Ganhador.com

WNBA

WNBA 2017: Minnesota Lynx segue domínio às vésperas do playoff

Foto: AP Photo/Mark J. Terrill

Versão feminina da NBA realiza últimas partidas da temporada regular com uma clara favorita ao título

As semelhanças do Golden State Warriors com o Minnesota Lynx estão crescendo a cada semana. Na WNBA, a reta final da temporada regular já coloca as 12 franquias em situação de exigência extrema, mas talvez nem isso seja suficiente para mudar a ordem de forças da temporada 2017.

 

Sylvia Fowles, cada vez melhor

Quem acompanha a WNBA sabe desde o começo que a temporada tem sido dominada como poucas vezes se viu pelo Minnesota Lynx – que, por sua vez, é também dominado como poucas vezes se viu pela pivô Sylvia Fowles. A grandalhona de quase dois metros está esbanjando aproveitamento fantástico nos dois garrafões e incorporando inclusive uma arma desconhecida em seu repertório: as bolas de longe.

Entender a supremacia de Fowles na atual temporada é muito fácil. Toda semana a WNBA escolhe a melhor jogadora do período – e Fowles, neste ano, conquistou este prêmio em simplesmente cinco ocasiões – a última delas, nesta segunda-feira, depois de novas vitórias da equipe em sua conferência. O domínio do Lynx até aqui é tão incontestável que os números gerais da equipe apenas no Oeste são arrebatadores: 11 vitórias em 12 jogos.

Das demais equipes há pouco a ressaltar, embora a disputa no Leste siga grande entre a líder Connectitut Sun e a vice Washington Mystics. Apenas uma vitória separa as duas equipes, com um 18-9 para o Sun e um 16-10 para os Mystics na campanha de ambas até o momento.

O grande nome individual desta disputa vem de Connectitut, da também pivô Jonquel Jones, nascida nas Bahamas e rapidamente convertida em fenômeno da WNBA. Ela está com 23 anos e chama atenção principalmente pela absurda impulsão, que ressalta o vigor de seu jogo de 1,98 metro.

Jones só tem uma clara limitação: o excesso de agressividade em seu jogo, e tal dificuldade, dizem os americanos, deve ficar clara no pós-temporada, nas partidas que realmente testem suas reações sob muita pressão.

 

Contagem regressiva para os playoffs

A temporada regular da WNBA termina em 3 de setembro, com cada uma das equipes cumprindo 34 partidas no geral. O time que por enquanto está com a maior quantidade de jogos soma 29. Os playoffs serão abertos no dia 7 de setembro, conferindo certa pressa para todas as equipes que sonham com algum destaque nesta reta final.

As disputas estão muito claras em ambas as conferências, e isso ocorre também porque o formato do playoff da WNBA é bastante diferente do da NBA.

Por enquanto, tanto o Lynx no Oeste quanto o Sun no Leste passariam direto para as semifinais, enquanto seus adversários que vêm a seguir, entre a segunda e a quarta colocação, duelariam entre si em partidas únicas que são sempre marcadas por extremo nervosismo e, não raramente, uma certa violência especialmente por parte das pivôs.

As partidas decisivas ficam menos agressivas a partir da semifinal, quando tanto a decisão quanto a semi são disputadas no habitual – para a WNBA – sistema de melhor de cinco partidas.

A data do eventual quinto jogo da decisão da WNBA é 20 de outubro – a temporada não ultrapassa o ano seguinte, como ocorre tradicionalmente com a NBA.

Os especialistas em basquete dos Estados Unidos não veem outra combinação semifinal que não seja a que envolva Connecticut Sun e Washington Mystics no Leste e Minnesota Lynx e Los Angeles Sparks no Oeste.

As demais equipes não demonstraram até aqui nenhuma capacidade de incomodar as grandes. O único time que poderia reverter esta previsão seria o New York Liberty, terceiro colocado no Leste. A sua campanha (15-12) está bem parecida com a do Washington Mystics (16-10), mas a questão é saber se a pivô Tina Charles vai ter a capacidade de seguir carregando o Liberty nas costas.

Tina é a segunda grande estrela da WNBA, atrás somente da já nomeada Sylvia Fowles. Na eleição semanal da grande jogadora de cada conferência, Tina obteve o prêmio em quatro semanas – apenas Fowles, com cinco, tem mais.

 

WNBA – Classificação da Conferência Leste

  1. Connecticut Sun, 18 vitórias e 9 derrotas
  2. Washington Mystics, 16-10
  3. New York Liberty, 15-12
  4. Chicago Sky, 11-16
  5. Atlanta Dream, 10-19
  6. Indiana Fever, 9-19

 

WNBA – Classificação da Conferência Oeste

  1. Minnesota Lynx, 21 vitórias e 4 derrotas
  2. Los Angeles Sparks, 19-8
  3. Phoenix Mercury, 14-13
  4. Dallas Wings, 13-16
  5. Seattle Storm, 11-16
  6. San Antonio Stars, 7-22

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar