Vôlei

Flamengo está de volta ao vôlei feminino profissional

Retorno do Flamengo ao vôlei feminino e história do time.
Foto: CR Flamengo/site oficial

Diretoria faz correção histórica para a instituição

O Flamengo nunca abandonou o vôlei. O Mais Querido se manteve afiliado à Federação de Voleibol do Estado do Rio de Janeiro, sempre teve escolinhas funcionando e seguiu competindo nos Estaduais das categorias mirim, infantil, infanto-juvenil e juvenil em ambos os naipes. O que acontecia quando o atleta estourava a idade juvenil? Era dispensado. Este foi o grande erro dos últimos anos. O Mengão poderia ter formado equipes baratas com a prata da casa. Este absurdo começa a ser reparado com as mulheres.

 

O Flamengo voltou

O Flamengo apresentou na última quarta-feira, dia 25 de julho, seu plantel para a disputa do Campeonato Estadual de 2018 e Superliga B de 2019. Trata-se de uma equipe sem grandes estrelas que tem como objetivo recolocar o clube nos holofotes de um dos esportes mais populares e rentáveis do Brasil.

No segundo semestre deste ano, o Urubu jogará o Campeonato Estadual, que deverá contar com SESC e Fluminense, da Superliga, além de outros possíveis concorrentes, como Botafogo e Tijuca Tênis Clube.

A grande meta está agendada para o primeiro semestre de 2019. O Mais Querido participará da Superliga B, que classifica seu campeão e vice para a primeira divisão de 2019/20.

 

O elenco

O treinador Alexandre Dantas foi apresentado às suas atletas.

  • Levantadoras: Laura Canedo (formada na base), Rafaela Lima (ex-Fluminense) e Thaís Oliveira (ex-SESI/SP).
  • Opostos: Allana Capella (formada na base), Angélica Caboclo (ex-Hapoel Kfar Saba-Israel), Fran Lemos (ex-Orpo-Finlândia) e Maria Bárbara Biermann (ex-Lavras/MG).
  • Ponteiras: Juliana Ribeiro (?), Natasha Valente (ex-CC Valinhos), Nayara Félix (ex-CC Valinhos) e Thainá Soares (ex-SESI/SP).
  • Centrais: Ju Mello (ex-Osasco) e Luiza Scher (ex-Botafogo).
  • Líberos: Fernanda Oliveira (ex-Fluminense) e Paola Cascardo (formada na base).

 

Times de futebol

O retorno do Flamengo faz com que o clube da Gávea seja o quinto time de futebol a estar presente nos campeonatos oficiais da Confederação Brasileira de Voleibol. Os outros são Botafogo, Corinthians e Cruzeiro no masculino; e o Fluminense no feminino.

Com mulheres, O Mais Querido só competiu na Superliga em três temporadas: 1999/00, 2000/01 e 2005/06.

 

Histórico de glórias

A maior conquista do vôlei feminino rubro-negro foi o Campeonato Sul-Americano de 1981 – mesmo ano da conquista da Taça Libertadores pelo futebol. A contenda foi realizada em Sucre, na Bolívia.

O Flamengo se sagrou campeão brasileiro de 1978, 1980 e 2000/01.

Os títulos estaduais vieram em 1938, 1951, 1952, 1954, 1955, 1978, 1979, 1981, 1984, 1999 e 2000.

Três vezes Campeão Brasileiro

Em 1978, o Flamengo venceu quatro partidas (contra Fluminense, Guanabara, Paulistano e Minas Tênis Clube) e só perde uma (para a Pirelli) para dar a volta olímpica.

Em 1980, as meninas da Gávea bateram CRB, Guarani, Guanabara, Paulista, Fluminense e Minas Tênis Clube para comemorarem o bi!

O Flamengo tinha um timaço, composto por Regina Villela dos Santos, Virgínia Leite, Carmem Borh, Helena Maria Pacheco, Ana Lúcia Teixeira, Ester Lima, Heloisa Helena Roese, Andrea Gonçalvez, Viviane Bittar e Jaqueline Silva. O técnico era Ênio Figueiredo.

Em 2000/01, com Leila, Virna, Fabi, Josiane e companhia sob o comando de Luizomar de Moura, o Mengão superou o Vasco da Gama na grande final. Os outros concorrentes foram Rexona, Minas Tênis Clube, Osasco, São Caetano, Pinheiros, Força Olímpica, Macaé Sports e São José.

 

E o masculino?

Com os times fortes de voleibol feminino, basquetebol masculino, judô, ginástica artística feminina, natação, natação artística, remo e polo aquático feminino e masculino, a torcida se pergunta qual será o próximo grande investimento.

O voleibol masculino, dono de muitas taças, seria o caminho natural. O Mengão tem escolinhas e já participou da Superliga em 1994/95, 1995/96 e 1996/97. O campeão olímpico Tande vestia o manto sagrado.

O basquetebol feminino também é uma hipótese e ano passado aconteceu uma reunião entre a LBF e os dirigentes flamenguistas.

O retorno do Flamengo à Liga Futsal também seria de grande aceitação pela nação. Vale lembrar que muitos craques do futebol de campo, começaram jogando bola nas quadras.

Esportes individuais também merecem a atenção. O tênis tem boa estrutura na Gávea, mas não há atletas federados. O espaço onde existia o estande de tiro continua lá. Hoje, o local é utilizado para guardar entulho e estacionar carros. O xadrez, além de barato, não ocuparia mais de uma sala na sede. Em termos de importância e títulos, nenhum deles supera o atletismo, onde o Urubu foi multicampeão. A pista, ao redor do estádio José Bastos Padilha, bem que poderia ser reconstruída.

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar