sempre dá. A firmeza em uma quadra de vôlei passa sempre pela quantidade de erros, como frisa a levantadora Roberta: “Cometemos um grande número de erros e isso não pode acontecer ainda mais contra um adversário como os Estados Unidos”.

“Tenho que parabenizar os Estados Unidos pela vitória. Fizemos dois sets bons enquanto o terceiro e quarto foram abaixo do que o nosso time está acostumado a jogar”, analisou o técnico José Roberto Guimarães. “O importante é aprender com esse jogo contra os Estados Unidos. Elas jogam com muita velocidade e erram pouco. Nós cometemos muitos erros principalmente nos dois últimos sets e precisamos melhorar isso.”

 

E os homens?

Ainda encontrando um caminho com o técnico Renan dal Zotto, a seleção masculina que disputa a Liga das Nações está em Ufa, na Rússia, defendendo uma campanha muito boa. Depois de duas semanas de jogos, o Brasil é o segundo colocado da Liga das Nações, com 15 pontos – mesmo número que a Polônia, que lidera por saldo de sets.

Em seis partidas, o time dirigido pelo técnico Renan tem cinco vitórias – sobre Sérvia, Alemanha, Coreia do Sul, China e Estados Unidos – e apenas uma derrota, de certa forma surpreendente, com um 3 a 2 para a Itália.

Curiosidade: a Ufa Arena, na Rússia, é originalmente um ginásio de hóquei sobre gelo, e isso pode atrapalhar o time brasileiro que encara justamente os anfitriões. “Esse primeiro treino foi para tirar o cansaço da viagem, se adaptar a arena e pegar referências, já que é um ginásio grande, diferente para nós. Já havíamos jogado em uma arena de hóquei no Canadá e na Finlândia. Às vezes é um pouco frio, mas é bom”, comentou o levantador Bruninho.

“O Brasil e Rússia é sempre um grande jogo, uma das mais importantes partidas do mundo. São as equipes que fizeram a final dos Jogos Olímpicos de Londres, depois a semifinal no Rio de Janeiro, e tem tudo para ser um jogo difícil. Espero um grande espetáculo para todos.”

O Brasil x Rússia será nesta sexta-feira (8), às 11h (de Brasília), com transmissão ao vivo do SporTV 2. Depois teremos os duelos de sábado (9), às 8h30, contra o Irã, e contra a China, no domingo (10), novamente às 8h30 – todos ao vivo no SporTV 2.

 

Jogos do Brasil na Liga das Nações de Vôlei Feminina – etapa de Jiangmen

Terça-feira, 5 de junho 

  • Brasil 3×2 China (19/25, 25/23, 27/25, 10/25 e 16/14) 

Quarta-feira, 6 de junho 

  • Brasil 1×3 Estados Unidos (23/25, 28/26, 21/25 e 18/25)

Quinta-feira, 7 de junho 

  • Brasil 3×2 Rússia (15/25, 25/21, 25/20, 19/25 e 17/15)

 

Jogos do Brasil na Liga das Nações de Vôlei Masculino – etapa de Ufa

Sexta-feira, 8 de junho 

  • 11:00 – Brasil x Rússia – Palpite: Brasil 

Sábado, 9 de junho

  • 08:30 – Brasil x Irã – Palpite: Brasil

Domingo, 10 de junho

  • 08:30 – Brasil x China – Palpite: Brasil

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.