Ganhador.com

NBA

NBA: o que está por trás do sucesso do Detroit Pistons, vice-líder do Leste

Foto: Gregory Shamus/Getty Images

Famosa pela defesa sempre agressiva, equipe deste ano se caracteriza pela mescla de força e habilidade         

O Detroit Pistons venceu o Indiana Pacers por 119×97 na noite desta quarta-feira (8) e se consolidou como uma das grandes surpresas deste início de Temporada Regular. A equipe agora é a vice-líder da Conferência Leste (8-3), atrás apenas do Boston Celtics, que carrega 10 vitórias e 2 derrotas até aqui.

Os Pistons terminaram a última temporada em décimo e sequer foram aos playoffs, mas têm grande tradição: foram três vezes campeões da NBA, nos anos de 1989, 1990 e 2004. Nas duas primeiras temporadas, entrou para a história o time de “bad boys” capaz de frear até as equipes brilhantes do Bulls (com Jordan), Lakers (Magic Johnson) e Celtics (com ninguém menos que Larry Bird). Em 2004, de novo uma boa dose de poder defensivo e de encrenca com os astros Chauncey Billups e Ben Wallace.

O que faz a equipe ir tão bem agora não tem muito a ver com a defesa e nem com transgressões, e sim o jogo rápido e eficiente de um trio que trabalha quieto, mas mostra um basquete que fala alto na Little Caesars Arena, a casa dos Pistons que vive lotada com mais de 20.000 pessoas.

 

Andre Drummond, pronto para a guerra

A NBA é um reconhecido espaço onde só os fortes sobrevivem. E o que dizer de um pivô de 122 quilos distribuídos por 2,11 metros, aos 24 anos e no auge da força? É com esta energia maluca que o brilhante pivô Andre Drummond vem se destacando no Detroit.

Destaque é pouco. Ele é um reboteiro digno dos melhores tempos de Dennis Rodman. Sua média na atual temporada é espantosa: são 15 rebotes por jogos. Contra os Pacers, então, uma covardia: nada menos que 21! Drummond, claro, é o líder da NBA nessas estatísticas, e olhe que a concorrência é grande. DeAndre Jordan (14,3 rebotes por jogo) e DeMarcus Cousins (13,6) vêm logo atrás.

Se Drummond responde pela força e pela imensa agressividade para distribuir os enormes braços, a sua brilhante atuação tem também um responsável muito mais sábio, o brilhante técnico Stan Van Gundy. Irmão do lendário Jeff Van Gundy, Stan não deixa nada a desejar aos melhores treinadores do momento – e nem das últimas temporadas. Os especialistas em NBA nos Estados Unidos não pensam duas vezes em colocá-lo ao lado de gigantes como Doc Rivers (do Boston) ou Phil Jackson (em sua passagem pelo Lakers).

 

Jackson e Bradley: habilidade e explosão

Toda grande equipe da NBA precisa ter, além de um pivô reboteiro, um armador criativo e um cestinha eficiente. E no atual Detroit essas duas peças levam o nome de Reggie Jackson e Avery Bradley.

Jackson é o motorzinho da equipe. Não chega a brilhar e ser um armador daqueles vistosos ou atléticos demais, mas jamais compromete. Sua média de pontos está sempre acima dos dois dígitos. Contra o Indiana, por exemplo, respondeu por 18. Na partida anterior, ante o Sacramento Kings, outros 15. O número de assistências tem espaço para crescer: está em 6,3 – na temporada 2014-2015, por exemplo, foram 9,2.

Avery Bradley é o complemento das jogadas de Reggie Jackson. Seus números não são superlativos como os de LeBron ou Stephen Curry, mas ele tampouco destoa do restante do rendimento da equipe. Contra os Pacers, sem estar bem, ajudou no jogo coletivo e permitiu a alta pontuação de Tobias Harris, responsável por 23 pontos – é esta a faixa costumeira de Bradley, que havia feito 24 e 23 nas partidas anteriores, contra Kings e Bucks.

E o que esperar deste Detroit no restante da Temporada Regular?

Uma previsível queda de rendimento. A franquia não demonstra fôlego – e nem reposições para as inevitáveis lesões. Mas imaginar um playoff sem o Detroit não condiz com a realidade.

Nem no alto (em primeiro ou segundo) e nem muito no fundo (em sétimo ou oitavo). Uma previsão coerente é supor que os Pistons fiquem ali entre quarto ou quinto. Já seria um grande salto em relação ao último ano.

 

Jogos da Temporada Regular da NBA 2017/2018

Quarta-feira, 8 de novembro

  • Detroit Pistons 114×97 Indiana Pacers
  • Orlando Magic 112×99 New York Knicks
  • Boston Celtics 107×96 Los Angeles Lakers

Quinta-feira, 9 de novembro

  • Phoenix Suns 115×126 Miami Heat
  • Golden State Warriors 125×101 Minnesota Timberwolves
  • 22:00 – Washington Wizards x Los Angeles Lakers – Palpite: Wizards
  • 22:30 – Toronto Raptors x New Orleans Pelicans – Palpite: Raptors
  • 23:00 – Houston Rockets x Cleveland Cavaliers – Palpite: Rockets

Sexta-feira, 10 de novembro

  • 01:00 – Sacramento Kings x Philadelphia 76ers – Palpite: Kings
  • 01:30 – Denver Nuggets x Oklahoma City Thunder – Palpite: Thunder

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar