Ganhador.com

Futebol: Podcast

A 11ª rodada do Brasileirão teve nova vitória do Palmeiras, virada no clássico mineiro, 0 a 0 no Ba-Vi e o São Paulo chegando ao Z-4

A 11ª rodada do Campeonato Brasileiro manteve a boa fase de alguns times, aumentou o calvário de outros e deixou algumas torcidas frustradas ou irritadas. Teve time grande descendo pro Z-4 e azarão aprontando pra cima de favorito.

 

Palmeiras 1 x 0 Grêmio

Abrindo a rodada no sábado, o Grêmio – que além de levar um time reserva para o Allianz Parque, fez um gol contra que definiu o placar – viu o Palmeiras comemorar muito a vitória por 1 a 0 (eu disse que o gol contra definiu, não disse?). O Verdão agora soma 12 pontos conquistados em 15 possíveis nos últimos 5 jogos, com a boa marca de 4 vitórias em seguida. Nada mal para um time que começou o Brasileirão como favorito, tropeçou mais que bêbado em rua de paralelepípedos e agora parece ter encontrado seu rumo. Com o resultado, o Palmeiras crava raízes no G-4 e segue 10 pontos atrás do líder, Corinthians, que comemorou muito o resultado e com a vitória pra cima do Botafogo, no domingo, abriu 7 pontos de vantagem para o vice-líder (Grêmio).

 

Corinthians 1 x 0 Botafogo

Mantendo sua “nova cara” em casa, o Corinthians pressionava desde o começo, mas não conseguia passar pelo bom bloqueio defensivo do Botafogo que, poupando titulares para o duelo contra o Nacional do Uruguai em Montevidéu neste meio de semana pelas oitavas de final da Libertadores, apostava nos contra-ataques para surpreender os donos da casa. Gatito Fernandéz, goleiro botafoguense, foi o grande nome do jogo e, defendendo até um pênalti que não existiu, evitou que os visitantes levassem uma goleada. O empate estaria garantido se aos 33 minutos do segundo tempo, em seu primeiro lance, o jovem Pedrinho não tivesse arrumado uma bagunça na defesa do Botafogo e passado pra Jô finalizar. Gatito defendeu e, no rebote, Rodriguinho chutou para nova defesa do goleiro que não conseguiu segurar a segunda finalização de Jô novamente no rebote. Claro que a Fiel já começou a gritar “Pedrinho titular” depois do lance. E no mais, outra vitória com a cara deste Corinthians: um time que não se importa em “sofrer” (e nem em fazer o torcedor sofrer).

 

Atlético-MG 3 x 1 Cruzeiro

Depois de abrir uma vantagem de 3 a 0 pra cima do Palmeiras, pela Copa do Brasil na semana passada e, em menos de 20 minutos tomar o empate e fechar o jogo em 3 a 3, o Cruzeiro parece ter pegado “gosto” por não segurar resultados e, ontem, depois de sair na frente do Atlético-MG, no Horto, tomou a virada por 3 a 1 e agora está apenas 3 pontos à frente do São Paulo – o primeiro do Z-4. Com apenas 4 pontos conquistados nos últimos 15 disputados, é chegada a hora do Cruzeiro ligar as luzes de alerta e começar a reagir. O Galo, que conseguiu 10 pontos em 15 disputados, está invicto há 4 jogos e segue colado no G-6.

 

Flamengo 2 x 0 São Paulo

Sem poder ser classificado de “um grande jogo” – tecnicamente falando –, o elenco melhor qualificado do Flamengo jogou o suficiente para superar o deprimente São Paulo de Rogério Ceni por 2 a 0 (Guerrero e Diego marcaram ainda no primeiro tempo). Sem um pingo de criatividade no meio campo e já promovendo a estréia do recém-chegado Petros, o tricolor foi acuado em seu campo de defesa pelos donos da casa e só conseguia sair do sufoco em chutões pra frente buscando Lucas Pratto – um “oásis de talento” em meio à sonolência criativa do time paulista. Com o resultado, o São Paulo chega à sua 5ª partida sem vitória – foram 2 empates e 3 derrotas –, entra no Z-4 e, por mais que Rogério Ceni insista em colocar a culpa pelos resultados em outros fatores – como, por exemplo, no juiz e na distância da barreira na cobrança de falta de deu origem ao gol de Guerrero –, sua equipe joga futebol equivalente ao Z-4 e, assim como o Inter em 2016, segue fazendo de tudo para curtir uma Série B em 2018.

Já o Flamengo, mesmo sem mostrar um grande futebol, chegou ao 3º lugar na tabela, com 9 pontos atrás do líder, e conquistou alguma paz após a recente invencibilidade de 5 jogos (4 vitórias e 1 empate).

 

Sport 1 x 0 Atlético-PR

A torcida do Sport bem que fez de tudo para que Eduardo Baptista – que teve boa passagem pelo clube – se sentisse bem-vindo. Mas isto não foi o suficiente para impedir que o seu Atlético-PR fosse derrotado pelos donos da casa em um pênalti que não existiu (o segundo da rodada) cobrado por Diego Souza em sua provável despedida do clube (o atleta deve ser anunciado pelo Palmeiras nos próximos dias). O resultado quebra a série invicta do Atlético (4 vitórias seguidas) e marca o segundo triunfo seguido dos donos da casa sob o comando do “pofexô” Luxemburgo – e abrem uma saudável distância de 4 pontos para o Z-4, depois do “clássico das camisas vermelhas” (sim: os dois times foram à campo com uniformes praticamente iguais e… sério, eu não sei o que dizer; apenas chorei de rir quando vi as imagens).

 

Vitória 0 x 0 Bahia

Desde 2014 a Série A do Campeonato Brasileiro não via um Ba-Vi. Estávamos com saudades, mas o 0 a 0 não foi justo. O Vitória manteve sua sina de “o pior mandante” e, com um volume de jogo superior, não conseguiu passar pela defesa do Bahia – e, quando passava, parava na boa atuação do goleiro Jean, muito questionado no início da temporada mas que garantiu o bicho no final de semana. Melhor para os visitantes que, com o empate, saem do Z-4 e cedem seu lugar ao São Paulo. Já o Vitória segue na mesma, em 18º lugar e com grandes chances de jogar a Série B no ano que vem (de novo).

 

Empates, empates, empates…

Fechando os jogos do final de semana, mais três empates:

Coritiba 2 x 2 Vasco

Depois de sair em desvantagem no placar, o Coritiba buscou a virada com 2 gols de Kléber e parecia que voltaria a vencer na competição até que, aos 45 minutos do segundo tempo, tomou o empate do Vasco que conseguiu somar seu primeiro ponto fora de São Januário neste Brasileirão.

Atlético-GO 1 x 1 Santos

Jogando com um time misto, o Santos sofreu para conseguir o empate com o Atlético-GO, que saiu na frente e controlou o jogo até o início do segundo tempo quando o meia Jorginho foi expulso ao levar o segundo cartão amarelo. Com um a mais o Peixe pressionou e conseguiu o empate salvador que impediu a equipe da Vila Belmiro de somar a terceira derrota em seguida (perdeu para o Sport na 10ª rodada e para o Flamengo pela Copa do Brasil na semana passada). Sofrer para empatar com um dos piores times do campeonato não é bom sinal para o Santos, que segue no G-6.

Avaí 0 x 0 Ponte Preta

Graças às boas atuações dos goleiros Aranha e Douglas, o duelo na Ressacada não saiu do 0 a 0 – mas merecia pelo menos um golzinho de cada lado pelos que os times produziram. Melhor para a Ponte, que segue na zona de classificação para a Sul-Americana, enquanto que o Avaí continua na vice-lanterna.

 

Fechando a rodada

O Fluminense recebe a Chapecoense hoje, dia 3, à partir das 20 horas no encerramento da 11ª rodada do Campeonato Brasileiro. Com apenas 3 pontos conquistados nos últimos 15 disputados, a Chape vem para o jogo precisando desesperadamente de um bom resultado. Falta combinar com o Flu que, invicto há 3 jogos, conta com a vitória para colar no G-4.

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar