Ganhador.com

Futebol: Podcast

Corinthians vence com gol irregular; o São Paulo não convence e o Avaí segue surpreendendo no segundo turno do Brasileirão

Depois de obrigar o Atlético-MG a correr atrás do empate, o Avaí segue como uma das melhores equipes do returno enquanto que o líder Corinthians, de maneira contestada, voltou a vencer em casa e, com o auxílio das derrotas de Grêmio e Santos, aumentou a sua vantagem na ponta do Brasileirão. O São Paulo, por sua vez, venceu o Vitória no confronto direto contra o rebaixamento, mas segue no Z-4. Aperte o play e ouça nosso comentário sobre a 24ª rodada do Campeonato Brasileiro e leia a seguir o nosso resumo dos jogos do final de semana.

 

Desempenho de líder

Com a segunda melhor campanha do returno do Brasileirão (11 pontos em 15 disputados), ficando atrás apenas do Botafogo (12 pontos em 15 possíveis), o Avaí recebeu o Atlético-MG na Ressacada e saiu na frente com o um belo gol de Simião no final do primeiro tempo. Um merecido castigo para o Galo que dominava a partida mas, sem nenhuma inspiração, não ameaçava a defesa catarinense. Cenário que se repetia no segundo tempo até que Rogério Micale trocou os apagados Cazares e Luan por Robinho e Otero. As alterações fizeram efeito e Otero completou de cabeça o cruzamento de Marcos Rocha que valeu a igualdade no jogo. Um resultado ruim para as duas equipes, diga-se de passagem, mas muito pior para o Galo que a cada dia afasta-se mais e mais de uma vaga na Libertadores 2018. Para o Avaí, embora ruim, o empate garantiu mais um ponto na tabela, a manutenção da invencibilidade no segundo turno do Campeonato Brasileiro e, acima de tudo, mais uma rodada fora do Z-4.

 

Cada vez mais líder

O Corinthians recebeu o Vasco em casa e sofreu para conquistar a vitória e os 3 pontos – que vieram em um gol irregular de Jô. Jogando melhor que nas rodadas anteriores (onde conseguiu 1 vitória e 3 derrotas), o Timão martelou o quanto pôde a defesa do Vasco, mas parou em seus próprios erros de finalização ou na boa atuação da zaga cruzmaltina – em especial, nas mãos do goleiro Martín Silva. Até que aos 28 minutos do segundo tempo, Jô completou com o braço o cruzamento de Marquinhos Gabriel que selou o resultado do jogo – um placar até que magro pelo volume de jogo apresentado pelos donos da casa que voltaram a jogar bola no Campeonato Brasileiro, mas que mancha a conquista pela forma como foi registrado.

Mas como os deuses do futebol gostam de times que se entregam no jogo, o líder ainda foi agraciado com as derrotas de Santos (2 a 0 para o Botafogo) e Grêmio (1 a 0 para a Chapecoense) – resultados que aumentaram sua folga na liderança.

 

Brasileiro não é prioridade

Com importantes jogos neste meio de semana pelas quartas de final da Libertadores, Botafogo e Santos pouparam jogadores na rodada e venceu quem mexeu menos no time. Contando apenas com Vanderlei de sua formação titular – o que, aliás, evitou uma goleada –, o Santos foi presa fácil para o Botafogo que poupou 5 titulares e, melhor entrosado, dominou o duelo e faturou os 3 pontos com gols de Rodrigo Lindoso e Guilherme. Com o resultado, o alvinegro carioca permanece na 7ª colocação com a mesma pontuação do Cruzeiro, o 6º colocado. Para o Santos, o único prejuízo – além da perda da invencibilidade que durava 17 jogos –, foi ver o Corinthians abrir 12 pontos de vantagem na liderança novamente.

Preocupado com o jogo contra o Botafogo nesta quarta-feira pelas quartas de final da Copa Libertadores, o técnico Renato Gaúcho mandou a campo uma formação “alternativa” para o jogo contra a Chapecoense que, numa Arena do Grêmio quase deserta – a torcida tricolor não se interessou pelo jogo –, fez, aos 37 segundos da etapa final, o gol que lhe garantiu a vitória.

O Grêmio ainda tentou alguma coisa, mas, desmotivado e com a cabeça no jogo decisivo de quarta-feira, não foi capaz de furar a defesa do time catarinense que voltou a vencer depois de 3 derrotas seguidas e ganhou moral para o duelo de quarta-feira contra o Flamengo pela Sul-Americana.

 

Aquecimento para a Sul-Americana

E o Flamengo também vai com a moral alta para o duelo decisivo no meio de semana depois de um convincente 2 a 0 pra cima do Sport do “profexô” Luxemburgo. Decidido a dar ritmo de jogo para Alex Muralha que, em função da fratura no punho de Thiago, será o titular do gol do Urubu na próxima quarta-feira (e muito provavelmente na final da Copa do Brasil), o técnico Reinaldo Rueda mandou o badalado Diego Alves para o banco. A torcida, que entendeu a decisão do treinador, deu todo apoio ao contestado arqueiro que não decepcionou e ajudou a garantir os 2 a 0 e mais 3 pontos na conta – resultado que deixa o Flamengo na 4ª colocação, esperando pelo resultado do jogo de hoje, segunda-feira, entre Palmeiras e Coritiba. Com gols de Guerrero – que voltou a marcar após 6 rodadas – e Éverton Ribeiro, os donos da casa dominaram a partida na maior parte do tempo, ainda mais depois que Patrick – um dos jogadores mais perigosos do Sport – foi expulso após de cometer falta em Márcio Araújo (olha ele aí, sendo destaque de novo), receber o amarelo, reclamar enfaticamente com o árbitro até levar o merecido vermelho. Neste momento, o Sport derreteu, o Flamengo sobrou e o jogo se definiu.

 

Vitória em boa hora

Quem também quase derreteu foi o São Paulo que encarou o Vitória no Barradão no confronto direto pela fuga do Z-4 e, depois de um primeiro tempo mais feio que filme da Sessão da Tarde, voltou mais disposto no segundo tempo e abriu uma vantagem de 2 a 0. Isso se deve também à boa atuação de Cueva, que entrou no segundo tempo e deu ao meio campo são paulino a dinâmica que faltou no primeiro tempo. Claro que, como não poderia deixar de ser, no final do jogo, a defesa do Morumbi lembrou a sua torcida o porquê de o time estar onde está na tabela e, numa esperada falha, deu o gol que recolocou o Vitória no jogo e quase complicou uma partida até então ganha. Tivesse mais tempo, certamente que o Vitória teria conseguido o empate. Como não teve, melhor para o São Paulo que segue no Z-4, mas pelo menos subiu algumas posições – agora é o 17º colocado –, e ganha alguma moral para encarar o Corinthians na próxima rodada.

 

Raposa preguiçosa

Com uma semana de espaço para a final da Copa do Brasil, o Cruzeiro não se poupou e depois de um primeiro tempo preguiçoso, venceu o Bahia por 1 a 0 no Mineirão – resultado que coloca a Raposa de volta no G-6 e na Libertadores de 2018 e deixa o Bahia grudado no Z-4 e dependendo de uma derrota do Coritiba para não entrar de vez no rebaixamento (caso a equipe de Marcelo Oliveira pontue hoje, dia 18, o Bahia vai para a fila do visto para a Série B). Um domingo bom para os mineiros e péssimo para os baianos.

 

Fechando a rodada

Encerrando a rodada do final de semana, a Ponte Preta pegou gosto pela derrota e caiu por 3 a 1 em casa diante do Atlético-GO – o pior time do Campeonato Brasileiro que, inclusive, com este resultado passou a sonhar com a disputa pelo 19º lugar na tabela. Um resultado que – como não poderia deixar de ser no Brasil – custou o emprego de Gilson Kleina e deixou a Macaca ali, na 15ª posição apenas um pontinho à frente do São Paulo – o primeiro time do Z-4.

E na Arena da Baixada, o Fluminense saiu da frente do Atlético-PR com gol do artilheiro Henrique Dourado (14 gols no campeonato), mas, jogando mal e sendo dominado por quase todo o jogo, não aguentou a pressão do Furacão no segundo tempo e tomou a virada por 3 a 1, resultado que põe fim à série de 3 jogos sem vitória do Atlético-PR e empurra o Fluminense para a 11ª posição do campeonato.

Palmeiras e Coritiba encerram a 24ª rodada do Campeonato Brasileiro, hoje, a partir das 20 horas no Pacaembu.

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar