Copa do Mundo Sub-17

Raio-X do Mundial Sub-17: Brasil, Espanha e Mali largam como favoritos na Índia

Brasil Sub-17
Foto: CBF Oficial / Reprodução

Aberta neste fim de semana, competição termina no dia 28 com a tradicional rivalidade entre os países da América do Sul, Europa e África

O futebol mundial passou a ficar de olhos bem abertos em um destino diferente do normal: a Índia, que recebe, a partir deste final de semana, o Mundial Sub-17.

Ao todo, serão dez sedes envolvidas na organização do torneio. O Mundial Sub-17 vai terminar no próximo dia 28 na exótica cidade de Calcutá.

 

Formato de disputa “saudosista”

O Mundial Sub-17 começa com um sabor de saudade para os mais antigos: a competição é realizada exatamente no mesmo molde das Copas do Mundo de 1986, 1990 e 1994, quando craques como Romário, Roberto Baggio e Diego Maradona marcaram toda uma geração de fanáticos pela bola.

São, ao todo, 24 seleções no Mundial Sub-17 – a Copa do Mundo adulta tem 32 e vai inflar ainda mais nos próximos anos. Os países da competição de base são divididos em seis chaves (de A a F). Os dois primeiros e os quatro melhores terceiros colocados de cada grupo se classificam. Das oitavas de final em diante, o formato é o corriqueiro, com eliminação simples e, em caso de igualdade, prorrogação e decisão por pênaltis.

A atual edição é a 17ª da história do Mundial Sub-17. A maior campeã é uma surpresa: a Nigéria, com cinco conquistas, as últimas duas obtidas de maneira consecutiva, em 2013 e 2015. O país surpreendentemente não está na competição deste ano.  Os representantes da África nos gramados da Índia são Mali, Gana, Guiné e Níger.

É bom prestar atenção na seleção de Gana. A África é tradicionalmente forte nas categorias de base, e os ganeses conquistaram o Mundial em duas ocasiões, em 1993 e 1995.

O Mundial Sub-17 é disputado a cada dois anos, e as conquistas do Brasil estão cada vez mais no passado. A Amarelinha ergueu a taça em 1997, 1999 e 2003, e as chances de obter a quarta estrela neste mês são consideráveis.

 

Um time imbatível nesses lados

Grande força atual do futebol sul-americano entre os adultos, o Brasil pode bater no peito e dizer o mesmo também entre os garotos. A grande prova de força dos comandados do técnico baiano Carlos Amadeu veio no Sul-Americano disputado no Chile, em fevereiro e março, quando humilhou os adversários com um título dos mais contundentes. A campanha foi encerrada simplesmente com um 5×0 no anfitrião Chile.

A grande estrela desta conquista não vai defender o país na Índia. Vinícius Júnior, que joga no Flamengo, mas já foi contratado pelo Real Madrid, foi retido pelo clube carioca, que preferiu não dispensá-lo das últimas rodadas do Campeonato Brasileiro. A grande esperança de bom futebol passa a ser então o atacante Paulinho, outro que já atua entre os profissionais, mas do Vasco.

A estreia do Brasil no Mundial Sub-17 será às 8h30 (de Brasília) deste sábado (7) contra a difícil Espanha, atual campeã europeia. A Espanha é rival difícil em todas as categorias, e no Sub-17 não deve ser nada diferente. O bom para o Brasil é que os outros dois adversários da sua chave – a C – são meros figurantes, casos da Coreia do Norte e da seleção de Níger.

É de se esperar também por boas atuações das típicas forças Alemanha e Estados Unidos, que surpreendentemente ainda brigam pelo primeiro título na competição. A Alemanha tem um vice como melhor resultado. Os EUA obtiveram no máximo um bronze.

A primeira rodada foi aberta nesta sexta (6) com quatro partidas: Colômbia x Gana, Nova Zelândia x Turquia, Índia x EUA e Paraguai x Mali. A programação completa do final de semana está abaixo.

 

Berço de craques

O Mundial Sub-17 antecipa para o mundo muitos dos atletas que depois dominam os gramados na categoria adulta. Vai valer demais a pena acompanhar a competição também com este faro.

Afinal, craques como Neymar, Toni Kroos, Fàbregas e El Shaarawy começaram a chamar a atenção justamente em um Mundial Sub-17.

É claro que há também os casos dos prodígios que brilham entre os garotos e depois não vingam entre os profissionais. O maior exemplo talvez seja o de Freddy Adu, o mito dos Estados Unidos que depois veio parar aqui no Bahia – e nem no banco ficava.

 

Jogos da 1ª rodada do Mundial Sub-17 2017

Sábado, 7 de outubro
  • 08:30 – Brasil x Espanha – Palpite: Brasil
  • 08:30 – Alemanha x Costa Rica – Palpite: Alemanha
  • 11:30 – Irã x Guiné – Palpite: Empate
  • 11:30 – Coreia do Norte x Níger – Palpite: Empate
Domingo, 8 de outubro
  • 08:30 – Nova Caledônia x França – Palpite: França
  • 08:30 – Chile x Inglaterra – Palpite: Inglaterra
  • 11:30 – Honduras x Japão – Palpite: Japão
  • 11:30 – Iraque x México – Palpite: México

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar