Ganhador.com

Vôlei

Superliga 2016/2017 começa com rodada cheia de emoções

Foto: Gaspar Nóbrega/Inovafoto/CBV

Apontado por muitos como o mais forte torneio nacional de vôlei em todo o mundo, a Superliga 2016/2017 deu suas primeiras cortadas neste final de semana com a rodada de abertura das edições masculina e feminina.

Começamos com as mulheres: a partida disputada em Santo André (SP) neste domingo entre o Sesi e o Rio do Sul, de Santa Catarina, foi a que gerou os maiores lucros aos apostadores.  O triunfo fora de casa do Rio do Sul pagou R$ 2,27 a cada R$ 1,00 investido. A vitória foi conquistada por 3 sets a 1 e de virada. O Sesi venceu a primeira parcial por 25/16. Mas nos três sets seguintes sequer conseguiu ultrapassar a barreira dos 21 pontos. O destaque da partida foi a central Camila Paracatu, do Rio do Sul, eleita a melhor do confronto. Camila rendeu bem tanto no ataque como na defesa, bloqueando as centrais e ponteiras do Sesi durante todos os quatro sets de jogo.

Outros dois jogos da Superliga Feminina terminaram com vitórias de equipes que não carregavam favoritismo. O primeiro desses confrontos foi a vitória fora de casa do time de Brasília contra o tradicional Pinheiros, da capital paulista. A partida não teve discussões. Terminou 3×0 Brasília, parciais de 26/24, 25/15 e 25/23. O duelo contou com a categoria da levantadora Macris, eleita a melhor do jogo. Atuou com igual capacidade a experiente e ainda muito eficiente ponteira Paula Pequeno, de 34 anos, a cada dia mais confortável em Brasília, equipe que defendeu também nas últimas três temporadas. A vitória do Brasília fora de casa rendeu R$ 2,11 a cada R$ 1,00 apostado. O triunfo do Pinheiros renderia valor levemente abaixo, pagando R$ 1,66 a cada R$ 1,00.

A segunda vitória que devolveu acima dos 200% foi a do Bauru sobre o tradicional Minas. Disputado no Ginásio Panela de Pressão, em Bauru, o jogo terminou 3×1, parciais de 25/23, 25/21, 20/25 e 25/19. O triunfo do Bauru pagou R$ 2,15. A vitória do Minas devolveria R$ 1,65 a cada R$ 1,00. Uma das razões da surpreendente vitória do time do interior paulista foi o desempenho da ponteira Thaisinha, que aos poucos encontra seu lugar também na seleção brasileira. Ela comandou sua equipe atacando com autoridade e recepcionando com competência os saques do time de Minas. Fez tudo tão bem que levou para casa o troféu de melhor jogadora da partida.

 

Entre os homens

Se a rodada de abertura da Superliga Feminina registrou surpresas, a edição masculina foi caracterizada pelo domínio das equipes que já constavam como as favoritas. Foi o que ocorreu, por exemplo, no duelo entre o Brasil Vôlei Clube, de São Paulo, e o time de Juiz de Fora, a UFJF. A vitória dos paulistas por 3×1 rendeu a quem apostou no Brasil Vôlei Clube somente 10% de lucro, pagando R$ 1,10 a cada R$ 1,00. O time de Juiz de Fora devolvia R$ 6,12.

Valor ainda mais baixo, praticamente retornando o investimento, foi o encontrado no duelo entre o Caramuru Vôlei, de Castro (PR), e o atual campeão paulista, o Funvic, da cidade de Taubaté. A vitória do Taubaté foi inapelável: 3 sets a 0, parciais de 25/20, 25/21 e 25/22, em 1h15 de jogo. O time do interior de São Paulo estreou os campeões olímpicos Wallace e Éder, duas das grandes estrelas da competição. O Funvic pagava R$ 1,01 em sua vitória, contra espantosos R$ 13,61 da equipe paranaense.

Outro confronto entre paranaenses e paulistas foi Maringá x Sesi, com fácil vitória do Sesi por 3×0, parciais de 25/18, 25/16 e 25/20. Mesmo jogando fora de casa, o triunfo do Sesi retornou R$ 1,06. O do Maringá pagaria R$ 7,75. O clube da charmosa cidade do Paraná tem como presidente o levantador Ricardinho, que nem com toda sua categoria conseguiu fazer frente ao time de São Paulo que conta agora com o levantador Bruninho e com o central Lucão, ambos da seleção brasileira.

Interessante característica encontrada tanto no feminino quanto no masculino: nenhum dos cinco jogos de cada edição precisou do tie-break. Todas as partidas tiveram vitórias por 3×0 ou 3×1.

 

Confira os resultados da rodada de abertura da Superliga 2016/2017:

Feminino

  • Sesi (1,48) 1×3 Rio do Sul (2,27)
  • Osasco (1,03) 3×1 São Caetano (9,97)
  • Pinheiros (1,66) 0x3 Brasília (2,11)
  • Bauru (2,15) 3×1 Minas (1,65)
  • Valinhos (13,13) 1×3 Praia Clube (1,01)

 

Masculino

  • Caramuru Vôlei (13,61) 0x3 Funvic (1,01)
  • Montes Claros (1,23) 3×1 Canoas (3,82)
  • Vivo Minas (1,27) 3×1 Bento Vôlei (3,42)
  • Maringá (7,75) 0x3 Sesi (1,06)
  • UFJF (6,12) 1×3 Brasil Vôlei Clube (1,10)

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar