Ganhador.com

Notícias

Disputas por posições no basquete feminino garante mais de 28% de lucro por vitória

Nesta terça-feira (09/08), três jogos da terceira rodada do Grupo A devem começar a definir posições na chave. Essas partidas decisivas garantem um bom retorno financeiro aos jogadores. De acordo com estatísticas do Oddsshark.com/br, o menor lucro da rodada garante pelo menos R$ 0,28 em cima de cada real. Já a partida do Brasil garante que o jogador vai faturar praticamente o dobro do investimento, com qualquer vencedor pagando R$ 0,98 para cada R$ 1,00.

No duelo pela liderança, a Austrália enfrenta a França às 12h15. As duas estão com 100% de aproveitamento, com o time australiano liderando no saldo de cestas (23 contra 17). Se vencer e mantiver a ponta, a equipe paga R$ 1,31 por cada real investido. Se o triunfo for francês, o jogador recebe R$ 3,60 de retorno. A partida fica equilibrada se a líder começar com -4 de handicap. Neste modo, o jogador fatura caso as australianas vencerem por mais de quatro pontos. O retorno passaria então de R$ 1,31 para R$ 1,98. Quem acreditar que a França vence ou até perde por no máximo quatro pontos fatura R$ 1,84.  Até aqui, a Austrália derrotou o Brasil por 84 a 66 e a Turquia por 61 a 56, enquanto as francesas derrotaram Turquia por 55 a 39 e a Bielorrússia por 73 a 72.

Este é sem dúvida um dos grandes confrontos da primeira fase do basquete feminino dos Jogos Olímpicos. A Austrália tem mais tradição e esteve presente em todas edições olímpicas, com duas pratas e um bronze, porém a França cresceu de patamar e faturou a prata em Londres.

Quem também joga de olho na ponta da tabela é o Japão. O time está empatado com Austrália e França também com duas vitórias, mas possui um saldo de 20 pontos. Só que as japonesas terão pela frente talvez seu maior desafio até aqui: a Turquia. Se vencer e continuar na briga paga R$ 4,19 por real investido, enquanto o triunfo turco dá R$ 1,28. Já com um handicap de -7,5 para os turcos, as cotações ficam equilibradas, com cada um pagando R$ 1,95. Neste caso, o jogador terá um lucro de 0,67 maior em caso de uma vitória da seleção europeia por oito ou mais pontos de vantagem. Por outro lado, uma derrota de até sete pontos dos japoneses rende 0,95 em cima de cada real.

As turcas chegam com moral após o quarto lugar no último mundial, mas perderam feio nas duas partidas até aqui na competição. Para vencer terão que fazer seu ataque funcionar melhor do que têm feito até o momento, com apenas 95 pontos. Em sua quarta participação olímpica, o Japão busca avançar de fase e fugir da quarta colocação para, quem sabe, alcançar uma semifinal pela primeira vez. As japonesas derrotaram Bielorrússia por 77 a 73 e o Brasil por 82 a 66. As turcas decepcionaram e perderam para a França por 55 a 39 e para a Austrália por 61 a 56.

Na outra partida do grupo, às 15h30, o Brasil faz um jogo decisivo contra a Bielorrússia. A situação brasileira é delicada e as meninas de Barbosa precisam da vitória para disputar a classificação e, principalmente, tentar fugir do terrível quarto lugar, que as coloca contra os Estados unidos nas quartas de final. Os dois times começaram com duas derrotas e terão que vencer para avançar.

O Brasil, longe de ter um grupo forte como a geração prata em 1996 e o bronze em 2000, tenta avançar de fase, algo que não conseguiu nas últimas duas edições. A única forma de conseguir este objetivo será vencendo nesta terça-feira, pois ainda terá pelo caminho a forte França. A Bielorrússia é a mais fraca das seleções europeias classificadas. Qualquer um dos vencedores paga R$ 1,95 para cada R$ 1,00 do investidor. Na campanha até aqui, a Bielorrússia até fez partidas duras, mas acabou perdendo para o Japão por 77 a 73 e para a França por 73 a 72. Já o Brasil perdeu para Austrália por 84 a 66 e para o Japão por 82 a 66.

Os dois resultados até aqui somam a coleção de resultados ruins da seleção brasileira, que enfrenta dificuldades desde as aposentadorias de Janeth e Alessandra. Além dos fracassos em Olimpíadas, ficou em 11º no mundial 2015 e em 9º na edição de 2010. No último pan-americano, a seleção sequer conseguiu medalha. Se dentro de quadra as coisas não estão se acertando, a expectativa fica pelo lado de fora da quadra – com a torcida – que deve empurrar a seleção, como tem feito em outros esportes.

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar