Vôlei

Liga das Nações de Vôlei Masculino: Brasil tenta dar a volta por cima com vitórias sobre Polônia, Argentina e Austrália

Seleção Brasileira de Vôlei Masculino
Foto: Wander Roberto/Inovafoto/CBV

Irreconhecível, seleção de Renan dal Zotto perdeu as três partidas que fez na Bulgária e caiu para o quarto lugar    

E agora, Brasil? Depois da pior semana da história recente da seleção masculina, perdendo na Bulgária para a seleção da casa, para a França e até para o Canadá, a equipe comandada por Renan dal Zotto encerra a sua participação na fase classificatória da Liga das Nações de Vôlei neste final de semana. Será em Melbourne, na Austrália, onde os brasileiros enfrentam os anfitriões, a Polônia e a Argentina. O SporTV 2  transmite ao vivo os três confrontos da seleção.

 

Atrás de explicações

Para quem acha que a vida de atleta é fácil, olha só esta: depois de três voos entre a Bulgária e a Austrália, os jogadores nem bem chegaram a Melbourne, na noite desta terça, e já emendaram três treinos no novo país.

“É muito importante criar rapidamente uma rotina de treinamentos para que consigamos acelerar a adaptação ao fuso horário. Com o enorme desgaste gerado por tantas viagens, é fundamental a administração minuciosa das cargas de treinamento. É preciso acompanhar individualmente para não perdermos a oportunidade de realizar treinamentos bem objetivos”, analisou Renato Bacchi, preparador físico da equipe, justificando os treinamentos que os fãs entendem como “o treino da mochila”, para justamente acostumar o corpo aos deslocamentos e já prepará-lo para os desafios que estão por vir.

E um dos enormes desafios é realmente o fuso horário que vai dar um nó em qualquer um, até mesmo no torcedor. Os horários da semana da Liga das Nações em Melbourne são aqueles que o fã do vôlei já se acostumou a ver nas partidas disputadas no outro lado do mundo. O primeiro confronto será contra a Austrália, dona da casa, às 8h10 (de Brasília) desta sexta (22). Os outros dois compromissos serão no sábado (23), às 7h10, contra a Polônia, e às 23h10, contra a Argentina. É um intervalo pequeno e com o agravante de promessa de partida equilibrada com a Polônia, que vem colada na classificação do campeonato.

O Brasil agora está na quarta colocação, com 24 pontos. O time do técnico Renan soma oito vitórias, sobre Sérvia, Alemanha, Coreia do Sul, Japão, Estados Unidos, Rússia, Irã e China, e quatro derrotas, para Itália, Canadá, França e Bulgária.

A disputa aberta em Melbourne não será das mais simples, embora as adversárias, na tabela, não ocupem colocações que assustem o Brasil. A mais forte das oponentes será a Polônia, a quinta colocada, mas a Austrália, a 11ª, e a Argentina, a 14ª, estão bem atrás. Convém tomar cuidado com esta análise, pois o Brasil vem de derrota por 3 sets a 0 para o Canadá, apenas o oitavo, em um dos resultados mais surpreendentes de toda a competição.

Esta etapa que será disputada em Melbourne é a última que o Brasil encara na fase de classificação antes da Fase Final da Liga das Nações, que será em Lille, na França, entre os dias 4 e 8 de julho. Os franceses lideram a competição, com 30 pontos somados. Os Estados Unidos aparecem em segundo, com 29, e a Rússia em terceiro, com 28. Os cinco primeiros colocados avançam para esta decisão. Ou seja: o Brasil está no limite ocupando esta quarta posição. O risco de ficar de fora do bloco dos cinco classificados não existe, porque a Sérvia, a sexta, está com quatro pontos a menos, e o mais próximo que o Brasil se aproximaria de uma derrota nesta etapa seria para a Polônia, invertendo as posições que os países ocupam hoje e cairia para quinto, mas sem maiores prejuízos para a fase decisiva.

 

Cabeça erguida

Um dos mais confiantes na reação do Brasil depois da tripla derrota da última semana é o ponteiro Maurício Borges, uma peça importante para compor o trabalho na equipe no ataque, no bloqueio e no saque.

“Não tivemos as atuações que gostaríamos e sabemos que é preciso melhorar para chegar ao nosso primeiro objetivo, que é conseguir a classificação. A última semana não foi como esperávamos, mas temos que erguer a cabeça, trabalhar e seguir firme para os próximos jogos na Austrália. Juntos, vamos conseguir as vitórias nos próximos jogos”, disse.

 

Liga das Nações de Vôlei Masculino – etapa de Melbourne (Austrália)

Sexta-feira, 22 de junho 

  • 08:10 – Austrália x Brasil – Palpite: Brasil
  • 11:10 – Polônia x Argentina – Palpite: Polônia 

Sábado, 23 de junho 

  • 07:10 – Brasil x Polônia – Palpite: Brasil
  • 11:30 – Austrália x Argentina – Palpite: Argentina
  • 23:10 – Brasil x Argentina – Palpite: Brasil 

Domingo, 24 de junho

  • 02:30 – Austrália x Polônia – Palpite: Polônia

 

Comentários

2 Comentários

2 Comentários

  1. Roselia da Silva Correa

    23 de junho de 2018, às 06:37

    Torço pelo Brasil assisto a todos os jogos de vôlei.

  2. Renato Lobo

    24 de junho de 2018, às 13:30

    Infelizmente, estamos órfãos de técnico. Sou de uma geração acostumada a ver grandes técnicos de vôlei, como José Roberto Guimarães e Bernardinho, e aprendi com eles o que é o verdadeiro vôlei bem jogado. Nosso técnico atual do masculino foi um grande jogador, mas não demonstra ter a mesma qualidade fora da quadra. Parece imaturo e inseguro. Talvez tenhamos que esperar um pouco mais ou fazermos um ato de contrição, um mea culpa e trazer o esquentado e histriônico Bernardinho de volta. Ou será que o vôlei brasileiro masculino não tem mais vontade de ser campeão?

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.