Carioca

Flamengo é Campeão Carioca em 2017 e abre maior vantagem de títulos da sua história!

Foto: Gilvan de Souza / Flamengo

Virada nos últimos minutos garantiu o estadual para o rubro-negro pela 34ª vez

Dominado pelo Fluminense de 1906 a 2008, o Campeonato Carioca tem novo dono. Desde 2009, o Flamengo é o time com mais títulos do estadual e com a conquista neste domingo, abriu a maior vantagem da sua história. Graças aos gols de Guerrero e Rodinei e o triunfo por 2 a 1, agora são três taças na frente do tricolor. Apesar do placar, o grito de Campeão só começou a ser ouvido nos minutos finais.

Definitivamente não foi algo fácil para o rubro-negro. O placar de 1 a 0 no primeiro jogo foi por água baixo logo com três minutos de partida. Após uma blitz no ataque, o Fluminense aproveitou uma sequência de escanteio e abriu 1 a 0, com Henrique Dourado, igualando a decisão.

A pressão da equipe ainda durou alguns minutos, aproveitando o descontrole do adversário com o susto logo no começo. Porém, a partir da metade do primeiro tempo, o Flamengo passou a tomar controle do jogo, chegando a ter quase 70% da posse de bola. O domínio existia, mas o clube sofria para chegar ao gol, assim como aconteceu algumas vezes na Libertadores. As melhores oportunidades acabaram vindo dos pés de Renê e Everton, mas os dois não souberam aproveitar. Enquanto isso, o Flu seguia levando perigo com cobranças laterais de Léo Pelé e em escanteios, mas também não conseguiu aumentar o marcador.

   

Segundo tempo aberto

Sabendo que contava com peças menos experientes que o rival, o técnico Abel Braga utilizou a estratégia de buscar os contra-ataques para chegar ao segundo gol. Apesar de não ter tido nenhuma chance clara de gol, a tática parecia dar certo, pois o tricolor muitas das vezes conseguia partir com superioridade numérica para cima da defesa adversária.

Do outro lado, Zé Ricardo tentava mudar a equipe, que sofria com as péssimas atuações de Berrío e Trauco. Os dois deram lugar a Gabriel e Rodinei, mas a troca demorou a surtir efeito. Por cerca de 10 minutos, foi o Fluminense que controlou o jogo, mas novamente sem perigo.

Na parte final, a experiência entrou em campo e justamente os atletas de maior rodagem participaram do gol rubro-negro. Aos 40 minutos, Réver cabeceou após cobrança de escanteio, Cavalieri deu rebote e Guerrero chutou forte para empatar o jogo.

Como o resultado dava o título ao Flamengo, o tricolor foi para o tudo ou nada e colocou os atacantes Marcos Junior e Pedro para fazer pressão. Na base do desespero, as substituições não surtiram efeito e o rubro-negro aproveitou os contra-ataques. Primeiro, Rodinei driblou Diego Cavalieri, sofreu a falta e causou a expulsão do goleiro. Na sequência, após última tentativa do Flu em cobrança de escanteio, o lateral arrancou sozinho e chutou sem chances para Orejuela – que havia ido para o gol. Depois disso não teve tempo para mais nada e o clube comemorou o título, que não vinha desde 2014.

   

Confronto de bolas na rede

Definitivamente Fla-Flu vem com uma dose extra de emoção. Pela segunda vez no ano, o confronto contou com virada. Além disso, foi a 19ª vez nos últimos 20 encontros que o jogo terminou com ao menos um gol. Foi também a 11ª ocasião neste mesmo período que o duelo teve no mínimo três bolas na rede.

   

Campanha invicta

Mesmo poupando os jogadores em diversas partidas, o Flamengo faturou o campeonato de forma invicta. Ao todo, foram 11 vitórias e cinco empates na campanha. A superioridade foi vista até nos clássicos, tendo ganho ao menos uma vez cada um dos seus rivais.

   

Heróis improváveis

A taça já estava nas mãos do Flamengo com o gol de Guerrero, mas foi o de Rodinei que fechou a conta. O lateral reserva, que entrou durante a segunda etapa, se junta a uma extensa lista de heróis improváveis do rubro-negro.

O mais recente ainda faz parte do elenco, o meia Marcio Araújo, que marcou exatamente na última conquista estadual do clube, em 2014. Um ano antes, o título da Copa do Brasil ficou mais perto graças ao golaço de Amaral na partida de ida contra o Atlético-PR. No Brasileirão de 2009, em uma equipe com Adriano, Petkovic, a bola foi para a rede com a cabeçada do zagueiro Ronaldo Angelim.

Voltando ao estadual, uma das maiores curiosas é a cobrança de pênalti espírita de Cássio, pela Taça Guanabara de 2001. A lista é extensa e conta com nomes como Roger Guerreiro, Rodrigo Mendes, Jean e até Rondinelli, que é idolatrado por muitos torcedores, mas que não era cotado para marcar o gol da vitória em uma geração tão promissora, como a de Zico.

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.