Ganhador.com

Notícias

Se impedir tri da Holanda no hóquei feminino, Grã-Bretanha vai gerar 433% de lucro aos apostadores

Não faltou emoção e nem luta na disputa por uma vaga na final do torneio olímpico de hóquei sobre grama feminino da Rio 2016. Na quarta-feira (17), Holanda e Grã-Bretanha garantiram-se na decisão ao vencerem Alemanha e Nova Zelândia, respectivamente, no Centro Olímpico de Hóquei, em Deodoro. O confronto entre as duas seleções é inédito em uma disputa pela medalha de ouro.

No caso das holandesas, esta será a quarta final consecutiva na modalidade em uma Olimpíada, e elas só não subiram no degrau mais alto do pódio em Atenas 2004. A condição de atual bicampeã olímpica faz das meninas de laranja as grandes favoritas contra as britânicas, com cotação de R$ 1,61 por cada real investido, de acordo com o Oddsshark.com/br. Aliás, a cifra é muito similar para quem apostou na Holanda antes do início da competição, que receberá R$ 1,65 sobre R$ 1, caso a previsão se concretize.

Já o time da Grã-Bretanha, caso impeça o tri holandês, vai proporcionar aos apostadores a belíssima margem de lucro de R$ 4,33 por cada aplicação de R$ 1, o que corresponde a uma valorização de 433%. Mas a verdade é que as moças do Reino Unido passaram menos sufoco que as rivais da grande final, marcada para sexta-feira (19), também em Deodoro, para garantir uma vaga na decisão.

A equipe britânica teve uma atuação segura na defesa, quando pressionou as neozelandesas desde o início do duelo. Mas o primeiro gol foi marcado apenas no segundo quarto da partida, com Alex Danson. E elas ampliaram o marcador depois de escaparem do empate duas vezes, em um contra-ataque rápido puxado por Helen Richardson-Walsh, que acabou sendo derrubada dentro da área. A própria jogadora converteu a penalidade. O placar foi definido dois minutos depois em outro pênalti. Mas coube a Danson dar números finais ao confronto.

O panorama da outra semifinal foi totalmente diferente, quando o equilíbrio, até o último instante, foi a tônica do confronto entre Holanda e Alemanha. As atuais bicampeãs olímpicas começaram melhor, com pressão na saída de bola adversária – que forçava os erros da equipe oponente. Só que aquela velha máxima do futebol de que “quem não faz, leva” também se aplica ao hóquei sobre grama, já que as germânicas saíram na frente no primeiro quarto, com o gol de Scutze, que aproveitou rebote da goleira laranja.

Mas o empate veio logo no segundo quarto, quando Maartje Paumen estufou as redes alemãs depois de um escanteio bem batido. As detentoras do ouro na modalidade buscaram a virada até o fim do tempo normal, mas as melhores chances pararam nas ótimas intervenções da arqueira Nike Lorenz.

E quando uma partida termina com placar igual no hóquei sobre grama, o vencedor é conhecido na disputa de shootouts, que é quando a jogadora conduz a bola com o bastão e tenta superar a goleira adversária. As atletas da Holanda perderam a segunda e a terceira tentativa, mas a Alemanha também desperdiçou duas tentativas. Só na sétima série de cobranças que o vencedor foi conhecido, quando acabou prevalecendo a força das atuais bicampeãs olímpicas.

Vale ressaltar que as apostas também estão abertas para a disputa da medalha de bronze, entre Alemanha e Nova Zelândia, que acontecerá na sexta-feira (19), em Deodoro, às 12h (horário de Brasília). As cotações do Oddsshark.com/br apontam para o favoritismo das neozelandesas. Com isso, quem acreditar no bronze da seleção da Oceania receberá R$ 1,90 sobre cada real investido.

Mas para quem acha que o fato de as alemãs quase terem eliminado as grandes candidatas ao ouro faz delas o melhor palpite, há outro bom incentivo que é a bela margem de lucro de R$ 3,50 por cada aplicação de R$ 1. É possível também faturar com o empate no tempo normal, que garante o mesmo valor do triunfo germânico.

Voltando à grande decisão, é importante ressaltar que a Grã-Bretanha era a terceira seleção tida como potencial candidata ao ouro, antes do início da Rio 2016, com cotação que garante, a quem apostou neste palpite, 700% de retorno. Na final, marcada para as 17h (horário de Brasília), quem preferir optar em se dar bem com o placar igual no tempo normal vai quadruplicar os investimentos.

Para alcançar seu melhor resultado na história dos Jogos Olímpicos, a equipe britânica de hóquei sobre grama feminina precisou repetir a vitória que teve sobre a Nova Zelândia na disputa pelo bronze, há quatro anos, em Londres. Agora, a missão é ainda mais difícil, mas tudo pode acontecer em uma final de Olimpíada.

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar