Ganhador.com

UFC

O que esperar do UFC em 2017

Foto: Rey Del Rio/Getty Images

O fã de lutas deve esperar muitas mudanças na maior organização de MMA do mundo em 2017. Desde que foi comprado pelo grupo WME-IMG por US$ 4,1 bilhão (cerca de R$ 13,3 bilhões) o Ultimate já passou por algumas mudanças inesperadas. Aos poucos o evento parece estar ganhando uma nova cara. Isso porque personagens expressivos da companhia, que trabalham no UFC há mais de uma década, foram dispensados pela nova direção. Diretores, matchmakers (responsáveis por casar lutas), até o narrador oficial Mike Goldberg, conhecido no Brasil como o “Galvão Bueno do UFC”, está de saída. Os novos tempos já chegaram.

Seis meses depois da compra pelos novos donos o UFC já tem uma cara diferente. Até lendas do UFC que foram contratadas pela organização para cargos administrativos após a aposentadoria no octógono foram demitidos. A nova direção do Ultimate vai aos poucos assumindo sua posição e acelerando a mudança de postura do evento.

Como toda franquia que investe US$ 4,1 bilhão em um negócio, o grupo certamente quer ver os lucros aparecendo rapidamente. E talvez por isso, especialmente nos primeiros meses, o fator entretenimento estará à frente da esportividade. Teremos que aturar. O que der mais lucro sempre será de preferência dos novos comandantes. Tempo é dinheiro.

Novos moldes de transmissão, novas linguagens, novos modelos de eventos, novos métodos, novas regras, novos astros… São várias as mudanças possíveis no futuro do Ultimate.

Novos dirigentes, novos matchmakers, novas caras e referências. As mudanças já começaram e o ponto de interrogação já paira na cabeça daqueles que respiram o universo do UFC. Qual será o tamanho da mudança? Será uma mudança positiva ou negativa? Pra quem? Õ que o evento ganha e o que ele perde com a nova direção? Todas essas perguntas só serão respondidas com o tempo.

É bom lembrar que apesar da venda, da saída dos irmãos Ferttita (antigos donos) e a demissão de muitos nomes representativos no Ultimate, o presidente, maior referência e porta-voz da organização segue sendo Dana White. O que isso nos diz? O evento pode até mudar. Mas a essência do UFC parece segura com Dana White seguindo como “a cara do UFC”.

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar