Fórmula 1

Carros novos, favorito antigo: alguém vencerá Lewis Hamilton na Fórmula 1 em 2017?

Foto: Lars Baron/Getty Images

O mundo da Fórmula 1 virou de ponta-cabeça com tantas mudanças nos últimos meses. Além da importante troca no comando da entidade após décadas sob a supervisão de Bernie Ecclestone, os carros da categoria também sofreram diversas alterações na parte aerodinâmica e ficaram mais largos e agressivos. Tudo é muito novo e o cenário ainda é bastante imprevisível, mas uma coisa continua a mesma: Lewis Hamilton é o piloto a ser batido.

Vice-campeão em 2016, o britânico lidera com folga nas casas de aposta após seu maior rival, Nico Rosberg, surpreender a todos com uma aposentadoria totalmente inesperada. Será que alguém conseguirá fazer frente ao ‘Inglês Voador’ na temporada que se inicia dia 26 de março?

Difícil. Trata-se de um dos melhores pilotos, se não o melhor, da última década e com um carro que vem nadando de braçada nos últimos três anos. Aos 32 anos, Hamilton já se consolidou como um dos melhores de todos os tempos: venceu três campeonatos mundiais da categoria (2008, 2014 e 2015), é o segundo com mais vitórias na carreira (53) e o único a ter vencido pelo menos uma corrida em todas temporadas que disputou (de 2007 a 2016).

O britânico é um monstro, mas claro que ter em mãos apenas carros de ponta na carreira ajudou demais nesse domínio citado acima. A Mercedes foi, disparado, a melhor escuderia dos últimos anos: a equipe faturou o título mundial de pilotos e de construtores nas últimas três temporadas – dois com Hamilton e um com Rosberg. Como o carro era disparado o melhor, principalmente em 2016, o campeonato do ano passado passou a ser basicamente uma disputa individual entre os dois pilotos.

Certamente o alemão faria frente a Hamilton em 2017, mas a surpreendente aposentadoria de Rosberg, após levantar o caneco na temporada passada, pegou todo o mundo da Fórmula 1 de surpresa e trouxe um grande ponto de interrogação: quem será o próximo grande rival do britânico na próxima temporada? O principal candidato é Valtteri Bottas – que pilotará a poderosa Mercedes no lugar do campeão aposentado. Bem cotado, o finlandês ostenta no currículo o fato de nunca ter sido superado por um companheiro de equipe nos quatro anos em que defendeu a Williams.

Embora alguns especialistas acreditem no sucesso do finlandês, boa parte do público em geral não leva muita fé no piloto de 27 anos. Uma casa inglesa inclusive criou uma aposta especial se Bottas terá ou não seu contrato rescindido pela Mercedes antes do final da temporada.

 

Pilotos da Red Bull desafiam hegemonia do britânico

Segunda força em 2016, a Red Bull chega forte para a próxima temporada e promete tentar recuperar a hegemonia de alguns anos atrás. A escuderia deitou e rolou de 2010 a 2013: venceu todos os quatro campeonatos de construtores e o de pilotos com o alemão Sebastian Vettel.

A grande aposta da Red Bull é o garoto Max Verstappen – considerado um novo fenômeno na categoria. O jovem holandês chocou o mundo da F-1 após vencer logo em sua estreia pela Red Bull: ele aproveitou a batida entre Hamilton e Rosberg e faturou o GP da Espanha em maio do ano passado. Considerado uma das maiores promessas da última década, Verstappen já chegou quebrando recordes: piloto mais jovem da história a participar de uma corrida, a liderar uma volta, a fazer a volta mais rápida, a anotar os primeiros pontos, a subir no pódio e a vencer um GP. Ufa!

A expectativa no holandês é tão grande que as casas de apostas trabalham com quantos títulos ele vencerá na carreira. Apesar da pouca idade, ele é cotado como favorito na frente do companheiro de equipe Daniel Ricciardo que, em teoria, é o piloto número um da Red Bull. Ele não mostrou ser absolutamente brilhante, mas é bem regular: ficou em terceiro em duas das últimas três temporadas – obviamente atrás das duas Mercedes.

Correndo por fora estão os dois pilotos da Ferrari – equipe que nunca deve ser descartada. Apesar da fase mediana dos últimos anos, os dois pilotos sabem o que é vencer o campeonato: Sebastian Vettel é tetracampeão da categoria, todos com a Red Bull, e Kimi Haikkonen já levantou o caneco pela própria escuderia italiana em 2007.

 

Será o ano do renascimento de Felipe Massa?

Um dos motivos para a equipe Williams retirar o brasileiro Felipe Massa da curta aposentadoria foi a mudança aerodinâmica que acontecerá nos carros para 2017. A nova versão das máquinas terá um aerofólio menor, ‘colando’ mais o carro no chão, e ainda trará pneus mais largos e resistentes – a expectativa é que os novos modelos sejam cerca de 5 segundos mais rápidos por volta. E o que isso tem a ver com o brasileiro?

Massa sempre foi conhecido pelo seu estilo agressivo de pilotagem – que quase o tornou campeão em 2008. Na época, com pneus mais largos e resistentes, Felipe freava mais tarde e sobrecarregava os pneus dianteiros, mas compensava com uma entrada mais veloz nas curvas. A mudança dos pneus em 2010, mais curtos e frágeis, prejudicou demais o estilo de Massa – que muitas vezes precisava fazer outro pit-stop por desgastar os pneus rápido demais.

A volta dos pneus resistentes pode muito bem marcar o renascimento de Felipe Massa no mundo da Fórmula 1 – o piloto é considerado um dos grandes azarões para 2017. Claro que prever briga por vitórias é ainda meio prematuro, mas certamente o brasileiro tem tudo para cravar seu melhor desempenho dos últimos sete anos.

 

Veja os principais candidatos ao título da Fórmula 1 em 2017:

  • 1º – Lewis Hamilton – Mercedes (odds: 2.10)
  • 2º – Max Verstappen – Red Bull (4.00)
  • 3º – Valtteri Bottas – Mercedes (5.00)
  • 4º – Daniel Ricciardo – Red Bull (6.00)
  • 5º – Sebastian Vettel – Ferrari (17.00)
  • 6º – Kimi Haikkonen – Ferrari (34.00)
  • 7º – Fernando Alonso – McLaren (51.00)
  • 8º – Stoffel Vandoorne – McLaren (101.00)
  • 9º – Felipe Massa – Williams (201.00)
  • 10º – Carlos Sainz – Toro Rosso (205.00)

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar