UFC

UFC 214: o que você precisa saber sobre a rivalidade entre Daniel Cormier e Jon Jones

Foto: Divulgação/UFC

O UFC 214, que acontece neste sábado, em Anaheim (EUA), será histórico. Além de três disputas de título em jogo, o show marca talvez o último capítulo da rivalidade entre Daniel Cormier e Jon Jones. Eles se encaram na principal luta da noite, que vale título dos meio-pesados do Ultimate. Aliás, não vale “só” o título, vale também a honra e a última ação naquela que pode ser considerada a maior rivalidade da história do UFC.

Tudo começou em 2011. Acredite! Quando Cormier sequer era do UFC, ele encontrou Jones, que era o campeão meio-pesado do evento, exatamente em Anaheim, quando Cain Velásquez foi derrotado por Junior Cigano, em novembro daquele ano. O recado de Jones? “Aposto que posso te colocar para baixo a hora que eu quiser”.  Dali para frente, o destino dos dois estariam ligados. Jones seguiu como campeão do UFC e anos depois Cormier chegou à organização. Depois de lutar na divisão dos pesados, desceu aos meio-pesados e desafiou Jon.

O primeiro duelo entre os dois aconteceu em janeiro de 2015. Em luta bem movimentada de cinco rounds, Jones venceu Cormier na decisão dos juízes sem muita dificuldade. É bom lembrar que Jon foi responsável pela única derrota da carreira de Daniel. Antes disso, além das infinitas provocações disparadas incansavelmente, ambos protagonizaram uma confusão histórica. Durante evento promocional em Las Vegas (EUA), em agosto de 2014, eles se encararam pela primeira vez. Depois de ver Jones se aproximar, Daniel empurrou o rival pelo pescoço. Como resultado, Jones partiu para cima de Cormier enfurecido e ambos trocaram alguns socos e até chegaram a cair no chão em meio à multidão que tentou apartá-los.

De lá para cá, a vida de Jon Jones fora do esporte virou uma bagunça. Ele se envolveu em casos de doping que o fizeram perder o título do UFC, teve problemas com a polícia americana e chegou a ser preso. Nos últimos 30 meses, devido aos problemas enfrentados fora do octógono, o americano fez apenas uma luta – e não conseguiu o mesmo desempenho de quando estava em seu auge. Enquanto isso, Cormier seguiu com seu profissionalismo, se tornou o novo campeão dos meio-pesados e a rivalidade, claro, seguiu em frente.

E tome provocação. Cormier humilha o rival com seus problemas fora do octógono, enquanto Jones desdenha das conquistas do rival enquanto está fora de ação.

A revanche entre Jones e Cormier já foi marcada ao menos três vezes, mas sempre caiu devido a lesão de um dos dois ou problemas com doping. Dessa vez, ao que tudo indica (não é possível, né?), o reencontro no octógono vai acontecer. A tensão entre os dois é nítida a cada coletiva de imprensa e encarada onde estão juntos. Existem diversos níveis de rivalidade, e Jones e Cormier estão no nível mais nervoso delas. Eles se odeiam, se provocam e sequer consideram mostrar respeito um ao outro no octógono após a luta, independente do resultado – conforme o protocolo das artes marciais. Eles simplesmente não se aturam e dividirem o mesmo ambiente é um problema. Dentro do octógono eles podem expressar seu sentimento um pelo outro de forma mais adequada.

Para Cormier, o UFC 214 representa a oportunidade de mostrar que não é campeão apenas devido a ausência do rival do mundo das lutas. Ele quer vingança, respeito e reconhecimento. Neste sábado, Daniel terá a chance de mostrar que o profissionalismo (ainda) prevalece entre os campeões. Cormier quer deitar a cabeça no travesseiro com um sonho tão pesado que seu maior tormento não será mais capaz de acordá-lo.

Para Jones, é a oportunidade de mostrar que o que acontece fora do cage não afeta sua genialidade dentro dele. Mais do que isso, é a chance de mostrar que passe o tempo que for, ele sempre será melhor que seu rival e nem o tempo é capaz de abalar o talento de quem nasceu para lutar.

Cormier quer subir ao o hall dos “maiores de todos os tempos” pisando no rival.

Jones quer garantir seu renascimento no esporte enterrando seu maior inimigo.

Acredite, isso não é exagero. Se isso não é rivalidade…

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar