Ganhador.com

Futebol: Podcast

Na Libertadores, a noite de empates foi melhor para Santos e Botafogo; pela Sul-Americana, apenas o Sport venceu e encaminhou a classificação

O saldo final para os times que jogaram ontem, dia 13, pelas copas Libertadores e Sul-Americana não foi dos mais animadores. Excessão feita ao Sport, nenhum clube encaminhou sua classificação para a próxima fase e tudo será decidido nos jogos de volta.

 

Copa Libertadores

Barcelona de Guayaquil 1 x 1 Santos

Jogando pela Copa Libertadores da América, o Santos conseguiu um interessante empate no Equador diante do Barcelona de Guayaquil. Interessante porque o 1 a 1 fora de casa, garante o Peixe nas semifinais em caso de 0 a 0 na Vila Belmiro no próximo dia 20. Um novo 1 a 1 leva a decisão sobre a vaga para os pênaltis. Um empate em 2 a 2 ou mais, classifica o Barcelona e a vitória por qualquer resultado leva o vencedor para as semifinais.

Embora tenha saído na frente com um gol de Bruno Henrique no início do segundo tempo e tenha perdido inúmeras oportunidades para matar o jogo, o Santos foi muito pressionado e só não tomou a virada graças à boa e decisiva atuação (mais uma) do goleiro Vanderlei que garantiu o bicho da galera e a pequena vantagem no jogo de volta que pode, sim, ser o bastante para fazer o Santos avançar sem sustos.

Botafogo 0 x 0 Grêmio

E o vencedor do duelo entre Barcelona (o genérico e não aquele famosão) e Santos, aguardará por Botafogo ou Grêmio que ontem, quarta-feira, dia 13, empataram em 0 a 0 no Engenhão em um jogo muito disputado, cheio de reclamações da arbitragem – o venezuelano José Argote conseguiu desagradar cariocas e gaúchos na mesma intensidade – e com poucas chances de gol. Entendendo que se trata de uma decisão em 180 minutos, Jair Ventura e Renato Gaúcho não quiseram arriscar e, conservadores, contentaram-se com o 0 a 0 e em deixar a decisão de verdade para os próximos 90 minutos daqui uma semana na Arena do Grêmio. O Botafogo leva uma pequena vantagem já que se classifica com qualquer empate com gols. Novo 0 a 0 leva a decisão para os pênaltis e a vitória, por qualquer resultado, é o único placar que interessa ao tricolor que pode ter adotado a estratégia errada neste primeiro jogo – não seria a primeira vez que isso acontece na temporada –, uma vez que um empate com gols com o Botafogo não é um resultado improvável.

 

Copa Sul-Americana

Corinthians 1 x 1 Racing

Recebendo o Racing da Argentina ontem, em Itaquera, pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa Sul-Americana, o Corinthians, líder do Campeonato Brasileiro, provavelmente jogou os melhores 45 minutos de sua temporada em 2017. Jadson – que lembrou o atleta decisivo que era antes de sua passagem pelo futebol chinês – criava opções e ditava o ritmo do meio-campo alvinegro que ainda contou com a boa atuação de Maycon – autor do gol corintiano – e de Marciel que, mais à vontade na lateral-esquerda no lugar de Guilherme Arana, criou triangulações com Romero e Maycon e ainda deu o passe para o gol corintiano. Apenas Rodriguinho destoou, rendendo muito menos do que vinha rendendo na temporada – desde o final do primeiro turno do Brasileirão, aliás, que Rodriguinho não joga tudo o que pode. Apenas para fechar o comentário sobre os meias alvinegros, Gabriel foi o de sempre: eficiente na marcação e afobado em vários momentos – sem necessidade.

Com total domínio no primeiro tempo, o Timão perdeu a chance de “matar o jogo” diante da fraca defesa argentina. Este, aliás, tem sido o problema do Corinthians em toda a temporada: fere o adversário, mas, como bem diz Arnaldo Ribeiro da ESPN, não mata.

Deixou o Racing vivo para o segundo tempo e, depois de abusar muito do direito de fazer jogadas e passes errados, o Timão finalmente conseguiu tomar o gol de empate. Querendo a vitória, Fabio Carille olhou para o banco de reservas, chorou sua má-sorte, e mandou Camacho, Giovanni Augusto e Fellipe Bastos para o jogo. E quando suas esperanças de mudar o ritmo do jogo e conseguir a vitória estão nestes jogadores, só resta chorar mesmo.

Para o jogo de volta, na próxima quarta-feira, o Corinthians – que completou três jogos seguidos sem vitória no Itaquerão– precisa vencer por qualquer placar ou de um empate por 2 gols ou mais. O 0 a 0 classifica o Racing e um novo 1 a 1 leva a decisão para os pênaltis.

Chapecoense 0 x 0 Flamengo

E a Chapecoense, quem diria, sob o comando do interino (será que vão efetivar?) Emerson Cris, foi melhor na Arena Condá, segurou o poderoso Flamengo de Reinaldo Rueda e só não conseguiu a vantagem para o jogo de volta porque parou na boa atuação do goleiro Diego Alves (que, aliás, estava devendo) e na falta de pontaria de seu ataque (se montarmos um time com o ataque da Chape e o banco de reservas do Corinthians, até o Tite ficaria desempregado). Por outro lado, o rubro-negro, sem nenhuma criatividade, pouco ameaçou o gol de Jandrei – coisa rara nesta temporada.

Com isso, um novo 0 a 0 leva decisão para os pênaltis – e o Flamengo que não entre na pilha do “Diego Alves pegador de pênalti” – enquanto que qualquer empate com gols classifica e equipe catarinense. A vitória simples classifica o vencedor.

Sport 3 x 1 Ponte Preta

E depois de seis jogos sem vitórias no Campeonato Brasileiro, o Sport mostrou que ainda tem lenha para queimar e aplicou um sonoro 3 a 1 na Ponte Preta lá na Ilha do Retiro. O resultado alivia um pouco o ambiente nos vestiários – que vinha muito pesado nas últimas semanas – e dá ao Leão o direito de até poder perder por 1 a 0 na próxima quarta-feira, dia 20, no jogo de volta no Moisés Lucarelli em Campinas. À Ponte Preta não resta outra opção que não seja vencer por 2 a 0 (ou por 2 gols de diferença caso o Sport marque). Se devolver os 3 a 1 da ida, a Macaca leva o jogo para os pênaltis. Não será fácil para o time campineiro… mas também não será impossível.

Fluminense x LDU

Fechando a participação dos clubes brasileiros na Sul-Americana, o Fluminense recebe hoje, quinta-feira, a LDU no Maracanã a partir das 19:15 pelo duelo de ida.

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar