UFC

Cris Cyborg fatura R$ 1,6 milhão com vitória no UFC 222 e eleva patamar

Foto: Divulgação/UFC

É sempre uma expectativa grande esperar pela divulgação dos valores pagos pelas Comissões Atléticas após cada evento do Ultimate. E não seria diferente diante do UFC 222, realizado no último dia 3 de março, em Las Vegas (EUA). O evento contou com Cris Cyborg como estrela principal. Além de brilhar dentro do octógono e liderar o show, a brasileira encabeçou a lista dos atletas mais bem pagos da noite, faturando mais de R$ 1,6 milhão. Mais do que o valor financeiro, Cyborg mostra mais uma vez o quanto exalta a força das mulheres no mundo das lutas.

Cris é um fenômeno do mundo das lutas, e ela sabe seu valor. Depois de vencer Holly Holm na luta principal do UFC 219, em dezembro, ela atendeu o chamado de última hora do Ultimate para “salvar” o UFC 222, enfrentar uma rival “desconhecida” e fazer seu pepel. E fez bem feito. Entrou no octógono, nocauteou no primeiro round, deu show e venceu. Mais do que ver a brasileira sendo a maior atração do show que tinha diversos nomes expressivos da companhia, ver Cris no topo da lista de salários de um evento é ainda mais bonito. Encoraja outras atletas a acreditarem em si e reforça o poder de igualdade do esporte.

Vale lembrar que tais valores são apenas os divulgados pelas comissões atléticas. Lutadores sempre ganham muito mais dinheiro do que o declarado. Só estão incluídos nesses números divulgados a bolsa pela apresentação no evento. Pagamentos relacionados a premiações, bônus, contratos com patrocinadores, entre outras coisas, não são revelados.

Apenas a nível de comparação, Frankie Edgar, ex-campeão do UFC e veterano da organização, embolsou R$ 625 mil; Andrei Arlovski, peso-pesado veterano do MMA, levou R$ 882 mil para casa, e por aí vai. Cris Cyborg é gigante em tudo. Tem que respeitar!

Em semana de Dia Internacional da Mulher, Cris Cyborg mostrou mais uma vez o quanto é um exemplo de sucesso no MMA feminino. Que sua trajetória espetacular no mundo das lutas siga sendo um exemplo dentro e fora do octógono para uma nova geração de atletas que está a caminho. Os jovens talentos do esporte têm muito a aprender com a campeã do UFC.

Repito: não se trata apenas de faturar mais de R$ 1,6 milhão em uma luta. Trata-se de se manter em evidência em todos os aspectos. Ser campeã em tudo, melhor em tudo e destaque em tudo. Não só Cris, mas toda lutadora tem o direito de sonhar e conquistar seu espaço em qualquer modalidade.

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar