Handebol

Não é só futebol! Barcelona é campeão mundial de handebol

Foto: Stephane Pillaud/Barcelona FC/Divulgação

Barcelona conquistou o Mundial Interclubes pela terceira vez em sua história.

A final do Mundial Interclubes em Doha foi uma batalha emocionante de dois gigantes da modalidade. O Barcelona saiu na frente, tomou a virada e ainda conseguiu reagir diante do Füchse Berlim. Confira abaixo como foi.

 

O primeiro a vencer três vezes

O Barcelona se tornou o primeiro time a conquistar o Super Globe em três ocasiões. As outras duas haviam sido em 2013 e 2014. De quebra, impediu o Füchse Berlim de entrar para a história com um tricampeonato consecutivo.

Com o início da peleja, o Barcelona entrou em quadra sabendo exatamente o que tinha de fazer para que o fracasso na Liga dos Campeões não se repetisse. Em junho, os espanhóis perderam a semifinal para o macedônio Vardar por 26 a 25 e depois deixaram o bronze escapar para o húngaro Veszprém por 34 a 30. A forra contra os da ex-Iugoslávia já havia ocorrido na semifinal: 32 a 29.

O grande destaque da decisão foi o arqueiro Gonzalo Pérez de Vargas, que fez 14 importantes defesas, incluindo dois pênaltis. Em 10 minutos, os ibéricos ganhavam por incríveis 5 a 1, surpreendendo os comandados por Velimir Petkovic. O Barça contava com as mãos precisas de Thimothey N’Guessan e Dika Mem. Depois do período de tempo, os germânicos equilibraram as ações e reduziram a diferença com Petar Nenadic e o pivô Erik Schmidt. Os barcelonistas foram para o intervalo com três gols de vantagem: 15 a 12.

No segundo período, os alemães viraram o placar em dez minutos: 18 a 17. A defesa catalã tinha dificuldade para parar Fabian Wiede e Steffan Fath.

O tri parecia perto de Berlim. De repente, o Barcelona deu um sprint final. Valero Rivera (cinco) e Vitor Tomás (dois) deram outra virada no escore, que terminou 29 a 25.

 

O FC Barcelona

O Barcelona é famoso por sua equipe de futebol. No entanto, o clube respira muito mais que o velho esporte bretão. Atualmente, há departamentos de futebol feminino, beach soccer, basquetebol, basquetebol em cadeira de rodas, handebol, hóquei sobre patins, hóquei sobre grama, patinação artística, atletismo, hóquei sobre gelo, rúgbi, futsal e voleibol. No passado, a organização foi ainda mais poliesportiva. Os culés já competiram em judô, luta, tênis, beisebol, natação, ciclismo, futebol americano, handebol de campo e ginástica artística.

O Handebol treina e manda seus jogos dentro do complexo esportivo onde se situa o Camp Nou. Seu ginásio se chama Palau Blaugrana. Nele, 7.585 pessoas podem assistir aos espetáculos. O Handebol é um dos quatro esportes considerados oficiais e profissionais pelos catalães, junto com o basquetebol, o futsal e o hóquei sobre patins.

Além dos três Mundiais, é possível visitar e tirar fotos das seguintes taças na sede da instituição: nove Ligas dos Campeões, cinco Recopas, uma Copa da EHF, cinco Supercopas Europeias, 30 ligas espanholas, 21 Copas do Rei, duas Copas da Liga Espanhola e 19 Supercopas Espanholas. É pouco?

A formação de atletas é prioridade no clube, que investe pesado em suas categorias de base. Desde os quadros mais jovens, os azuis e grenás são muito fortes e regulamente conquistam títulos.

Para o desporto espanhol crescer ainda mais, faltaria reativar os departamentos de balonmano de Real Madrid (que encerrou as atividades em 1959) e do Atlético de Madrid (que deixou a modalidade em 1994, além de um breve retorno entre 2011 e 2013).

 

A participação do Brasil

Ano passado, nosso país foi representando pela UNITAÚ, de Taubaté, que terminou em sétimo lugar. Melhoramos este ano. Apesar do revés na estreia contra o Füchse Berlim por 33 a 31, o Pinheiros ganhou duas seguidas e fechou sua participação em quinto lugar. As vítimas foram o Sydney University, da Austrália, por 32 a 26, e o Espérance, da Tunísia, por 32 a 29.

Os comandados por Sérgio Hortelan fizeram um bonito papel, tendo encarado na primeira apresentação logo os alemães, que defendiam o bicampeonato mundial. “Durante boa parte do encontro estava gol a gol. Fizemos uma boa partida e fomos muito bem na transição defesa e ataque”. Durante os três compromissos, se destacaram Diogo Hubner, Arthur Peão e o goleiro Marcão.

Ao longo da história, apenas a Metodista, de São Bernardo do campo, subiu ao pódio. Foi em 2002 quando os paulistas voltaram do Qatar com a medalha de bronze. Em 2007, a mesma agremiação terminou em quarto lugar.

 

Quartas de Final

Sexta-feira, 25 de agosto

  • 13h00: Al Sadd 33×25 Sydney University
  • 15h00: Füchse Berlim 33×31 Pinheiros
  • 17h00: Vardar 30×22 Naft & Gaz Gashsaran
  • 19h00: Barcelona 42×24 Espérance

Semifinais

Sábado, 26 de agosto

  • 17h00: Vardar 29×32 Barcelona
  • 19h00: Al Sadd 23×30 Füchse Berlim

Final

Segunda-feira, 28 de agosto

  • 19h00: Füchse Berlim 25×29 Barcelona

 

Os campeões

  • 1997 – Cantabria (Espanha)
  • 2002 – Al Sadd (Qatar)
  • 2007 – Ciudad Real (Espanha)
  • 2010 – Ciudad Real (Espanha)
  • 2011 – THW Kiel (Alemanha)
  • 2012 – Atlético de Madrid (Espanha)
  • 2013 – Barcelona (Espanha)
  • 2014 – Barcelona (Espanha)
  • 2015 – Füchse Berlim (Alemanha)
  • 2016 – Füchse Berlim (Alemanha)
  • 2017 – Barcelona (Espanha)

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar