Ganhador.com

Brasileirão Série A

Corinthians visita o Internacional em busca da primeira vitória com Osmar Loss; na matinê, Paraná e Atlético-PR lutam contra o Z-4

Roger é uma das armas de Osmar Loss para conquistar sua primeira vitória como técnico do Corinthians.

Foto: Carlos Ezequiel Vannoni/Eleven/Reprodução

Após a estreia com derrota contra o Millonarios pela Libertadores no Itaquerão, Osmar Loss leva seu Corinthians até o Beira-Rio em busca da primeira vitória à frente do alvinegro; no Durival Britto, Fernando Diniz quer pôr fim à má-fase do Atlético-PR contra o Paraná de Rogério Micale.

Não foi uma estreia dos sonhos, mas também não foi nenhuma tragédia. Sob o comando de Osmar Loss, o Corinthians perdeu a segunda partida na Libertadores – novamente em casa – na última quinta-feira, contra o Millonarios por 1 a 0.

Longe de “brilhar”, o “novo” Timão foi ofensivo e procurou, dentro de suas limitações, sufocar o adversário e ameaçar o gol do jovem Fariñez que fez uma partida impecável e evitou o que poderia ter sido uma goleada do Corinthians que continuou em cima dos visitantes mesmo após o gol de Carrillo – que aproveitou uma bola mal-afastada por Balbuena, na metade do segundo tempo, para de fora da área, acertar um canudo indefensável contra Walter.

Mais irregular do que em 2017 – e isso sob o comando de Fábio Carille – o Corinthians passa a se concentrar agora exclusivamente no Brasileirão até o final do Copa do Mundo. A primeira etapa é passar pelo Internacional – clube que Loss conhece tão bem – no Beira-Rio neste domingo para manter-se vivo na luta do G-4. Sem dúvida, uma parada duríssima.

 

Não basta vencer… tem que convencer

Osmar Loss tem pra frente a difícil missão de substituir Fábio Carille – aposta da diretoria corintiana, por força das circunstâncias, em 2017, que conquistou 3 títulos em um ano e meio de trabalho como técnico. Não é fácil.

Apesar do bom futebol apresentado pelo time, Loss falhou em sua primeira oportunidade como técnico principal e viu o Corinthians, já classificado para as oitavas de final da Libertadores, desperdiçar pelo menos quatro boas oportunidades de marcar no Itaquerão estreando, assim, com uma derrota. Foi a 10ª no ano em 34 jogos – a título de comparação, em todo o ano de 2017 o Corinthians fez 71 partidas e sofreu as mesmas 10 derrotas.

Por isso que uma simples vitória neste domingo contra o Internacional no Beira-Rio não será o bastante para enterrar a desconfiança da torcida. Mais do que vencer, precisa “convencer”.

Com um aproveitamento de 61% e dividindo a vice-liderança do Campeonato Brasileiro com Flamengo e Palmeiras (todos com 10 pontos), o Corinthians tem neste duelo uma oportunidade de melhorar o seu score como visitante uma vez que, nos últimos 15 jogos disputados fora de casa em todas as competições, acumula 6 vitórias, 5 empates e 4 derrotas. O retorno de Roger – que à partir de agora pode atuar também na Libertadores – deve tornar o trabalho ofensivo de Loss mais fácil.

A médio prazo, é possível projetar um Corinthians mais ofensivo e com mais apetite de gol sob o comando do novo técnico. Para isso, entretanto, é preciso uma seqüência convincente até a parada para a Copa do Mundo, começando pelo Beira-Rio.

 

Solidez defensiva

Dono da melhor defesa do Campeonato Brasileiro, ao lado de Palmeiras, Grêmio e Cruzeiro (todos candidatos ao título) com apenas 3 gols sofridos, o Internacional voltou para a Série A mantendo sua aposta no trabalho de Odair Hellmann – mais um técnico da “nova geração” – que está à frente do Colorado desde o final da Série B de 2017.

A segurança na retaguarda tem garantido ao Internacional uma campanha apenas regular. 10º colocado, com 8 pontos, o Colorado acumula até aqui 2 vitórias, 2 empates e 2 derrotas. A vitória por 3 a 0 contra a Chapecoense na última segunda-feira, tirou os gaúchos do Z-4.

Sem poder contar com Víctor Cuesta (suspenso), o Inter usará diante do Corinthians uma dupla de zaga que ainda não atuou junto: Rodrigo Moledo e o ex-titular Klaus. E mais: acostumado a atuar pelo lado direito, Klaus precisará se adaptar à esquerda da defesa – ponto que poderá ser explorado pelo Corinthians neste domingo.

Na frente, Odair Hellmann tem uma boa notícia: William Potker que pegou um gancho de dois jogos pela confusão no jogo contra o Flamengo pela 4ª rodada, teve a pena reduzida a um jogo e está livre para atuar no domingo. D’Alessandro também teve a pena reduzida para 1 jogo pela mesma confusão – mas como não se endireita, o argentino também foi punido por ter desferido um soco em Luan no Gre-Nal e segue fora por 3 rodadas – esta e mais duas.

 

Palpite para Internacional x Corinthians

Apesar do “apetite” mostrado pelo Corinthians na última quinta-feira, é pouco provável que o jogo deste domingo tenha muitos gols.

Com defesas bem postadas e compactadas (enquanto que o Inter levou apenas 3 gols no Brasileirão, o Corinthians sofreu 4), as duas equipes dificilmente darão moleza aos atacantes.

Ainda nos tempos de Fábio Carille, o Timão mostrava muita dificuldade em passar por defesas como a do Inter. Com Osmar Loss, o número de finalizações de fora da área aumentou contra o Millonarios e pode ser uma arma poderosa neste domingo. Além disso, a presença de Roger põe em campo a “Lei do Ex” e alguém capaz de concluir cruzamentos para a área – ou um pivô que prepara a jogada para quem chega de trás. É possível que o Timão vá à campo com o 4-1-4-1, com Maycon, Jadson, Mateus Vital (Rodriguinho está fora por cinta de um procedimento dentário) e Romero fazendo a linha de 4 atrás de Roger e Paulo Roberto (Gabriel cumpre suspensão) protegendo a zaga (deixando Pedrinho, que saiu muito cansado do jogo na quinta-feira) como arma para o segundo tempo.

No Inter a grande preocupação é com o comportamento da defesa composta por Moledo e Klaus e que nunca foi testada de verdade. Por outro lado, Zeca se adaptou rapidamente ao time e começa a entregar o futebol que o fez ser tão cobiçado pelos grandes times do Brasil – além, evidentemente, do retorno de Potker.

Sem dúvida, o jogo tem todos os elementos para ser um duelo muito “brigado” no meio-campo e o empate (com poucos gols) é o resultado mais provável.

 

A luta paranaense contra o Z-4

Paraná x Atlético-PR

Campeão da posse de bola e líder de passes certos – 59,9% e 88,7%, respectivamente – o Atlético-PR sofre com a falta de criatividade para construir suas jogadas e com a má-pontaria de seu ataque que finaliza, em média, 13 vezes por partida contra 18 de seus adversários – segundo dados do site WhoScored.com.

Por conta disso, seus adversários passaram a jogar em cima de seus erros. Foi assim que Marcos Júnior (Fluminense) e Róger Guedes (Atlético-MG) marcaram seus gols: o Furacão troca passes na frente, perto da área adversária; não finaliza; comete um erro e, no contra-ataque, sofre o gol. Consequência direta disso, o time de Fernando Diniz puxa a fila do Z-4, com 5 pontos conquistados em 1 vitória (na 1ª rodada), 2 empates e 3 derrotas (nas últimas 3 rodadas).

Sua situação só não é pior que a de seu adversário na matinê do Brasileirão neste domingo. Sob o comando de Rogério Micale, o Paraná – que voltou da Série B – ainda não sabe o que é vencer no campeonato. Foram 2 empates e 4 derrotas que dão ao time a posse da lanterna do Campeonato Brasileiro, com apenas 2 pontos conquistados.

O confronto deste domingo, à partir das 11 horas no Durival Britto – com torcida única à pedido do Ministério Público do Paraná – poderá servir de “redenção” para um dos dois técnicos. Para Diniz significará o triunfo da convicção de uma “visão de futebol” da qual ele não abre mão desde os tempos de Audax – com muita posse de bola e sem chutões. Para Micale é a tábua de salvação à qual ele poderá se agarrar e usar como “ponto de virada” em uma campanha muito mais que decepcionante.

Claro que para isso acontecer os times precisarão ajudar e o Furacão, que não marcou nenhum gol como visitante no Brasileirão, precisará furar a defesa do Paraná que sofreu apenas 1 gol como mandante em 3 jogos se quiser deixar o Z-4. Para os donos da casa, entretanto, a vitória, mais do que bem-vinda, servirá apenas como um alento dentro da agonia que será passar mais uma rodada – no mínimo – dentro da zona do rebaixamento (uma vez que a Chapecoense, 16ª colocada, tem, neste momento, 6 pontos).

 

Jogos e palpites para a 7ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série A

Sábado, 26/05/2018

  • 16:00 – Fluminense x Chapecoense – palpite: Fluminense
  • 19:00 – Palmeiras x Sport – palpite: Palmeiras
  • 21:00 – Atlético-MG x Flamengo – palpite: empate

Domingo, 27/05/2018

  • 11:00 – Paraná x Atlético-PR – palpite: empate
  • 16:00 – Bahia x Vasco – palpite: Bahia
  • 16:00 – Botafogo x Vitória – palpite: Botafogo
  • 16:00 – Santos x Cruzeiro – palpite: Cruzeiro
  • 16:00 – Internacional x Corinthians – palpite: empate
  • 19:00 – América-MG x São Paulo – palpite: América
  • 19:00 – Ceará x Grêmio – palpite: Grêmio

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar