Vôlei

Fase Final da Liga das Nações de Vôlei Feminino: Brasil atropela a China e agora encara a Turquia

Seleção Brasileira de Vôlei Feminino
Foto: Divulgação/FIVB

Seleção comandada por José Roberto Guimarães está sem perder sets na competição que é disputada em Nanjing, na China                        

O Brasil está irresistível na Fase Final da Liga das Nações de Vôlei Feminino. Depois de arrasar a Holanda por 3 sets a 0 na estreia desta decisão realizada em Nanjing (China), a seleção comandada por José Roberto Guimarães provou que é sim uma séria candidata ao título ao atropelar a China, que jogava em casa e mesmo assim não encontrou nenhuma resposta para parar o fortíssimo ataque comandado por Tandara, a maior pontuadora da partida. No fim, a nova vitória por 3 sets a 0 (25/20, 25/22 e 25/22) colocou o Brasil com a melhor campanha desta Fase Final. A próxima adversária será a Turquia, que terminou na segunda colocação do outro grupo, atrás apenas dos Estados Unidos e à frente da Sérvia. A partida será às 4h (de Brasília) deste sábado (30), com transmissão ao vivo do SporTV 2.

 

Tandara, irresistível

A atuação brasileira nesta sexta-feira em Nanjing teve dois pontos altos. Um deles foi a levantadora Roberta, que voltou a brilhar na distribuição de jogo. E quem se deu bem com as escolhas foi Tandara, que terminou com 19 pontos, uma quantidade realmente alta para uma partida de apenas três sets. Ela fechou o jogo com 16 ataques, dois bloqueios e dois aces. Uma atuação realmente primorosa.

Gabriela (14 pontos) e Adenizia (10) também contribuíram bastante e demonstraram que o Brasil está forte para brigar por este primeiro título da Liga das Nações. A competição estreou no calendário do vôlei neste ano no lugar do Grand Prix, vencido pelo Brasil nada menos que 12 vezes, o dobro de conquistas da segunda maior potência no evento, os Estados Unidos, com seis. Embora a China tenha oferecido resistência nas três parciais, o Brasil contou com maior eficiência nos momentos decisivos para frear principalmente a capitã Zhu Ting e a central Yuan Xinyue, para desespero da treinadora Lang Ping, que deixou a quadra bastante envergonhada por não ter vencido sequer um set das brasileiras – e mesmo jogando em casa.

Pelo lado do Brasil, só alegria.

“A preparação do Zé e da comissão técnica foi muito bem pensada para eu chegar bem nessa Fase Final. Algumas vezes eu queria jogar mais e eles me seguravam e falavam: ‘no momento certo você vai nos ajudar ainda mais’ e foi isso que aconteceu, mas ainda tem muito campeonato pela frente e agora é seguir focada”, explicou a ponteira Gabi.

O treinador José Roberto Guimarães parabenizou o grupo. “Estou orgulhoso, jogamos bem em quase todos os fundamentos. A Liga das Nações está sendo uma longa jornada. Essa é a sétima semana sem voltar para casa. Todos estão trabalhando duro diariamente. A energia desse time continua incrível”, analisou.

 

E agora?

Por terminar o seu triangular na liderança, o Brasil encara agora a Turquia, que conta com um jogo pesado tanto no ataque como no bloqueio. Ninguém deve esperar uma partida fácil e sem sets perdidos. As turcas ganharam da Sérvia por 3 a 2 e perderam para os Estados Unidos pelo mesmo placar. O Brasil é favorito, mas que ninguém se assuste se tivermos até mesmo uma decisão no quinto set.

A seleção comandada por José Roberto Guimarães chega a este momento decisivo mostrando 12 vitórias e apenas três derrotas em toda a Liga das Nações. A Turquia tem um retrospecto inferior: 12-5, passando para a segunda fase apenas como a quinta colocada, a última que obtinha esta condição. Pode-se dizer que é uma verdadeira zebra a Turquia ter deixado a Sérvia (segunda colocada no geral) de fora dessas semifinais.

A vencedora deste cruzamento enfrenta quem sobreviver entre Estados Unidos x China, que jogam também neste sábado, como jogo de fundo, às 8h45 (de Brasília).

 

Palpite

O Brasil enfrentou as turcas na própria Turquia na fase de classificação e ganhou tranquilo por 3 a 1 – o único set perdido foi a 23, o que mostra que as comandadas por José Roberto têm na ponta dos dedos as armas para parar as adversárias, que devem sacar com muita violência e tentar quebrar o passe das brasileiras. Esta, na verdade, seria a única maneira de tentar emparelhar a disputa, porque a levantadora Roberta vive mesmo uma grande fase e está conseguindo acionar com brilho as atacantes, e Tandara já demonstrou que é outra que vem atuando no mais alto nível, não sendo parada nem mesmo pelas gigantes chinesas. Temos tudo para ver um Brasil x Estados Unidos na final, e este confronto valeria demais acompanhar em todos os detalhes.

 

Fase Final da Liga das Nações de Vôlei Feminino 2018

Sábado, 30 de junho

  • 04:00 – Brasil x Turquia – Palpite: Brasil
  • 08:30 – EUA x China – Palpite: EUA

Domingo, 1º de julho

  • 04:00 – Disputa do 3º lugar
  • 08:00 – Decisão do título

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.