Copa do Brasil

E o campeão são vocês que vão dizer: ô ô ô, Men-gô!

Foto: Gilvan de Souza / Flamengo

Flamengo deve levantar a quarta Copa do Brasil de sua história amanhã à noite.

Cruzeiro e Flamengo; Flamengo e Cruzeiro! Que partida! Que clássico! Que final! Cruzeiro e Flamengo decidem a Copa do Brasil amanhã à noite. Dois dos maiores clubes do futebol brasileiro disputam no Mineirão 90 minutos em igualdade de condições. Quem ganhar, levanta o troféu e se garante na Libertadores. Quem perder, lamentará pelo resto de suas vidas. Abaixo, explico por que o Flamengo tende a prevalecer nesta quarta-feira. Sei que o Flávio Soares discorda, mas fazer o quê?

 

Histórico

Em 91 encontros ao longo da história, o Flamengo leva vantagem no cara a cara: 35 triunfos contra 31 do Cruzeiro, além de 25 empates.

Considerando pelejas válidas apenas pela Copa do Brasil, foram nove embates, com duas vitórias para cada lado e cinco igualdades.

Os mineiros ostentam quatro troféus da competição em seu museu: 1993, 1996, 2000 e 2003. Os cariocas têm três: 1990, 2006 e 2013.

Vale lembrar que a final de 2003 foi uma batalha entre os dois finalistas deste ano e o Cruzeiro prevaleceu: 1 a 1 e 3 a 1.

Ambos foram vice-campeões em duas ocasiões.

 

Como chegaram à final?

O Flamengo, por estar envolvido com a Taça Libertadores da América, só estreou nas oitavas de final. Chegou até aqui ao passar por Atlético-GO (0 a 0 e 2 a 1), Santos (2 a 0 e 2 a 4) e Botafogo (0 a 0 e 1 a 0).

O Cruzeiro precisou entrar em campo desde a primeira eliminatória. A campanha foi a seguinte: 2 a 1 diante do Volta Redonda, 6 a 0 sobre o São Francisco-PA, 2 a 0 e 3 a 0 contra o Murici, 2 a 0 e 1 a 2 frente ao São Paulo, 1 a 0 e 0 a 0 contra a Chapecoense, 3 a 3 e 1 a 1 sobre o Palmeiras e 0 a 1 e 1 a 0 (3 a 2 nos pênaltis) diante do Grêmio.

 

Deixaram o Flamengo chegar

Normalmente, quando deixam o Flamengo chegar, fica difícil segurar. Pergunta para Goiás (1990), Vasco da Gama (2006) e Atlético-PR (2013) que perderam a Copa do Brasil para o Urubu. Converse também com Atlético-MG (1980), Grêmio (1982), Santos (1983), Internacional (1987), Botafogo (1992) e Internacional de novo (2009) sobre serem vices do Mengão no Brasileirão. Tudo bem que Santo André e Cruzeiro quebraram esta escrita rubro-negra. Peraí: o Cruzeiro nunca perdeu uma final para os da Gávea e ainda ganhou uma? Chegou a hora da revanche!

A nação flamenguista compareceu ao aeroporto Santos Dumont em peso para incentivar a delegação que embarcou ontem rumo à capital mineira. Nesta terça, os cariocas fazem um único treino no palco da final. Muralha é o goleiro, responsável por ser o paredão. Segundo Guerrero, ele está com “sangue nos olhos para trazer este título e dar a volta por cima”.

Reinaldo Rueda poupou os titulares contra o Avaí, no sábado. A equipe não passou do 1 a 1 e saiu do G-6 da Série A.

Sei que meu colega Flávio Soares diz que o Cruzeiro terá o apoio da torcida. Hoje em dia, o futebol é profissional. Pode ter quantas pessoas gritando o quanto quiserem na arquibancada. Nada disso passa para dentro de campo. No gramado são onze contra onze e o juiz atrapalhando.

 

Pela profecia de Thiago Neves

Foi no Campeonato Mineiro que Thiago Neves declarou que “ninguém vai segurar este time este ano”. Pois bem: o Cruzeiro fracassou no Estadual de Minas Gerais, na Primeira Liga, na Copa Sul-Americana e já está fora da briga pelo título do Brasileirão. Falta perder a Copa do Brasil para o craque cruzeirense desistir deste negócio de bola de cristal, tarô e búzios.

Mano Menezes faz mistério e fechou o treino à imprensa. É sabido que escalou os reservas contra o Atlético-GO. Ele não revela a escalação porque não tem a mínima ideia de quem envia a campo. Manoel e Alisson estão sem ritmo e, apesar de liberados pelos médicos, estão “bichados”. Rafael Sóbis está suspenso. Romero e Arrascaeta foram testados em Goiânia, mas tampouco estão bem.

É num quadro desmontado e desconfigurado que o Flávio Soares aposta!

 

As possíveis escalações

Cruzeiro: Fábio; Ezequiel, Léo, Murilo e Diogo Barbosa; Henrique, Hudson, Thiago Neves, Robinho e Alisson; Raniel. Técnico: Mano Menezes.

Flamengo: Alex Muralha; Rodinei, Réver, Juan e Pará; Márcio Araújo, Willian Arão e Diego; Berrío, Lucas Paquetá e Everton. Técnico: Reinaldo Rueda.

 

Serviço

Não há mais ingressos disponíveis. A torcida cruzeirense comprou todos os seus 54 mil bilhetes, enquanto a do Flamengo esgotou seus 5.841.

O estacionamento abre às 17h45 e os portões às 19h45. Haverá telões espalhados em alguns bairros de Belo Horizonte, como a Savassi. Nas capitais de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo também é possível assistir ao espetáculo no cinema.

A torcida cruzeirense espera fazer uma “vigília” de 24 horas no entorno do Mineirão.

 

Palpite

A superioridade técnica rubro-negra ninguém contesta, nem mesmo você, Flávio! Já digo que o Fla será tetra desde antes da primeira batalha. Relembre aqui. Para mim dá Cruzeiro 0, Flamengo 2. Todos ao Bar Clipper bebemorar e no dia seguinte recepcionar o Flamengo no aeroporto!

 

Jogo de volta, da final da Copa do Brasil de 2017

Quarta-feira, 27 de setembro:

  • 21h45: Cruzeiro x Flamengo

 

Comentários

4 Comentários
Voltar