Ganhador.com

WNBA

Minnesota Lynx e Los Angeles Sparks fazem a grande final da WNBA

Foto: Divulgação / Site Oficial WNBA

Times com as melhores campanhas confirmam favoritismo e repetem decisão de 2016 a partir deste domingo (24)

A WNBA chega ao fim que o confronto decisivo que todos esperavam. Reeditando o que se viu na NBA com o Golden State Warriors e o Cleveland Cavaliers, a versão feminina da liga com o melhor basquete do mundo contará com os favoritíssimos Minnesota Lynx e Los Angeles Sparks brigando pelo título a partir deste domingo (24). A única mudança com relação aos homens é a quantidade de partidas: o playoff final da WNBA é no sistema melhor de cinco, em vez de sete jogos, como na NBA.

Lynx chega um pouco melhor

As semifinais foram verdadeiros atropelos para os dois lados – e o Minnesota Lynx comprovou sua pinta de grande equipe desta temporada. Enfrentando o Washington Mystics, time com a sexta campanha da liga, o Lynx não deu chances e demonstrou estar mais do que preparado para ficar com o título.

 

A série começou com uma vitória por 20 (!) pontos que não deixou muita margem para fantasias: 101×81. O segundo jogo foi menos díspar, mas ainda assim dominante o suficiente para o Minnesota sair de quadra com um 93×83. A partida que fechou a série com um incontestável 3 a 0 foi igualmente tranquila, terminando com um 81×70.

 

O Lynx tem peças individuais que fazem com que todos nos Estados Unidos vejam esta equipe como realmente enorme favorita ao título. E o engraçado é que os números refletem outra coisa.

 

Apenar a grande estrela do time, a pivô Sylvia Fowles, aparece como líder de um item: o percentual de arremessos de dois pontos, com 65,5% de acertos. Todas as demais estatísticas são dominadas por outras equipes, mas os números coletivos comprovam a capacidade de um Minnesota Lynx que conta também o brilho e a rapidez de Maya Moore. Maya e Fowles são nomes certos em qualquer seleção do campeonato, e o estilo de jogo previsto pela técnica Cheryl Reeve favorece demais o estilo das duas. Não que o banco de reservas não contribua: as semifinais mostraram que o Lynx tem a capacidade de manter o ritmo mesmo nos momentos em que suas estrelas descansam – a vitória arrasadora do primeiro jogo ante o Mystics comprovou exatamente isto. Algo de muito novo ou diferente vai precisar ocorrer para o título não seguir o caminho de Minnesota.

E o Los Angeles?

Bater tanto na tecla do favoritismo do Lynx é citar por cima que seu rival, o Los Angeles Sparks, está em desvantagem. Mas ao contrário do que analisa a maioria dos especialistas americanos, os Sparks já comprovaram no confronto direto que têm sim chances de equilibrar esta final.

Lynx e Sparks se enfrentaram três vezes na temporada regular, com duas vitórias do Los Angeles (70×64 e 78×67, ambas em agosto) e uma do Minnesota (88×77, em julho).

 

O Los Angeles tem um jogo mais leve e de bolas mais longas que o Minnesota. Uma grande prova disso é que os principais nomes do Sparks são Alana Beard, a rainha das roubadas de bola, e a cestinha Chelsea Gray, com um incrível aproveitamento de 48,5% das tentativas de três pontos. Ao contrário do Lynx, um técnico é um homem, o respeitado (e estressado) Brian Agler, no cargo desde 2015. Curiosidade: ele foi treinador também do Lynx entre 1999 e 2002.

 

Os Sparks ganharam a semifinal contra o Phoenix Mercury – campanha #5 – também com um 3 a 0, embora com placares menos dilatados: no final, o triunfo de 79×66, 86×72 e 89×87 pode permitir tanto a leitura que mostra o Mercury como um adversário mais forte que o Mystics, adversário dos Lynx, ou como o Sparks está em um momento um pouco inferior. As duas análises fazem sentido e só mesmo a decisão deste domingo (24) vai começar a responder qual das duas vai prevalecer no fim.

 

Vale – e como! – lembrar que Lynx e Sparks fizeram também a espetacular decisão do ano passado.

 

Os Sparks saíram na frente com uma vitória de 78×76 e depois abriram 2 a 1 na série. Quando tudo parecia definido, o Minnesota igualou tudo em 2 a 2, mas o quinto jogo terminou com um inesquecível 77×76 para o Los Angeles.

 

Decisão contando com todos os seus cinco jogos e título decidido por um único ponto de diferença. Difícil ficar melhor. Resta saber se 2017 vai ter capacidade para tanta emoção.

 

Jogos do WNBA Finals 2017

Dias 24 e 26 (em Minnesota), 29 e 1º (em Los Angeles) e 4 de outubro (Minnesota).

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar