Ganhador.com

Tênis

A duas vitórias da liderança do ranking da ATP, Roger Federer tem missão facilitada após queda de rival em Roterdã

Foto: Jan Kok/Soccrates/Getty Images

Um dos possíveis adversários capazes de “melar” possível festa do Maestro, Stan Wawrinka foi surpreendido logo na primeira rodada do torneio holandês

Se a missão de Roger Federer para retomar o posto de número 1 da ATP já não era das mais difíceis, o suíço teve sua vida ainda mais facilitada com a queda de um possível adversário na Holanda. Antes mesmo de entrar em quadra e vencer o belga Ruben Bemelmans por 2 sets a 0, com parciais de 6/1 e 6/2, o suíço viu seu compatriota Stan Wawrinka, rival que poderia encontrar nas quartas de final do ATP 500 de Roterdã, cair precocemente na primeira rodada. A menos que uma grande zebra ocorra, daquelas que acontecem “de vez em nunca” no tênis, o Maestro vai sim recuperar a liderança do ranking após cinco anos.

 

Estreia tranquila

Adversário desconhecido, acima do Top 100 e ainda sem ter alcançado um título de ATP. Esta era o primeiro rival de Federer no torneio holandês. Como era esperado, Ruben Bemelmans não deu nenhuma amostra de que poderia estragar a estreia do suíço, que em 47 minutos despachou o oponente. O resultado coloca o atual número dois do mundo para encarar Philipp Kohlschreiber na rodada seguinte. O alemão superou o russo Karen Khachanov em jogo apertado, finalizado em três sets.

Se depender do retrospecto, o Maestro deve seguir firme rumo ao seu objetivo. Federer venceu todos os 12 confrontos diante do atual 36º colocado da ATP. O último duelo ocorreu no ano passado, no Aberto dos Estados Unidos, com vitória por 3 sets a 0. E por falar em sets, o suíço perdeu apenas três para o rival ao longo da história do embate. O último ocorreu há quase três anos, em Basel. São 27 sets conquistados pelo maior campeão de Grand Slam do tênis diante do atual oponente.

 

Um rival a menos

A possibilidade de ter um rival à altura, que poderia causar alguma apreensão em Federer logo mais, não existe mais. A expectativa era que o suíço encontrasse Stan Wawrinka nas quartas de finais do torneio, mas a queda precoce de seu compatriota, que hoje é o 13º no ranking, minou com esta chance. Ainda buscando a uma melhor forma física após se recuperar de cirurgia no joelho esquerdo, Wawrinka acumulou mais um resultado negativo pela segunda semana consecutiva. Após cair na segunda rodada do ATP 250 de Sófia, na Bulgária, o suíço foi eliminado desta vez na estreia para o holandês Tallon Griekspoor, que “furou” o qualificatório.

Ruim para ele, ótimo para Federer, que passando por Philipp Kohlschreiber, deve enfrentar mais uma daquelas figuras nada intimidantes. O suíço terá nas quartas o vencedor do duelo local entre Robin Haase e o algoz de Wawrinka.

 

O objetivo

Não custa nada lembrar, mas Roger Federer retorna ao posto de número 1 se atingir as semifinais do ATP 500 de Roterdã. O bicampeão do torneio holandês (2005 e 2012) possui atualmente 9.605 pontos no ranking, contra 9.760 do espanhol Rafael Nadal. Com a diferença de 155 pontos para o Touro Miúra, o suíço alcançará automaticamente o primeiro lugar se vencer os dois próximos jogos, já que a passagem para a semifinal renderá 180 pontos.

 

Recordes à vista

Aos 36 anos, Roger Federer se tornará o tenista mais velho da história da chave masculina da ATP a alcançar a primeira colocação. O atual recorde pertence ao norte-americano André Agassi, que atingiu tal feito em 2003, quando venceu o ATP de Houston aos 33 anos de idade.

Mas não é só isso. O suíço também está de olho em outro recorde, no que se diz respeito ao número de conquistas. Com 96 troféus ao longo de sua vitoriosa carreira, o Maestro tem tudo para alcançar os três dígitos de títulos ainda nesta temporada. A questão é saber quando isso irá acontecer: ainda neste primeiro semestre, no qual o multicampeão deve disputar torneios em piso duro como o ATP 500 de Dubai, os Masters 1.000 de Miami e Indian Wells, e retornar às disputas no saibro, que inclui Roland Garros, ou então no segundo semestre, com em meio aos Grand Slams Wimbledon e Aberto dos Estados Unidos.

 

Estamos de olho

Apesar de o foco estar voltado todo para Roger Federer, é bom ficarmos de olho em Grigor Dimitrov. O atual número cinco do ranking da ATP está no páreo pelo título do ATP 500. Após superar o japonês Yuichi Sugita, o búlgaro mede forças com o sérvio Filip Krajinovic (38º). O cabeça de chave 2 pode ter nas rodadas seguintes o russo Andrey Rublev, o belga David Goffin ou o tcheco Tomas Berdych antes de uma possível final com Federer.

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar