Vôlei

Liga Mundial de Vôlei em Curitiba: Conheça o tabu que está atormentando o Brasil

Foto: FIVB

Seleção abre fase final brigando contra um triste retrospecto diante do seu torcedor

Jogar com o apoio de uma torcida fanática é realmente uma grande vantagem no esporte. Mas o Brasil que tenta a partir de hoje (4) o seu décimo título na Liga Mundial de Vôlei vai precisar lutar contra um enorme tabu envolvendo o seu público.

A seleção conquistou sua primeira Liga Mundial jogando justamente no Brasil, é verdade. E quem esteve no Ibirapuera naquele final de semana de 1993 jamais se esquece do brilho de uma seleção que atropelou a Rússia na decisão. Mas, desde então, fazer a final da Liga em casa tem sido uma enorme dificuldade.

A primeira dessas ocasiões foi em 1995, no Rio, quando o Brasil fez a final contra a Itália no Maracanãzinho e ficou com o vice. A segunda ocorreu em 2002, em Belo Horizonte e Recife, com um outro segundo lugar, desta vez perdendo para a Rússia.

As duas mais recentes participações brasileiras na Liga Mundial em casa foram simplesmente trágicas.

Em 2008, no Rio, o Brasil sequer subiu ao pódio. Ficou apenas na quarta colocação e aplaudiu o título da fantástica seleção dos Estados Unidos. Em 2015, há exatos dois anos, de novo no Rio de Janeiro, foi ainda pior: a seleção de Bernardinho sequer chegou às semifinais, sendo eliminada em um grupo que tinha Estados Unidos e França.

Tudo isso, claro, é passado. Mas até que ponto este tabu pode ficar na cabeça dos jogadores? A campanha da atual edição será aberta hoje (4) às 15h05 com o confronto entre Brasil e Canadá na espetacular estrutura armada na Arena da Baixada, o estádio do Atlético-PR.

“Não tem como apontar favoritos. São seis equipes que podem conquistar o título sem a menor sombra de dúvidas”, afirmou o técnico da seleção brasileira, Renan Dal Zotto, tirando o peso dos ombros da sua jovem equipe.

Renan espera uma partida difícil contra o Canadá: “Eles têm uma seleção muito consistente taticamente, com bons sistemas de bloqueio e defesa. Têm uma arma muito boa no seu contra-ataque. Eles jogam para causar o maior número possível de contra-ataques, então é um jogo de muita paciência”.

Capitão da seleção brasileira, o levantador Bruninho também elogiou o adversário desta terça. “O Canadá tem um sistema defensivo muito forte. Às vezes, não conseguem matar a jogada, mas cobrem, erram muito pouco e nós temos que estar muito calmos para jogar porque é uma partida que tem tudo para se tornar longa”, analisou.

A ocasião especial vivida nesta semana em Curitiba emociona o técnico Renan, um dos astros da brilhante “Geração de Prata” que encantou o voleibol brasileiro e mundial nos anos 80. “Tenho certeza de que esta fase final será uma experiência única, especialmente por ser em um estádio de futebol. Estamos em um bom momento, fizemos uma boa campanha na fase de classificação. A nossa equipe cresceu durante a temporada e estamos confiantes para este momento de decisão”, disse.

Pelos lados do Canadá, a expectativa é de fazer um bom papel nesta segunda participação na Fase Final de uma Liga Mundial. O treinador da equipe é o francês Stéphane Antiga: “Estamos muito felizes de estarmos aqui, este é um lugar muito especial e com uma atmosfera favorável ao voleibol. Fiquei muito satisfeito com o modo como jogamos na fase classificatória, mas agora é praticamente uma nova competição. Ao longo deste campeonato conseguimos manter a tranquilidade em momentos de pressão da torcida, e espero que isto continue nos jogos aqui em Curitiba”, comentou.

As nove conquistas do Brasil na Liga Mundial foram conquistadas em 1993, 2001, 2003, 2004, 2005, 2006, 2007, 2009, 2010. O primeiro título foi obtido com o técnico José Roberto Guimarães, e os demais tiveram Bernardinho como comandante. É a chance perfeita para Renan iniciar seu ciclo como treinador ao lado dos dois gigantes da história.

 

TABELA DA FASE FINAL DA LIGA MUNDIAL:

GRUPOS:

  • Grupo J – Brasil, Canadá e Rússia
  • Grupo K – Sérvia, França e Estados Unidos

4 DE JULHO (TERÇA-FEIRA)

  • 15h05 – Brasil x Canadá
  • 17h40 – França x Estados Unidos

5 DE JULHO (QUARTA-FEIRA)

  • 15h05 – Rússia x Canadá
  • 17h40 – Sérvia x Estados Unidos

6 DE JULHO (QUINTA-FEIRA)

  • 15h05 – Brasil x Rússia
  • 17h40 – França x Sérvia

7 DE JULHO (SEXTA-FEIRA)

  • 15h05 – 1º J x 2º K (semifinal 1)
  • 17h40 – 1º K x 2º J (semifinal 2)

8 DE JULHO (SÁBADO)

  • 20h – Disputa do 3º lugar
  • 23h05 – Final

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.