Ganhador.com

Futebol

O que podemos esperar dos principais clubes brasileiros na temporada 2018?

Os preparativos para 2018 seguem a todo vapor nos clubes brasileiros e, como não poderia deixar de ser, tem gente que saiu na frente na luta por reforços – e títulos.

Foto: R7/Reprodução

Ainda temos um longo caminho até o dia 15 de abril de 2018 – data que marca o início do Campeonato Brasileiro da Série A. Mesmo assim, observando os movimentos atuais do mercado e dos clubes, já é possível imaginar o que podemos esperar dos clubes brasileiros no principal torneio nacional que terá, no ano que vem, um calendário ainda mais maluco que o habitual – como podemos ver aqui.

Então, armados com a mesma bola de cristal que Pai Renato de Bagé usou para dizer que o Corinthians ia despencar e o Grêmio ganharia a Libertadores, vamos, pela ordem de classificação do Brasileirão, comentar como deverá ser o ano de 2018 para a elite do futebol nacional.

 

Corinthians

O campeão brasileiro de 2017 chegou ao título apostando em um time sem estrelas que fez do conjunto a sua força. Embora tenha dado certo nesta temporada, apostar apenas nesta estratégia em 2018, sem qualificar o elenco que disputará a Libertadores, será um erro.

Por saber disso, a diretoria do Timão – que se despede do comando do clube em fevereiro (parabéns aos envolvidos pelo brilhante calendário de eleições do Corinthians) – corre atrás de reforços e, principalmente, jogadores que possam compensar as perdas do lateral Guilherme Arana e do zagueiro Pablo – rumores dão conta ainda de que chegará uma proposta irrecusável da China por Rodriguinho. Por enquanto, o clube acertou apenas as contratações de  Júnior Dutra (ex-Avaí) e René Júnior (ex-Bahia). É pouco.

Se quiser lutar por títulos o Corinthians precisa se qualificar. Precisa achar um substituto para Arana (Juninho Capixaba é a bola da vez) e um reserva capaz de substituir Jô, que entrou no radar do Bayern Leverkusen e pode deixar o clube. Além disso a criação no meio-campo deixou a desejar em 2017 e o interesse do Fluminense em contar com alguns jogadores do Timão pode facilitar a chegada de Gustavo Scarpa. Se vier e a questão de Trelléz com o Vitória – e com René Júnior que o acusou de racsimo no último Ba-Vi – se resolver, o campeão brasileiro começa a ganhar corpo. Pode brigar pelo bi no Brasileirão e, talvez, ir longe na Libertadores.

 

Palmeiras

Depois de gastar mundos e fundos para montar um supertime capaz de ganhar todos os títulos e mais alguns, o Palmeiras terminou a temporada apenas com o vice do Brasileirão. Nada de Libertadores, nada de Copa do Brasil, nada de nada… E, apesar disso, o clube parece não ter aprendido muito em 2017 e se lança em 2018 àvido por contratações.

Trouxe o supervalorizado Roger Machado para o lugar da trindade Eduardo Baptista/Cuca/Alberto Valentim que dirigiu – de modo desastroso – o time em 2017. Junto com ele chega Lucas Lima que não tinha mais clima – e muito menos futebol – no Santos. Anunciou também o lateral Diego Brabosa (Cruzeiro), o zagueiro Émerson Santos (Botafogo) e o goleiro Weverton (Atlético-PR). Bons reforços para um elenco bem “carregado” de jogadores, mesmo com as saídas de Egídio, Arouca e Erik.

Mesmo assim, o Verdão segue no mercado, de olho em nomes como Bernard, Ricardo Goulart, Wallace e Pablo (as negociações por Gustavo Scarpa melaram). Se chegarem mesmo, Roger terá, no lugar de um time, uma tremenda dor de cabeça – como tiveram Eduardo Baptista e Cuca antes dele. Simplesmente não há lugar para tantos jogadores caros em um único time. O Verdão teve 2017 para aprender isso e, pelo visto, não aprendeu.

Chega em 2018, novamente, forte e favorito a tudo que disputar. Mas para isso, precisará fazer de um elenco “cascudo” e “estrelado” um time. Será que agora vai?

 

Santos

Com uma nova diretoria recém-eleita (dezembro é mês pra eleger nova diretoria, viu Corinthians?), o Santos começa seu planejamento para 2018 em um ritmo mais lento. O clube, inevitavelmente, sofrerá com as baixas de Lucas Lima e Ricardo Oliveira (que está de malas prontas para o Atlético-MG). Mas antes de qualquer coisa, corre atrás de um técnico e, se conseguir se entender com o Botafogo a respeito da multa rescisória, poderá anunciar Jair Ventura a qualquer momento. Um excelente reforço para o Peixe que sofreu com o rodízio de técnicos em 2017 (Dorival Júnior, Elano, Levir Culpi e Elano novamente). Para se reforçar, tenta repatriar Gabigol e trazer de volta Robinho.

No geral, deve ser o Santos de sempre que volta e meia recontrata Robinho: um time bom, capaz de morder um título aqui ou ali, mas não deverá ter um 2018 tão superior a 2017.

 

Grêmio

O campeão da Libertadores vem forte para 2018. Renovou o contrato com Renato Gaúcho e, mesmo na eminência de perder o meia Arthur, o lateral Edílson e o atacante Lucas Barrios antes do Brasileirão, segue sendo um time forte.

Tendo feito uso de alguns jogos do Brasileirão na temporada de 2017 como “laboratório”, Renato já sabe quais talentos pode garimpar da base tricolor (ou “grupo de transição”) para, novamente, fazer um time forte e econômico. Começa a temporada candidato ao(s) título(s), sim – independente do desempenho no Gauchão.

 

Cruzeiro

Outro time que aposta na continuidade do trabalho para seguir forte. Campeão da Copa do Brasil, renovou contrato com Mano Menezes – que era alvo do Palmeiras – e mantém a base vencedora de 2017. Infelizmente não houveram acordos para a permanência do volante Hudson na Toca da Raposa e o atleta está retornando ao São Paulo – uma baixa considerável para o elenco cruzeirense.

Como reforços, trouxe o volante Bruno Silva e o lateral Egídio, que estava no Palmeiras (que levou o lateral Diego Barbosa). Segue negociando com os atacantes David (Vitória) e Fernandão (Fenerbache).

Chega forte e procura contratações cirúrgicas para reforçar o time. É, hoje, candidato certo a títulos em 2018.

 

Flamengo

O rubro-negro, assim como o Palmeiras, gastou o que podia e o que não podia para montar um elenco vencedor em 2017 e tudo o que conseguiu foram 3 vices (Taça Guanabara, Copa do Brasil e Copa Sul-Americana) o estadual do Rio. Muito pouco.

Como se isso já não fosse problema suficiente, o clube abriu negociações com Fred, para tirá-lo do Atlético-MG uma vez que não poderia contar com Paolo Guerrero – suspenso por dopping pela Fifa. Mas, a entidade máxima do futebol abrandou a pena do peruano e ele poderá voltar a jogar já no dia 3 de maio – pouco mais de uma mês antes do início da Copa do Mundo). Não há espaço para os dois no Flamengo e a negociação com Fred, no momento, deve esfriar na Gávea.

Como problema é um bicho carente que odeia andar sozinho, o técnico Reinaldo Rueda foi procurado para assumir a seleção do Chile – e são grandes as chances dele aceitar, ainda mais depois do comportamento da torcida do Mengão após o vice na Sul-Americana. Paulo César Carpegiani é visto como opção pela diretoria rubro-negra.

E é assim, recheado de problemas, dentro e fora de campo, que o Flamengo vai para a temporada 2018 correndo um sério risco de não chegar a lugar nenhum novamente – talvez conquiste o bi estadual.

 

Vasco

Surpresa no campeonato, o Vasco se reencontrou depois da chegada do técnico Zé Ricardo e conseguiu cravar uma improvável vaga na pré-Libertadores. Sabendo tirar o melhor do limitado elenco que tem em mãos, o professor e sua comissão procuram reforços pontuais que possam qualificar o time para 2018.

Não deve lutar por títulos, mas as chegadas de Rildo e Desábato dão mais qualidade ao time que pode sonhar com uma classificação melhor no Brasileirão em 2018. Se sair da Libertadores e cair na Sul-Americana, pode, a exemplo do Corinthians campeão brasileiro, almejar o título, goleando por 1 a 0 e empatando aqui e ali.

 

Chapecoense

Outra surpresa da temporada. O time que se reconstruiu do zero, teve 3 técnicos e quase caiu para a Série B. Se reaprumou com Gilson Kleina e conquistou a última vaga na pré-Libertadores. Foi muito mais longe do que se imaginava, mas não parece ter condições de manter o fôlego em 2018.

Com as eminentes saídas de Reinaldo, Wellington Paulista e Luiz Antonio, a Chape vem se mexendo pouco para repôr as peças perdidas – Márcio Araújo está na mira – e deve fazer uma temporada de “luta para não cair”. Vai pra 2018 como forte candidata ao estadual e nada mais.

 

Atlético-MG

Terceira grande decepção da temporada, o Atlético-MG chega para 2018 com uma diretoria “cheirando a nova”, mas pouca movimentação no sentido de reforçar o time que pode perder Fred, Robinho e Rafael Moura (este último, confirmado). Ricardo Oliveira, do Santos, está chegando e se juntará a Erik, Samuel Xavier e Arouca. Poderia dizer que é pouco para um time que pretende lutar pelo Brasileirão, mas o clube investiu muito em 2017 e tudo que conseguiu foi um estadual e a vaga na Sul-Americana.

Entra 2018 com o mesmo status que terminou 2017. Pode mudar a expectativa até o Brasileirão, mas acho pouco provável.

 

Botafogo

O esforçado Botafogo de 2017 chegará em 2018 mais fraco. Tendo passado em branco na temporada e com a saída de jogadores importantes, como Bruno Silva e Roger, o clube terá menos dinheiro para investir e seu elenco que já é modesto deverá sofrer ainda mais.

Diante do cenário pouco favorável e das minúscilas possibilidades de lutar por títulos, o técnico Jair Ventura deve se mudar para o Santos em busca de um time que lhe dê mais condições de colher frutos (títulos) por seu trabalho. É verdade que o Peixe para 2018 não empolga muito, mas o Fogão empolga menos ainda e, se bobear, acabará participando da luta para não cair.

 

Atlético-PR

Outro time que não deve ir muito longe em 2018 – a exemplo do que aconteceu em 2017. Dispensou seu gestor de futebol, Paulo Autuori, seu técnico, Fabiano Soares, e agora segue planejando um time para 2018 sem saber ainda quem o treinará. Seedorf – ele mesmo! – está chegando para ser o “gestor” do clube nos moldes de  Alex Ferguson no Manchester United (mas não deve ficar os mesmos 26 anos que o inglês no cargo). O Furacão, por enquanto, contratou o atacante Bergson que foi destaque no Payssandu nesta temporada.

Que a torcida rubro-negra não se empolgue esperando um 2018 muito melhor que 2017. Não deve acontecer.

 

Bahia

Outro time que teve um desempenho acima do esperado – especialmente no returno – o Bahia virou uma espécie de supermercado dos demais clubes: todo mundo quer trazer algum dos seus jogadores. Só o Corinthians quer 3: René Júnior (fechado), Juninho Capixaba e Zé Rafael. O São Paulo deve levar o goleiro Jean enquanto que o Palmeiras pediu o retormo do meia Allione. O técnico Paulo César Carpegiani pode ir para o Flamengo, caso Reinaldo Rueda assuma a seleção do Chile. Guto Ferreira é candidato a assumir o clube neste cenário.

Por enquanto, o Bahia segue negociando alguns nomes, mas tudo indica que, se mantiver o ritmo atual de saídas, o clube chegará em 2018 bem mais fraco que em 2017 e brigando para não cair.

 

São Paulo

Depois de uma temporada pavorosa, repleta de erros e lutanto contra o rebaixamento, o São Paulo busca se reaprumar para ter um 2018 melhor. Para isso, já confirmou a permanência do saxofonista Jucilei em seu elenco, garantindo assim a música de alta qualidade no vestiário tricolor. Diego Souza é outro jogador que já está com toda a parte financeira resolvida com o clube do Morumbi. Falta agora se acertarem com o Sport. O volante Hudson que estava emprestado ao Cruzeiro está de volta. Os clubes não chegam a um acordo sobre a permanência do jogador em Minas e, talvez, ele acabe no Santos – clube que já manifestou interesse no atleta.

Lucas Pratto deve retornar à Argentina para defender o River Plate. Gilberto está de saída e Lucca pode chegar em negócio envolvendo o lateral Reinaldo, que interessa ao Corinthians.

No geral, o São Paulo – se não fizer a liquidação que fez no ano passado, deixando Rogério Ceni no mato – tem um time bem decente para entregar a Dorival Júnior. Precisa de reforços pontuais e, agora, resolver um problema sério com a falta de atacantes. Se a diretoria não atrapalhar mais do que o habitual, tem condições de fazer uma temporada de 2018 muito melhor que a de 2017 – mas lutar por títulos, talvez só o Estadual.

 

Fluminense

Livre do rebaixamento por pouco, o Fluminense trouxe Paulo Autuori e pode usar o talentoso Gustavo Scarpa como “moeda” para reforçar o time sem precisar mexer no bolso (vazio) do clube. O Corinthians quer contar com o futebol da jóia tricolor, enquanto que o clube das Laranjeiras gostaria de ter Léo Princípe, Giovanni Augusto e Lucca em 2018. São nomes que podem ajudar Abel Braga a se descabelar menos na tentativa de ter um time competitivo na próxima temporada.

Sem dinheiro, 2018 não deverá ser um ano fácil para o Flu. Se conseguir se organizar, saldar as contas e não cair para a Série B, pode comemorar como se fosse um título com a torcida.

 

Sport

Depois de quase cair para a Série B, o Sport vem caminhando a passos lentos em seu planejamento para 2018. Nelsinho Batista chegou para assumir o comando do time mas ainda não sabe ao certo qual time terá para comandar. Diego Souza deverá ir embora enquanto que Régis, Neto Moura e Matheus Ferraz voltam de empréstimos. O volante Rithely segue sendo objeto de desejo em outros clubes e pode sair. Patrick, Mena e Durval estão negociando para continuar no clube, mas ainda não houve acerto entre as partes.

De certo mesmo no Sport apenas a retomada, em 2018, de sua briga para não cair para a Série B.

 

Vitória

Outro time que segiu na Série A por pouco, o Vitória tem nova diretoria, muitos problemas financeiros e vê na negociação do atacante Trelléz uma oportunidade de aliviar o caixa, depois das frustradas tentativas de renovar seu contrato. Com proposta do Corinthians o jogador não esconde de ninguém seu desejo de sair do clube.

David é outro que pode sair a qualquer momento – basta chegar uma proposta que a diretoria considere boa.

No mais, o clube começa o ano lutando pelo campeonato baiano e entra do Brasileiro, mais uma vez, brigando para não cair, apesar da habilidade de Vagner Mancini de extrair o máximo de elencos limitados.

 

América-MG

De volta a Série A, o América garantiu a permanência do técnico Enderson Moreira para a temporada de 2018 e busca reforços pontuais para a disputa do Mineiro, da Copa do Brasil e do Brasileirão. Rafael Moura é um que pode estar de saída do Galo rumo ao Coelho. Aylon, do Internacional, já está acertado e Matheus Sales, do Palmeiras, está em negociações. O atacante Luan fica livre de seu contrato com o Palmeiras agora no final do ano e pode continuar no América, desde que atleta e clube cheguem a um acordo financeiro.

O Coelho entra em 2018 disposto a fazer bonito no campeonato mineiro e querendo manter-se na Série A em 2019. Vai brigar na parte de baixo da tabela, mas pode conseguir se manter na elite do futebol brasileiro.

 

Internacional

O Inter começa 2018 com Odair Hellmann no comando do time (Abel Braga preferiu continuar no Fluminense) e Caíco como auxiliar técnico. Dentro de campo, o Colorado renovou com D’Alessandro, trouxe Roger do Botafogo, Gabriel Dias do Paraná, Paulão (retorno) do Vasco e segue negociando as contratações de Rithely (Sport), Juninho (Bahia) Montoya (Sevilla) e Roger Guedes (Palmeiras).

Tudo indica que 2018 começará errado no Beira-Rio. Hellmann não foi uma convicção e sim uma necessidade. FUm fracasso na conquista do estadual e ele estará fora do comando do Inter. São boas as chances de ele não se dar muito bem no Gauchão e, com isso, o Colorado pode começar o Brasileiro com outro técnico – também conhecido como “receita para o fracasso”. Pelo elenco que tem – e se não ficar trocando de técnico com a mesma velocidade com que Shakira troca de roupa em seus shows – o Inter entra no Brasileirão lutando por uma vaga na Sul-Americana e, com sorte, um G-6. Nada além disso.

 

Paraná

Agora sob o comando de Wagner Lopes, o Paraná já tem como reforços o meia Alex Santana e o atacante Diego (ambos vieram do Internacional) e o goleiro Luis Carlos do Vila Nova. Além deles, o zagueiro Neris do Sport deverá ser anunciado em breve. Mesmo assim o time entrará no Brasileirão 2018 participando daquela briga para não cair que deverá contar com Fluminense, Bahia, Vitória, Sport, América-MG, Chapecoense e Ceará. Não será uma temporada fácil para o Paraná.

 

Ceará

Fechando nossos palpites para 2018, o Ceará que também retornou para a Série A e não contará com os serviços de Magno Alves. Depois de uma série de desencontros para a renovação do contrato, o presidente do clube, Robinson de Castro, afirmou que o Magnata está fora dos planos do Vovô para a próxima temporada. Por outro lado, chegam ao clube os laterais Leandro Silva, Renato e Ernanes, além do goleiro Renan, que estava no Goiás.

Com tudo isso, o time deverá fazer frente ao Fortaleza de Rogério Ceni no estadual e lutar com todas as forças para seguir na Série A ao final da temporada de 2018.

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar