Ganhador.com

Brasileirão Série A

Interino, Thiago Larghi põe o Atlético-MG na liderança do Campeonato Brasileiro após 6 rodadas

Descartado no Palmeiras, Róger Guedes se reencontra em Minas e é peça fundamental no sucesso do Atlético líder do Brasileirão.

Foto: Reprodução

Cercado de desconfianças e eliminado na Copa do Brasil e na Sul-Americana, Thiago Larghi mantém a tranquilidade e coloca o Atlético-MG na liderança isolada do Brasileirão após 6 rodadas. Também interino, Maurício Barbieri está na vice-liderança com o Flamengo.

Com apenas 15 gols até aqui – falta ainda o jogo entre Internacional e Chapecoense nesta segunda-feira – a 6ª rodada do Campeonato Brasileiro compensou o baixo poder ofensivo com resultados inesperados e uma boa mexida na tabela de classificação. Destaque para o São Paulo que manteve-se como o único invicto no torneio e colocou um fim à sua série de jogos sem vitórias (foram 4 empates nas últimas 4 rodadas) com gol de Diego Souza em cima do Santos de Jair Ventura. A rodada viu ainda o América-MG manter-se 100% em seu estádio vencendo o Botafogo e os times mistos de Corinthians e Grêmio não passarem de empates contra Sport e Paraná, que segue na lanterna.

 

Galo é o novo líder

Atlético-MG 1 x 0 Cruzeiro

Aproveitando-se dos empates de Corinthians e Flamengo, o Atlético-MG chegou à sua 5ª rodada de invencibilidade ao derrotar o Cruzeiro no estádio Independência (Horto) no repeteco do primeiro jogo da final do Campeonato Mineiro (outra vitória do Galo).

Eliminado recentemente da Sul-Americana e da Copa do Brasil, Atlético-MG concentra todos os seus esforços no Campeonato Brasileiro. Ciente de que uma nova derrota azedaria de vez o ambiente na Cidade do Galo e traria um suadouro para o ainda interino Thiago Larghi, o alvinegro entrou em campo disposto a derrubar o time reserva do Cruzeiro – que concentrado na Libertadores, poupou o maior número possível de titulares. Mas não foi moleza.

Muito disputado no primeiro tempo o duelo teve poucos momentos de emoção. Apesar da pressão, o Atlético não conseguiu abrir o placar, assim como o Cruzeiro que, desentrosado, pouco ameaçava.

A história mudou aos 3 minutos da etapa final, quando Mancuello recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso. Mesmo com um a menos o Cruzeiro tentou crescer no jogo e perdeu boas oportunidades com Bruno Silva e Murilo. Mas, aos 16, após boa troca de passes, Róger Guedes entrou na área da Raposa. Manoel fez o desarme, mas a bola bateu na perna de Guedes e enganou o goleiro Fábio. Galo 1 a 0 – placar que se manteve inalterado até o apito final do juiz e que garantiu a liderança ao alvinegro mineiro e dias de paz para Thiago Larghi.

 

Tudo igual no clássico carioca

Flamengo 1 x 1 Vasco

Pressionado pela sequência de resultados ruins, Zé Ricardo sabia da importância de um bom resultado contra o Flamengo para sua sequência à frente do Vasco. Perder para o Rubro-negro, nem pensar! Com isto em mente, o Cruzmaltino botou pressão pra cima do Urubu desde os primeiros momento do clássico no Maracanã, mas sem efeito.

Coube a Vinícius Júnior tirar o 0 do placar no Maracanã ao aproveitar o rebote de Martín Silva para o meio da área vascaína após chute venenoso de Éverton Ribeiro.

Mas o Vasco não sentiu o golpe. Foi pra cima e minutos depois Pikachu cobrou escanteio, Ríos desviou e Wagner deixou tudo igual. Além do empate, o primeiro tempo também mostrou o zagueiro Réver caindo de mal-jeito em cima do próprio braço e sendo substituído por Rhodolfo.

O Vasco tirou o pé no segundo tempo, perdeu Wagner e Thiago Galhardo por conta do cansaço e viu o Flamengo do também interino Maurício Barbieri aumentar a pressão. Mas, numa noite particularmente ruim de Diego (está virando rotina) e Paquetá, pouco fez para ameaçar o gol de Martín Silva.

Nos acréscimos, falta de Riascos em Éverton Ribeiro deu origem a uma confusão generalizada em campo. Após uma “reunião” da arbitragem, Ricardo Marques Ribeiro expulsou os valentões Breno, Riascos, Cuellar e Rhodolfo. Com quatro jogadores a menos, a partida ficou aberta, mas a poucos minutos do fim não havia tempo para mudanças no placar.

O empate mantém as coisas inalteradas para Zé Ricardo em São Januário e “derrubam” o Flamengo para a vice-liderança do Brasileirão, com 11 pontos e empatado com Corinthians e Palmeiras. Um desempenho muito bom para o inexplicavelmente ainda interino Maurício Barbieri.

 

Misto frio

Paraná 0 x 0 Grêmio; Sport 1 x 1 Corinthians

Com times mistos, Grêmio e Corinthians não conseguiram triunfar na rodada e perderam, evidentemente, algumas posições na tabela.

Apostando no bloqueio defensivo, o Paraná de Rogério Micale deixou para o Imortal a iniciativa do jogo, congestionando a entrada de sua área e apostando em contra-ataques para surpreender os reservas de Renato Gaúcho.

A estratégia funcionou em partes: o Grêmio realmente encontrou poucos espaços na retaguarda paranaense e nas poucas oportunidades que teve, parou na excelente atuação do goleiro Thiago Rodrigues. Nos contra-ataques, Silvinho teve algumas poucas chances, mas a verdade é que Marcelo Grohe não trabalhou no estádio Durival Britto.

No final, um empate que de nada serve ao Paraná que, com 2 pontos segue na lanterna do Brasileirão e que ajudou a derrubar o Grêmio para a 7ª colocação, com 9 pontos.

No Recife, Sport e Corinthians fizeram um jogo duro de aguentar. Poupando boa parte de seus titulares, o Corinthians sofreu com a falta de criatividade de seu meio campo que tinha Gabriel e Paulo Roberto na contenção e Mateus Vital indeciso entre criar ou avançar pela esquerda ocupando o espaço do ineficaz Júnior Dutra – que atuando na posição que levou o Timão a contratá-lo, pouco fez para merecer uma chance entre os titulares. Pedrinho e Mantuan destoavam do restante da equipe e tentavam alguma coisa no campo de ataque. Foi do lateral, inclusive, o lance mais perigoso do Corinthians no primeiro tempo. O Sport respondeu com Rogério, mas Walter foi bem no lance e evitou o gol dos donos da casa.

No segundo tempo o Sport voltou com mais controle do jogo, mas Roger aos 9 minutos aproveitou cobrança de escanteio de Mateus Vital e marcou seu primeiro gol com a camisa do Corinthians.

O Sport continuou em cima do Timão e aos 18 minutos Carlos Henrique deixou tudo igual. Com Michel Bastos e Deivid em campo, os donos da casa aumentaram a pressão, mas sem resultados. Satisfeito com o resultado, Carille colocou Maycon, Marquinhos Gabriel e Sheik nos lugares de Paulo Roberto, Pedrinho e Mateus Vital e garantiu o empate fora de casa e a 3ª posição na tabela. Bom para quem espera hoje, segunda-feira, uma solução para a sua novela árabe.

 

O poder da vitória

Palmeiras 3 x 0 Bahia; São Paulo 1 x 0 Santos; Vitória 2 x 1 Ceará; América-MG 1 x 0 Botafogo e Fluminense 2 x 0 Atlético-PR

Confirmando seu favoritismo em casa, o Palmeiras passou como um rolo-compressor por cima do Bahia nos primeiros 45 minutos e definiu o duelo com gols de William, Antonio Carlos e Borja. Com o resultado, o Verdão do criticado Roger Machado chegou aos 11 pontos e ao lado de Flamengo e Corinthians está a 2 do líder Atlético-MG. O Bahia, por sua vez, passará a semana no Z-4 – curiosamente, dos times que estão hoje no rebaixamento (falta, evidentemente o jogo entre Internacional e Chapecoense), o tricolor baiano é o único que não veio da Série B de 2017.

No Morumbi, o São Paulo manteve sua invencibilidade no Brasileiro e – melhor de tudo – voltou a vencer. Diego Souza, mais uma vez escalado como centroavante, teve duas chances muito claras no jogo: perdeu a primeira no início da partida e confirmou a segunda já na etapa final. 7º colocado com 10 pontos, o São Paulo está, agora, a apenas 3 pontos do líder Atlético-MG e a 1 ponto do G-4. O Santos, por sua vez, com um jogo a menos (contra o Vasco, adiado para depois da Copa do Mundo) estacionou nos 6 pontos e está a apenas 1 do Z-4. O São Paulo começou assim em 2017 e todo mundo viu o que aconteceu…

A situação do Santos só não é pior porque, além de ter um jogo a menos, o Atlético-PR refugou mais uma vez e, senhor absoluto da posse de bola contra o Fluminense no Maracanã, fracassou miseravelmente na missão de transformar maior posse de bola em gols. Tendo a bola em seus pés em apenas 37% do tempo de jogo, o Fluminense foi mais efetivo em aproveitar a demora do Furacão em sua recomposição e, nos contra-ataques, definiu o duelo ainda no primeiro tempo com Thiago Heleno (contra) e Marcos Junior. Com a vantagem no placar, o Flu fechou-se na defesa no segundo tempo, deixou a bola de vez com os comandados de Fernando Diniz e cozinhou a partida até o apito final. A boa vitória coloca o Fluminense na 5ª colocação do Brasileiro com 10 pontos enquanto que o Furacão, com 5, é o 16º colocado e pode entrar no Z-4 nesta segunda-feira caso o Internacional, 17º colocado, vença a Chapecoense no Beira-Rio.

No confronto direto para fugir do Z-4, o Vitória se deu melhor e derrubou o Ceará por 2 a 1 – gols de Wallyson e Neilton, enquanto que Wescley descontou para os cearenses. O segundo triunfo no Brasileirão mandou o Vitória, com 7 pontos, para a 13ª posição (podendo ainda ser ultrapassado pelo Internacional) e fora do Z-4. O Ceará, por sua vez, segue com 3 pontos e afunda-se cada vez mais na zona de rebaixamento apenas 1 pontinho acima do lanterna, Paraná – desempenho que, obviamente, custou o emprego de Marcelo Chamusca.

Vindo da Série B, o América-MG manteve-se 100% em seu estádio e chegou à sua 3ª vitória como mandante. Com o resultado, o Coelho entrou no G-6 e está, neste momento, classificado para a Sul-Americana 2019. Mas que o resultado não seja usado para afirmar que foi um jogão. Não foi. Muita correria e pouca criatividade foram a marca do duelo contra o Botafogo. Coube ao experiente Rafael Moura sair do banco de reservas no segundo tempo e servir Juninho que, de bico, garantiu a vitória do Coelho em um duelo corrido, mas de pouca emoção. A derrota leva o Botafogo e seus 8 pontos para a 10ª posição na classificação e, como não poderia deixar de ser, aumenta a pressão em cima de Alberto Valentim que precisou aguentar queixas sobre o posicionamento “muito defensivo” do alvinegro.

 

Tabela de Classificação

Faltando ainda os jogos entre Internacional e Chapecoense que será realizado hoje, dia 21, e Santos e Vasco, adiado da 3ª rodada para depois da Copa do Mundo, a classificação do Campeonato Brasileiro da Série A é a seguinte:

  1. Atlético-MG – 13 pontos
  2. Flamengo – 11 pontos
  3. Corinthians – 11 pontos
  4. Palmeiras – 11 pontos
  5. Fluminense – 10 pontos
  6. América-MG – 10 pontos
  7. São Paulo – 10 pontos
  8. Grêmio – 9 pontos
  9. Vasco – 8 pontos
  10. Botafogo – 8 pontos
  11. Sport –8 pontos
  12. Cruzeiro – 7 pontos
  13. Vitória – 7 pontos
  14. Santos – 6 pontos
  15. Chapecoense  – 6 pontos
  16. Atlético-PR – 5 pontos
  17. Internacional  – 5 pontos
  18. Bahia – 5 pontos
  19. Ceará – 3 pontos
  20. Paraná – 2 pontos

Comentários

1 Comentário

1 Comentário

  1. Pingback: Humor: Vai ou fica? | Ganhador.com

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar