Ganhador.com

Fórmula 1

Disputa entre Mercedes e Ferrari terá um novo capítulo em Mônaco, mas RBR corre por fora para tentar surpreender

Lewis Hamilton da Mercedes treina em Mônaco
Foto: Dan Mullan/Getty Images

Na pista mais lenta de todo o circuito mundial, aquele que largar na frente tem grandes chances de vencer a prova

No próximo final de semana, o circo da Fórmula 1 desembarca no Principado de Mônaco para a mais tradicional de todas as provas do circuito mundial. Monte Carlo é uma pista de rua com muitas curvas de baixa velocidade e poucos pontos de ultrapassagem, o que exige enorme perícia por parte dos pilotos. Mais do que em qualquer outra prova, largar na pole position por lá é meio caminho andado para se conquistar a vitória.

“Aqui não tem o que inventar. É corrida de um pit stop apenas. Se você largar na frente, pode depois ser dois segundos mais lento dos que estão atrás que eles não terão como te ultrapassar.”,  garante Max Verstappen.

A pista desperta amor e ódio, mas seu charme é indíscutível. Nas palavras do tricampeão mundial Nélson Piquet, correr com um carro de Fórmula 1 em Monaco é como “andar de bicicleta na sala de casa”.

 

Mercedes e Ferrari polarizam a disputa

Com cinco Grandes Prêmios disputados, Mercedes e Ferrari dominam as quatro primeiras colocações da tabela de classificação entre os pilotos, com Hamilton na liderança, com 95 pontos, e Sebastian Vettel em seu encalço, com 78. Bottas soma 58, e Raikkonen, 48. A dupla Ricciardo e Verstappen vem logo atrás, com 47 e 33, respectivamente.

No Mundial de Construtores, a situação não é muito diferente. A Mercedes aparece na frente, com 153 pontos, seguida pela Ferrari, com 123, e bem atrás, somando 80 pontos, a Red Bull é a terceira colocada.

 

RBR preocupa rivais

Apesar de ter perdido espaço nas últimas corridas, principalmente após o desastroso GP do Azerbaijão, onde não somou um ponto sequer, a Red Bull chega bem cotada no Principado. Seu carro perde em desempenho para os dois principais rivais, Mercedes e Ferrari, mas tem como ponto forte a aerodinâmica, quesito que faz toda a diferença na pista com menor média de velocidade de todo o circuito mundial. Sem trechos de aceleração plena, a deficiência apresentada pelos modelos MCL33 com motor Renault nas retas longas será menos sentida.

“Se você olhar para a ultima corrida e os testes de fevereiro, e até mesmo nos testes recentes, as Red Bulls foram particularmente velozes no último setor. É ali que eles são sempre muito fortes, então você pode imaginar que eles serão incrivelmente rápidos aqui neste fim de semana.”alerta o líder do campeonato, Lewis Hamilton.

Além disso, a opção de praticamente todas as equipes pela utilização de um composto de pneus hipermacios, algo inédito nesta temporada, tende a tornar a disputa mais equilibrada.

A RBR viveu sua fase de ouro em Mônaco entre 2010 e 2012, quando venceu duas vezes com Mark Weber e uma com Sebastian Vettel.

Hamilton tem relação ambígua com a pista

O tetracampeão mundial Lewis Hamilton venceu o Grande Prêmio de Mônaco logo em sua primeira temporada na Fórmula 1, no ano de 2008. Após um longo hiato, voltaria a ser o mais rápido no Principado em 2016. Neste meio tempo, subiu ao pódio somente em 2014, como segundo colocado, e em 2015, na terceira posição. No ano passado o inglês fez uma corrida de recuperação, e terminou em sétimo lugar depois de largar em 14º, garantindo ao menos seis pontinhos.

Se o seu piloto número um não tem a pista de Monte Carlo entre as suas favoritas, o carro da Mercedes apresenta um histórico recente bastante interessante por lá. A equipe dominou a prova entre 2013 e 2016, obtendo quatro triunfos consecutivos, três com Nico Rosberg e um com o próprio Hamilton.

Vettel precisa voltar a vencer

Depois de assistir ao passeio das Mercedes na Espanha, terminando apenas em um decepcionante quarto lugar, é primordial para Sebastian Vettel começar a reagir, sob risco de ver as suas chances de conquistar o título se esvaírem de forma precoce. A última vez que o alemão subiu ao ponto mais alto do pódio foi no GP do Barein, há quase dois meses.

A prova do ano passado pode servir como inspiração para o piloto, que levou a Ferrari ao primeiro lugar após 15 temporadas de consecutivos fracassos. Ao lado de Kimi Räikkönen, o tetracampeão formou uma dobradinha da escuderia italiana. Em 2011, Vettel também levou a melhor, quando ainda estava na Red Bull. Outros resultados expressivos foram as segundas colocações em 2010, 2013 e 2015.

 

Alonso não espera novidades

Duas vezes vencedor em Mônaco, em 2006 e 2007, o bicampeão Fernando Alonso exalta as melhorias promovidas pela McLaren durante os testes pós GP da Espanha, e mostra-se confiante quanto às possibilidades de pontuar, mas é taxativo quando perguntado sobre os favoritos para vencer a prova.

“Há sempre muitas expectativas em Mônaco, mas há a Red Bull, Mercedes ou Ferrari na pole position, e três desses seis pilotos estão no pódio nas últimas edições. Esta é uma corrida que 99% é no sábado.”

Apesar das estatísticas darem razão ao espanhol, para os fãs fica sempre a expectativa por alguma surpresa, ou ao menos uma corrida disputada e cheia de alternâncias de posição.

 

Programação do GP de Mônaco 2018

  • Quinta-Feira, 24/05 – 06:00 – 1º Treino Livre
  • Quinta-Feira, 24/05 – 10:00 – 2º Treino Livre
  • Sábado, 26/05 – 07:00 – 3º Treino Livre
  • Sábado, 26/05 – 10:00 – Treino Classificatório
  • Domingo, 27/05 – 10:00 – Corrida

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar