Ganhador.com

Copa do Mundo Rússia 2018

Análise: planejamento no longo prazo começa a render frutos para a Inglaterra, que segue os passos da Alemanha para voltar a ser campeã

Seleção Inglesa
Foto: Elsa - FIFA/FIFA via Getty Images

Renovada pelo técnico Gareth Southgate, seleção inglesa venceu a má vontade da torcida com a melhor campanha desde 1990

Poucos apostavam na Inglaterra antes do início da Copa do Mundo, mas com suas boas atuações nos gramados russos, o time comandado por Gareth Southgate conquistou seus céticos e exigentes torcedores, e está a apenas dois jogos do bicampeonato mundial. O primeiro deles será nesta quarta-feira (11), às 15 horas (horário de Brasília), diante da Croácia, no Estádio Lujniki, em Moscou, e vale vaga na grande final contra França ou Bélgica.

 

Campanha consistente leva ingleses à semifinal

O sorteio colocou os ingleses no grupo G, considerado um dos mais fáceis da primeira fase, com Tunísia, Panamá e a cabeça-de-chave, Bélgica.

A estreia foi tensa, mas com dois gols de Harry Kane, um deles aos 46 minutos do segundo tempo, o time foi buscar uma vitória suada sobre a Tunísia por 2×1.

O atacante do Tottenham voltou a brilhar na segunda rodada, e foi responsável por um hat-trick na goleada por 6×1 sobre o Panamá, a maior da Copa até aqui.

Já classificado, o time não parecia muito disposto a vencer a Bélgica e cair na chave de Brasil, França e Argentina nas fases eliminatórias. Escalada apenas com reservas, a equipe foi derrotada por 1×0 e terminou na segunda colocação do grupo.

Nas oitavas de final, o English Team pegou a Colômbia, e quase deixou escapar uma classificação que parecia certa. Depois de sair na frente com Harry Kane ainda na etapa inicial, cedeu o empate no último lance do tempo regulamentar, e precisou quebrar um tabu histórico para avançar nos pênaltis.

Contra a Suécia, nas quartas, os súditos da rainha fizeram a sua melhor partida na Copa, venceram por 2×0 sem grandes sustos, e ganharam moral para sua primeira semifinal nos últimos 28 anos, diante dos croatas.

 

Investimento na base começa a dar resultado

Em 2014, a Football Association colocou em prática um projeto denominado Elite Player Performance Plan, que se baseava na bem-sucedida experiência alemã, e tinha como objetivo encontrar bons jogadores nas categorias de base. Seis anos mais tarde, o país conquistaria os títulos mundiais sub-17 e sub-20, além do Torneio de Toulon.

Boa parte do grupo que realiza a melhor campanha da Inglaterra nas últimas sete Copas já vem sendo monitorado desde os seus primeiros passos no futebol. Jogadores como Trippier, Dele Alli e Harry Kane, do Tottenham, Loftus-Cheek, do Crystal Palace, e Marcus Rashford, do Manchester United, além do próprio técnico Gareth Southgate, que durante três anos comandou a equipe sub-21, contam com um longo histórico de serviços prestados nas categorias preparatórias.

“O motivo pelo qual eu recebi esse trabalho foi por saber o que está acontecendo. Olhamos com atenção o que a Alemanha fez durante um bom tempo e queremos estabelecer um caminho para nossos jogadores. Se fizermos isso, o tipo de jogador técnico que está vindo do nosso sistema e o perfil atlético que temos podem se tornar realmente empolgantes.”, declarou o treinador ao assumir o cargo, em setembro de 2016.

A Inglaterra é a única seleção que disputa a Copa do Mundo apenas com jogadores que atuam no próprio país.

Como joga a Inglaterra

Durante a maior parte da Copa, Southgate adotou um esquema 3-5-2, buscando explorar a velocidade de Trippier e Young nas jogadas pelos flancos, além de Henderson como o homem de transição entre a defesa e o ataque, e Kane no papel de referência ofensiva. Esta configuração foi um pouco modificada na partida contra a Suécia, em que o atacante do Tottenham jogou um pouco mais recuado para servir Sterling e Lingard, e na prática o sistema se transformou em um 4-3-3. Os resultados foram bastante satisfatórios.

O ponto forte da equipe, no entanto, é sem sombra de dúvida a bola parada. Foi desta forma que os ingleses marcaram oito de seus 11 gols na Copa do Mundo.

Kane lidera a artilharia, Pickford sonha com a Luva de Ouro

Mesmo passando em branco na partida contra a Suécia, Harry Kane segue na liderança da artilharia da Copa, com seis gols, dois a mais que o belga Romelu Lukaku, seu principal concorrente. Além da Chuteira de Ouro, o capitão já mira também a Bola de Ouro, prêmio conferido ao melhor jogador da Copa. Caso consiga levar a Inglaterra ao título após 52 anos, suas chances serão grandes.

De quase desconhecido antes da Copa, o jovem Jordan Pickford, do Everton, pode se transformar no dono da Luva de Ouro graças ao seu excelente desempenho na Rússia. No momento, o inglês se encontra em pé de igualdade com Lloris, Courtois e Subasic, os outros três candidatos à honraria.

Semifinais da Copa do Mundo 2018

Terça-feira, 10 de julho

  • 15:00 – França 1×0 Bélgica

Quarta-feira, 11 de julho

  • 15:00 – Croácia 2×1 Inglaterra

 

ATUALIZAÇÃO ANTERIOR: 07/07/2018

Inglaterra faz sua melhor partida na Copa, elimina a Suécia e volta à semifinal após 28 anos

Harry Kane não marcou desta vez, mas Maguire e Dele Alli garantiram a vitória

Os inventores do futebol seguem vivos em sua busca pelo segundo título mundial. Neste sábado (07), a Inglaterra passou sem grandes dificuldades pela Suécia na Cosmos Arena, em Samara, e está entre as quatro melhores seleções da Copa do Mundo da Rússia. Na próxima quarta-feira, o English Team volta a entrar em campo para encarar a perigosa equipe da Croácia, desta vez valendo vaga na grande final.

Confira como foi o duelo das oitavas e saiba quais são as perspectivas da Inglaterra para seu retorno às semifinais após 28 anos.

 

Grande atuação torna a vitória tranquila

Com a sua melhor atuação na Copa do Mundo da Rússia, a seleção inglesa não deu qualquer chance à Suécia na Cosmos Arena. Desde o início da partida, os comandados de Gareth Southgate encurralaram os nórdicos em seu campo de defesa, e levaram apenas um susto, em um chute de longa distância de Claesson que passou por cima da meta defendida por Pickford.

Os britânicos deram seu cartão de visitas aos 18 minutos, quando Sterling puxou contra-ataque pela esquerda, deixou o marcador na saudade e rolou para Harry Kane. O favorito à conquista da Chuteira de Ouro emendou de primeira e acertou a trave. Este foi o primeiro chute do atacante nesta Copa do Mundo que não terminou em gol.

A bola, no entanto, entraria alguns minutos depois. Com 54% de posse de bola, a Inglaterra tinha o domínio territorial da partida, e tentava chegar ao gol através de bolas alçadas a área. Aos 29 minutos, o jogo aéreo deu frutos quando o zagueiro Maguire subiu mais que Forsberg e cabeceou firme para abrir o placar após escanteio cobrado por Young.

Os suecos se desconcentraram após o gol, e a Inglaterra perdeu a oportunidade de resolver o jogo. O atacante Sterling ficou duas vezes cara a cara com Olsen. Na primeira, mandou para as redes, mas estava impedido. Na segunda, abusou da individualidade, e mesmo com dois companheiros em boa colocação, tentou driblar o goleiro e acabou desarmado.

Atrás no placar, a Suécia voltou do intervalo disposta a colocar tudo em pratos limpos, e teve a sua melhor chance logo no primeiro minuto do segundo tempo. Claesson iniciou a jogada, e depois de passar por Young abriu para Toivonen, que encontrou Berg na área com um cruzamento rasteiro. O centroavante ajeitou para o próprio Claesson, que arrematou da marca do pênalti para uma fantástica defesa de Pickford.

Diz o ditado que quem não faz, leva. E o segundo gol da Inglaterra saiu aos 12 minutos, novamente através de uma jogada aérea. Lingaard cruzou do bico da grande área para o meia Dele Alli, que, livre de marcação no segundo pau, testou firme para ampliar.

O técnico Janne Andersson mandou seu time para a frente, mas a pressão não foi suficiente para ameaçar os ingleses, que inclusive estiveram mais perto do terceiro com os contra-ataques do trio Sterling, Lindgard e Kane.

A Suécia fez uma grande Copa do Mundo, mas acabou sucumbindo diante do renovado English Team, que pela terceira vez em sua história está nas semifinais.

 

Kane passa em branco pela primeira vez na Copa

Diferentemente das outras três vezes em que esteve em campo na Rússia, o artilheiro da Copa, Harry Kane, não balançou as redes nas quartas de final contra a Suécia. Isto não significa, porém, que sua atuação tenha sido apagada. Escalado um pouco mais recuado, o atacante do Tottenham exerceu um papel muito importante na distribuição de jogo para Sterling e Lingard, e foi uma boa alternativa para os contra-ataques nos momentos em que a Suécia buscava o empate.

Com seis gols, o inglês lidera a corrida pela Chuteira de Ouro, tendo como principal adversário o belga Lukaku, que marcou quatro. Caso os súditos da rainha voltem a conquistar o título após 52 anos, Kane tem boas chances de ficar também com a Bola de Ouro, que premia o melhor jogador da competição.

Croácia será a adversária na semifinal

No caminho até a grande final, a Inglaterra terá pela frente a forte equipe da Croácia, que despachou os russos nos pênaltis após um empate em 2×2. O fato de ter resolvido seu jogo no tempo normal proporcionará uma vantagem aos ingleses no aspecto físico, já que a Croácia precisou disputar prorrogações nas oitavas e quartas de final.

Quem passar encara o vencedor de França x Bélgica.

Ficha do jogo

Suécia 0 x 2 Inglaterra

Local: Cosmos Arena, em Samara (Rússia)

Data: 7 de julho de 2018 (Sábado)

Horário: 11:00 (horário de Brasília)

Árbitro: Bjorn Kuipers (Holanda)

Assistentes: San Van Roekel (Holanda) e Erwin Zeinstra (Holanda)

Cartões amarelos: Larsson e Guidetti (Suécia); Maguire (Inglaterra)

Gols:

Maguire (ING), aos 30 minutos do primeiro, e Dele Alli (ING), aos 14 minutos do segundo tempo,

Suécia: Olsen; Krafth (Jansson), Lindelöf, Granqvist e Augustinsson; Claesson, Larsson, Ekdal e Forsberg (Olsson); Toivonen (Guidetti) e Berg

Técnico: Janne Andersson

Inglaterra: Pickford; Walker, Stones e Maguire; Trippier, Lingard, Henderson (Dier) e Young; Dele Alli (Delph); Sterling (Rashford) e Kane

Técnico: Gareth Southgate

Semifinais da Copa do Mundo 2018

Terça-feira, 10 de julho

  • 15:00 – França x Bélgica – Palpite: França

Quarta-feira, 11 de julho

  • 15:00 – Croácia x Inglaterra – Palpite: Inglaterra

 

ATUALIZAÇÃO ANTERIOR: 06/07/2018

Há mais de duas décadas sem disputar uma semifinal de Copa, Suécia e Inglaterra duelam no sábado para sair da fila

Ambos os lados esbanjam confiança, mas a disputa promete ser bastante equilibrada

Duas das mais tradicionais escolas do futebol mundial retomaram o protagonismo após um período de sucessivos fracassos, e agora miram a glória máxima na Copa do Mundo da Rússia. Suécia e Inglaterra não figuravam entre os favoritos antes do início da competição, mas com as quedas de gigantes como Alemanha, Argentina e Espanha, passaram a ver o sonho cada vez mais próximo. O duelo das quartas de final acontece no sábado (07), às 11 da manhã (horário de Brasília), na Cosmos Arena, em Samara, e o vencedor encara Rússia ou Croácia na próxima fase.

 

Pragmatismo da Suécia pode render frutos

O time sueco não apresenta um futebol vistoso, mas sua eficiência é indiscutível. Até aqui, foram apenas dois gols sofridos, ambos na partida contra a Alemanha. O ataque balançou as redes em seis oportunidades, e não passou em branco em nenhum dos quatro jogos. A boa campanha vem provocando uma onda de euforia na imprensa local, que compara a equipe atual à que foi vice-campeã em 1958.

Em editorial, o Dagens Nyheter, principal jornal sueco, deu a medida de como o país enxerga as possibilidades da sua seleção: “A Suécia superou todos os limites, fez mais do que todos esperavam ou desejavam. Se alguma vez tiver que disputar uma final de novo, o ano é 2018. Há uma oportunidade. O sorteio mostra o caminho e os jogadores suecos estão prontos para o que for preciso.”, incentivou a publicação.

Para a partida mais importante das últimas duas décadas, o técnico Janne Andersson não poderá contar com Mikael Lustig, que levou o segundo cartão amarelo contra a Suíça, e será substituído por Emil Krafth. Por outro lado, o retorno de Albin Ekdal aos treinamentos traz boas perspectivas, e existe a chance do meia voltar ao time.

A Suécia tenta chegar à uma semifinal de Copa pela quarta vez em sua história, e repetir os feitos de 1950, 1958 e 1994.

 

Ingleses querem levar o futebol de volta para casa

A chave para o sucesso da Inglaterra está nos gols de Harry Kane, que já marcou seis vezes, e tornou-se o segundo maior goleador do país em Copas. O atacante do Tottenham lidera com folga a disputa pela Chuteira de Ouro, e dependendo de até onde o time chegar, pode acabar levando também a Bola de Ouro.

Nas oitavas de final, o English Team quebrou um tabu histórico ao superar a Colômbia nos pênaltis, e mostrou uma faceta inusitada, deixando de lado o Fair Play. Com exceção do duelo contra a Bélgica, em que escalou os reservas e perdeu, este foi o maior desafio para o time até aqui. A classificação, que parecia tranquila até o gol de Mina nos acréscimos do segundo tempo, esteve muito próxima de escapar dos comandados de Gareth Southgate.

O técnico tem quatro preocupações para a partida contra a Suécia. O atacante Vardy não vem treinando, e é pouco provável que tenha condições de atuar. Dele Alli, Ashley Young e Kyle Walker, mesmo sem as condições físicas ideais, devem começar jogando.

A Inglaterra não chega às semifinais desde a Copa de 1990, e já amarga um jejum de 52 anos sem conquistar um título mundial. Os inventores do esporte mais popular do mundo acreditam que chegou a hora de sair da fila, e vêm repetindo um grito de guerra que diz que “o futebol está voltando para casa”.

Retrospecto de Suécia x Inglaterra

O histórico de confrontos entre Suécia e Inglaterra é bastante equilibrado, com sete vitórias dos vikings, oito dos súditos da rainha e nove empates. O retrospecto mais recente, no entanto, aponta uma vantagem para os suecos. Nos últimos 15 confrontos, foram cinco triunfos, oito empates e duas derrotas.

Em jogos oficiais, nenhum dos lados conseguiu levar a melhor. Nas eliminatórias para a Copa de 1990, foram dois empates sem gols. Os times se reencontraram 12 anos depois, no Mundial da Coreia e do Japão, e ficaram novamente na igualdade, desta vez por 1×1. Em 2006, na Alemanha, a partida terminou 2×2.

Prováveis escalações

Suécia: Robin Olsen, Emil Krafht, Victor Lindelof, Andreas Granqvist e Ludwig Augustinsson; Viktor Claesson, Gustav Svensson, Albin Ekdal e Emil Forsberg; Marcus Berg e Ola Toivonen. Técnico: Janne Andersson

Inglaterra: Pickford; Walker, Stones, Maguire e Trippier; Henderson, Lingard, Young e Dele Alli; Sterling e Harry Kane. Técnico: Gareth Southgate.

Palpite

Acredito que este será um jogo de ataque contra defesa, com a Suécia recuada em busca de uma brecha para os contra-ataques e a Inglaterra com a posse de bola tentando fazê-la chegar até Kane, que certamente estará muito bem marcado.

O equilíbrio entre os times torna quase impossível qualquer previsão, mas não acho que a partida vá se decidir no tempo normal. Meu palpite é que depois de superar o trauma da disputa de pênaltis, a Inglaterra repetirá a dose, e a vaga na semifinal será conquistada na marca da cal.

 

Quartas de final da Copa do Mundo 2018

Sexta-feira, 06 de julho

  • 11:00 – Uruguai 0x2 França 
  • 15:00 – Brasil 1×2 Bélgica

Sábado, 07 de julho:

  • 11h00: Suécia 0x2 Inglaterra
  • 15h00: Rússia 2×2 Croácia (Pênaltis: 3×4)

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar