UFC

Lenda do UFC considera retorno ao octógono após sete anos parado. E isso é preocupante!

Foto: Divulgação/UFC

Dizem que uma das maiores dificuldades da carreira de um lutador é saber a hora de parar. E isso já foi comprovado diversas vezes. Atletas apaixonados pela luta muitas vezes acreditam poder ir mais além do que realmente podem, e assim acabam destruindo ou manchando uma carreira brilhante que poderia ter se mantido intacta caso a decisão da aposentadoria fosse tomada na hora certa.

Por que eu estou escrevendo sobre isso? Porque além da dificuldade que é um lutador saber a hora certa de parar, agora existe algo que atrai a atenção de que já está aposentado há anos: as bolsas milionárias.

Nesta semana, Chuck Liddell, lenda do MMA e ex-campeão dos meio-pesados do UFC, declarou no programa The MMA Hour que no auge dos seus 47 anos – sete anos após lutar pela última vez – seria capaz de voltar ao octógono, caso recebesse uma “oferta maluca”. Ora, nos tempos atuais, receber uma oferta maluca é o mesmo que receber uma proposta milionária. É claro que o mundo das lutas gostaria de vê-lo em ação novamente, e isso teria um custo alto. Mas obviamente é uma péssima ideia.

Chuck foi um exemplo claro do lutador que demorou para se aposentar. Ele perdeu o cinturão do UFC em maio de 2007. De lá até o fim de sua trajetória na modalidade, ele acumulou cinco derrotas em seis lutas. A única vitória no período aconteceu contra Wanderlei Silva, em combate histórico em dezembro de 2007. Aquele era o momento certo para o adeus. Mas ele insistiu, assim como tantos outros e acabou encerrando a carreira com três derrotas por nocaute consecutivas.

Até Muhammad Ali demorou a se aposentar. Anderson Silva é outro bom exemplo. Perdeu o cinturão para Chris Weidman em julho de 2013. Podia ter parado no auge. Insistiu. Na revanche, quebrou a perna em cena dramática. Chega, Spider. Mas ele seguiu. Resultado? Agora acumula quatro derrotas, uma luta sem resultado e apenas uma vitória nas últimas seis lutas. De quebra, acabou flagrado duas vezes no doping. Sua carreira ficaria muito melhor se ele tivesse parado anos atrás. Mas a questão é que não podemos julgar. A única pessoa que sabe a hora de parar é o próprio lutador.

O que me assusta é a falta de amigos que possam aconselhar lutadores com a verdade. Sobram companheiros que dão tapinhas nas costas e incentivam com o famoso “você está bem, ainda tem muita lenha para queimar” quando a verdade é outra.

Só o fato de um cara como Chuck Liddell cogitar voltar ao octógono após sete anos inativo e aos 47 anos de idade já me preocupa. Até porque, à essa altura, ele estaria ignorando o que o fez parar e se baseando na motivação mais forte atualmente no mundo das lutas: dinheiro. Isso normalmente custa caro. Em todos os sentidos!

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar