Ganhador.com

Brasileirão Série A

Os vacilos da arbitragem em Vitória x Flamengo e a goleada do Atlético-PR em cima da Chape são destaques na 1ª rodada do Brasileirão

Erros da arbitragem atrapalham o Flamengo na estreia.

Foto: Staff Images/Flamengo/Divulgação

O Campeonato Brasileiro da Série A começou com a arbitragem errando muito no duelo entre Vitória e Flamengo e com o Atlético-PR atropelando a Chapecoense na Arena da Baixada; Grêmio, Corinthians, Internacional, América-MG, Santos e Vasco também venceram em suas estreias. A rodada termina hoje com mais dois jogos.

Depois da bagunça do pênalti que foi sem nunca ter sido na final do Campeonato Paulista – e que pode impugnar a partida, anulando assim o título do Corinthians –, a arbitragem continua sendo o destaque negativo no futebol brasileiro. Desta vez o público que compareceu ao Barradão para assistir às estreias de Vitória e Flamengo pôde acompanhar a tragédia promovida pelo trio de arbitragem formado por Wagner Reway e os auxiliares Fábio Rodrigo Rubinho e Marcelo Grando – que já foram afastados pela comissão de arbitragem da CBF pelas próximas 3 rodadas da Série A enquanto passam por uma reciclagem. O trio, agora, receberá os lances do jogo em vídeo e produzirão relatórios com avaliações. Caso se mostrem aptos, voltam a atuar no Brasileirão. Até lá, entretanto, apitam apenas os jogos da Série B.

 

Vitória 2 x 2 Flamengo

Gols: Yago e Denilson (Vitória); Lucas Paquetá e Réver (Flamengo)

A confusa arbitragem do jogo no último sábado entre os Rubro-negros Vitória e Flamengo ajudou a manter a escrita em cima do Urubu: desde o início da Era do Campeonato Brasileiro por pontos corridos o Mengão nunca estreou com vitória fora de casa. O jogo marcava também a estreia do “interino-que-vai-ficando” Maurício Barbieri no comando do time da Gávea após os “nãos” de Renato Gaúcho e Abel Braga.

E poderia ter sido uma estreia muito melhor: aos 16 segundos, Vinícius Júnior passou para Lucas Paquetá que deslocou o goleiro Caíque e abriu o marcador. Mas aí o “fator árbitro” entrou em campo e aos 9 minutos do primeiro tempo Rhayner finalizou, a bola bateu no rosto de Éverton Ribeiro, que evitou, em cima da linha, o gol de empate do Vitória. Mas, para o juiz Wagner Reway “mão” e “rosto” são a mesma coisa: pênalti (convertido por Yago) e expulsão do meia-atacante do Urubu que jogou com um a menos até o final da partida.

No segundo tempo, mais lambança: aos 26 minutos, William Arão – absurdamente impedido – tocou mal de cabeça, a bola sobrou para Geuvânio que passou para Réver mandar para o fundo do gol e recolocar o Flamengo na frente. Mas quis o destino que o jogo terminasse igual e aos 30 minutos Denílson subiu sozinho entre os zagueiros da Gávea para testar para o fundo do gol de Diego Alves.

No final das contas, um placar até que justo – a arbitragem “deu” um gol errado para cada lado; mas o Flamengo foi mais prejudicado por atuar (injustamente) com um jogador a menos por mais de 80 minutos. Ruim também para Vagner Mancini, técnico do Vitória que foi incapaz de triunfar tendo um jogador à mais durante praticamente toda a partida.

 

Atlético-PR 5 x 1 Chapecoense

Gols: Thiago Carleto, Pablo, Nikão, Éderson e Matheus Rosseto (Atlético-PR); Wellington Paulista (Chapecoense)

O Atlético-PR do “professor” Fernando Diniz, que controla a bola e não dá chutão, foi superior à Chapecoense durante todo o jogo deste domingo na Arena da Baixada e aplicou a primeira goleada da Série A do Brasileirão 2018. Sobrando no primeiro tempo, o Furacão parou na boa atuação (inicial) do goleiro Jandrei que salvou a Chape em chutes de Carleto e Nikão. No final dos primeiros 45 minutos Matheus Rosseto e Wellington Paulista tentaram abrir o placar mas ficaram na marcação.

O segundo tempo continuou bom, com os donos da casa dominando o jogo. A Chapecoense, entretanto, com uma postura menos defensiva, abriu o placar com um gol de cabeça de Wellington Paulista. Um gol que fez muito bem… aos donos da casa. Pablo, também de cabeça, empatou poucos minutos depois. Nikão, de fora da área, virou. Carleto aproveitando cobrança de falta colocou 2 de vantagem em cima do Verdão e acabou com qualquer chance de reação da equipe comandada por Gilson Kleina. E ainda houve tempo para Matheus Rosseto e Éderson deixarem os seus e fecharem a goleada – que coloca o Furacão (pelo saldo de gols) na liderança provisória do Brasileirão (dois jogos serão realizados nesta segunda-feira). Nada mal, nada mal mesmo neste bom início de trabalho de Fernando Diniz à frente do time paranaense.

 

Vitórias esperadas

Cruzeiro 0 x 1 Grêmio

O Brasileirão já em sua primeira rodada colocou frente a frente dois times que são apontados como favoritos à conquista do título. Atuais campeões, respectivamente, da Copa do Brasil e da Libertadores – além de estaduais nesta temporada – Cruzeiro e Grêmio apresentaram suas armas no Mineirão no último sábado e a sorte sorriu para o Tricolor que dentro de suas características soube controlar as ações do jogo, aguentar a pressão da Raposa – principalmente após os 27 minutos do segundo tempo quando o zagueiro Kannemann foi expulso – e com um gol do estreante André (contratado junto ao Sport) aos 9 do segundo tempo, voltou para Porto Alegre com os 3 pontos na bagagem. O Cruzeiro bem que tentou buscar o empate ou até mesmo a virada, mas mesmo com um jogador a menos, a bem plantada defesa do Grêmio não se abalou e soube garantir o resultado.

Corinthians 2 x 1 Fluminense

Da mesma forma que acontecera no Campeonato Paulista, quando obteve seu gol “salvador” contra o São Paulo no final do segundo tempo, o Corinthians mostrou mais uma vez que, definitivamente, não é um dos times mais talentosos do Brasileirão, mas, com certeza, é o mais focado. São praticamente 90 minutos jogando sempre dentro do mesmo padrão de concentração, sem se “alterar” com o placar. Foram poucos os momentos nesta temporada em que o Timão perdeu o foco e o rumo dentro de campo. Ontem não foi diferente. Encarando um Fluminense recheado de jovens talentos, que se defendia com competência e ameaçava nos contra-ataques, o Corinthians – com mais posse de bola – depois de passar quase que todo o primeiro tempo arriscando chutes de fora da área e vendo Clayson desperdiçar jogadas atrás de jogadas, assistiu o limitado – mas esforçado – Romero fazer o cruzamento que encontrou Rodriguinho no meio da área adversária livre para colocar os donos da casa à frente no placar no final do primeiro tempo. Mas a vantagem durou pouco: aos 3 minutos da segunda etapa, a jogada que nasceu em uma cobrança de lateral encontrou Richard na pequena área em condições de fuzilar à queima-roupa, sem chances para Cássio. E foi apenas aos 41 do segundo tempo que o Timão viu Maycon passar para Sheik (ambos entraram no segundo tempo) que cruzou para Rodriguinho, novamente no meio da área, chutar sem chances de defesa para Júlio César e dar números finais ao jogo. Um prêmio ao desempenho do time que só para de acreditar quando o juiz apita o final do jogo.

Vasco 2 x 1 Atlético-MG

O Vasco do técnico Zé Ricardo, outro time limitado e que só desiste quando o juiz apita o fim de jogo, também foi recompensado ontem, em São Januário no duelo contra o Atlético-MG do estreante (e “interino-que-vai-ficando”) Thiago Larghi que saiu na frente ainda no primeiro tempo com gol de Otero. A desvantagem no placar “mexeu com a cabeça” do Cruzmaltino e as mexidas de Zé Ricardo no segundo tempo recolocaram a equipe no rumo. Com a entrada de Rildo no lugar de Rafael Galhardo, Yago Pikachu voltou para a lateral e Wagner assumiu a ponta direita do ataque vascaíno. O time ficou mais insinuante na frente – mais ainda com as entradas de Thiago Galhardo e Rios nos lugares de Wellington e Riascos. O Galo aguentou as pressão o quanto pôde, mas Wagner aproveitou rebote na entrada da área – fruto de um cruzamento originado na pressão dos donos da casa – para deixar tudo igual. Depois, Yago Pikachu converteu o pênalti sofrido por Rildo para dar ao Vasco sua primeira vitória nesta edição do Brasileirão. O Galo, valente, caiu de pé, mas esta derrota somada ao fiasco no Campeonato Mineiro pode dar início a um injusto processo de fritura de Thiago Larghi.

Santos 2 x 0 Ceará

Em seu retorno à Série A, o Ceará, Campeão Cearense, sucumbiu ao bom toque de bola do Santos – que não vencia na estreia do Brasileirão desde 2005 – e caiu por 2 a 0 sábado no Pacaembu. Pio marcou contra o Vozão aos 41 do primeiro tempo em jogada nascida da pressão do Peixe. Disposto a virar o jogo, o Ceará voltou mais ofensivo para o segundo tempo, mas o gol de Rodrygo (mais um talentoso Menino da Vila) aos 4 minutos acabou com as ambições cearenses.

América-MG 3 x 0 Sport

Outro time que voltou à Série A, o América-MG se aproveitou de 3 falhas cruciais da defesa do Sport – que flertou com o rebaixamento em 2017 – para definir ainda no primeiro tempo sua sonora vitória por 3 a 0 (2 gols de Serginho e 1 de Carlinhos) no estádio do Horto. Em sua primeira partida na Primeira Divisão, o goleiro Jory foi um dos destaques do Coelho e fundamental na manutenção do elástico placar. Já o Sport precisa focar muito nos treinamentos para que erros absurdos como os deste final de semana não terminem em rebaixamento ao final do campeonato.

Internacional 2 x 0 Bahia

Em seu reencontro com o Internacional após a campanha na Série B em 2017, o técnico Guto Ferreira, de volta ao Bahia, acabou vítima da boa atuação do uruguaio Nico López – que chegou cheio de expectativas ao Beira-Rio, mas nunca as realizou. Substituindo Rossi que se machucou aos 10 do primeiro tempo, López foi o nome do jogo marcando os dois gols – que tiveram a participação de D’Alessandro, Patrick e Edenílson na construção da jogada. Um bom começo de Brasileiro para o atacante – que pode, finalmente, mostrar a que veio – e para o Inter que decepcionou no Campeonato Gaúcho e ainda sofre com a desconfiança da torcida. Já para o Bahia, o jogo mostrou que Guto Ferreira tem muito trabalho pela frente se quiser seguir na Série A em 2019.

 

Jogos, palpites e resultados para a 1ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série A

A primeira rodada do Brasileirão termina hoje, segunda-feira, dia 16, com os duelos entre Botafogo x Palmeiras e São Paulo x Paraná – ambos às 20 horas.

Sábado – 14 de abril de 2018

  • 16:00 – Cruzeiro 0 x 1 Grêmio – Mineirão – palpite: Grêmio
  • 19:00 – Vitória 2 x 2 Flamengo – Barradão – palpite: empate
  • 21:00 – Santos 2 x 0 Ceará – Pacaembu – palpite: Santos

Domingo – 15 de abril de 2018

  • 11:00 – América-MG 3 x 0 Sport – Independência – palpite: Sport
  • 16:00 – Vasco 2 x 1 Atlético-MG – São Januário – palpite: empate
  • 16:00 – Corinthians 2 x 1 Fluminense – Arena Corinthians – palpite: Corinthians
  • 16:00 – Internacional 2 x 0 Bahia – Beira-Rio – palpite: Internacional
  • 19:00 – Atlético-PR 5 x 1 Chapecoense – Arena da Baixada – palpite: Atlético-PR

Segunda-feira – 16 de abril de 2018

  • 20:00 – Botafogo x Palmeiras – Engenhão – palpite: Palmeiras
  • 20:00 – São Paulo x Paraná – Morumbi – palpite: empate

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar