UFC

Após faturar ‘Grand Slam do MMA’, Cris Cyborg quer mais

Cris Cyborg é campeão peso pena do Bellator
Foto: Reprodução/Instagram

Com o nocaute conquistado no quarto round contra Julia Budd, no Bellator 238, Cris Cyborg conquistou o cinturão peso pena da organização e se tornou a única mulher na história a conquistar o “Grand Slam do MMA”. Ela foi campeã do Strikeforce, do Invicta, do UFC e agora do Bellator, reunindo assim títulos nos quatro maiores eventos do MMA feminino. Mas ela quer mais. Quer seguir fazendo mais pelos próximas gerações.

Melhores sites de apostas

Saque em

1-2

Dias

R$200

Bônus

+4

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

100%

ATE

$1,000

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

Transmissão

ao Vivo

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

R$777

Bônus

+8 More

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

R$150

Bônus

+3

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

100%

ATE

$600

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

R$200

Bônus

+2 More

Saque em 1-2 - Dias

Saque em

1-2

Dias

100%

ATE

$1000

Saque em 1-2 - Dias

Saiba como apostar no Bellator

Aos 34 anos, com quase 15 de carreira, a paranaense faturou o cinturão que faltava pra completar seu currículo. E o curioso é que a vitória de Cris contra Budd aconteceu no mesmo ginásio onde ela perdeu o cinturão do UFC contra Amanda Nunes, o que segundo ela tornou o momento ainda mais especial.

A brasileira revelou que quebrou o nariz duas semanas antes da luta contra Julia Budd, e que teve que adaptar seus treinos, mas ainda assim teve uma grande performance. Pra quem não viu a luta ou não conhece Julia Budd, a americana era campeã peso pena do Bellator desde março de 2017 e já tinha defendido o cinturão por três vezes.

Com passagens pelo Strikeforce e pelo Invicta antes de chegar ao Bellator, a lutadora de 36 anos tinha perdido pela última vez no Strikeforce, em 2011, quando foi finalizada por Ronda Rousey em apenas 39 segundos. Antes da derrota pra Cris no Bellator 238, ela tava invicta há 11 lutas, com mais de oito anos de invencibilidade.

Em outras palavras, ela era uma das lutas mais competitivas disponíveis pra Cyborg fora do UFC. E ela até que teve uma apresentação decente. Aguentou muita porrada, teve seus bons momentos, mas assim como a maioria esbarrou no volume e na agressividade controlada de Cris.

A luta foi bem movimentada, passou longe de um monólogo – roteiro comum nas vitórias de Cris – e parte disso se deve a nova mentalidade da brasileira. Depois da luta, em conversa com a imprensa, a brasileira admitiu que tentou ser mais fria e estratégica, ela quer usar mais a experiência pra prolongar suas lutas.

Pra quem gosta de pensar que há males que vêm para o bem, talvez a derrota contra Amanda tenha rendido essa lição. Quando Cyborg sentiu a mão da baiana, ao invés de respirar e se recuperar, ela foi pra cima pra revidar com tudo e acabou nocauteada. Scott Coker, presidente do Bellator, lembrou exatamente esse caso pra analisar a frieza de Cyborg contra Budd, dizendo que ela errou pouco dessa vez e está mais madura.

Das 22 vitórias de Cyborg na carreira, 18 foram por nocaute. O novo título representa uma Nova Era na carreira da brasileira. Só que mais do que a conquista de um novo cinturão, Cyborg tava pra lá de feliz com a nova firma.

Cris Cyborg passa longe de pensar em aposentadoria, e assim como tentou fazer no UFC, ela quer no Bellator promover a categoria pensando no futuro de outras lutadoras. Prova disso é que ela quer que Scott Coker promova um Grand Prix na categoria peso pena com lutadoras que possam disputar o cinturão contra ela. A brasileira também abriu as portas pra um possível duelo contra a ex-UFC Cat Zingano, que já chegou a disputar o cinturão do UFC contra Ronda Rousey.

É preciso exaltar as motivações da Cyborg. Ser a única na história a faturar o Grand Slam do MMA é um feito gigante por si só, só que mais do que isso, algo que a brasileira sempre fez em todas as organizações foi abrir as portas para outras atletas. Ela sempre exalta o MMA feminino como um todo, não traz os holofotes só pra si. E essa postura de sempre trabalhar pra ser referência de futuras atletas é que torna Cyborg uma lenda viva do esporte.

“Nunca imaginei que pudesse alcançar isso. Quando comecei a lutar, tinha um sonho de fazer o meu melhor. Uma coisa que tenho no meu coração é que quero provar que meninas podem lutar como meninos. Podemos ser violentas, ser técnicas e podemos fazer as pessoas assistirem nossas lutas. Me sinto abençoada de conquistar esses quatro cinturões, mas no fim das contas isso é apenas uma peça. O que tem valor pra mim é poder motivar pessoas ao redor do mundo a alcançarem seus sonhos”, declarou Cyborg.

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar