Ganhador.com

Tênis

Recordista de Grand Slams, Roger Federer é o homem a ser batido no Aberto da Austrália

Foto: Hongbo Chen/Action Plus via Getty Images

Atual campeão do torneio, suíço viverá prova de fogo já no primeiro mês de 2018 com os retornos de Novak Djokovic e Andy Murray ao circuito; Rafael Nadal é incógnita

O ano de 2017 nem bem acabou e o mundo do tênis já começa os preparativos para a próxima temporada. Faltando pouco menos de um mês para o primeiro Grand Slam de 2018, o Aberto da Austrália – 15 a 28 de janeiro -, a discussão começa a ganhar corpo sobre quem irá vencer o certame australiano. Atual campeão no Melbourne Park, Roger Federer surge como grande candidato a ampliar sua sala de troféus. No entanto, o recordista de GS – 19 títulos – terá adversários “novinhos em folha” após um período forçado de descanso. São os casos de Novak Djokovic e Andy Murray, que recuperados de lesão, chegam prontos para acabar com a hegemonia suíça. Ainda não podemos nos esquecer de Rafael Nadal, atual número 1 no ranking da ATP e vice-campeão da competição. Confira agora o resumo da jornada!

 

Roger Federer

É impossível abordarmos o Aberto da Austrália sem citarmos o nome de Roger Federer. Com cinco conquistas (2004, 2006, 2007, 2009 e 2017), o suíço é segundo maior vitorioso do primeiro importante torneio de cada início de temporada, ficando apenas atrás do anfitrião Roy Emerson, que se destacou na década de 60, e do sérvio Novak Djokovic – ambos com seis conquistas.

O favoritismo de Federer é colocado à mesa graças ao próprio entendimento do jogador em relação ao seu desempenho em quadra. Desde a lesão no joelho no segundo semestre de 2016, o multicampeão largou a temporada em questão para se tratar e voltou com tudo posteriormente. Escolhendo os torneios de acordo com condição física, o tenista de 36 anos venceu o Aberto da Austrália e ainda conquistou pelo oitavo ano Wimbledon. Ele só não terminou a temporada na liderança do ranking da ATP porque abdicou de torneios importantes no saibro, como Roland Garros. Apesar da tristeza de seus fãs franceses, Federer mostrou ter feito a melhor escolha, já que ganhou sete competições durante o ano.

Completando 20 anos de carreira em 2018, Federer entrará em quadra em Melbourne com a expressiva marca de 95 títulos alcançados desde que se profissionalizou. São 1132 vitórias no período contra 250 derrotas. É ou não é uma estatística de colocar medo em qualquer adversário?

 

Novak Djokovic

Apesar do retorno epopeico de Federer, um outro tenista entra com grandes chances de voltar a brilhar em seu torneio predileto. Depois de sofrer com dores no cotovelo durante um ano e meio, Novak Djokovic chegou à exaustão nas quartas de final de Wimbledon, quando viu sua contusão se agravar. Decidido a encerrar sua temporada mais cedo, ele seguiu a cartilha do rival suíço, que há um ano havia feito o mesmo, para se curar.

O resultado poderemos ver em janeiro, com o sérvio mais motivado do que nunca. Depois da experiência com André Agassi, Djoko terá seu comando técnico formado por Radek Stepanek. O tcheco, que se aposentou no início do ano durante o torneio na Austrália, é a grande aposta do ex-número 1 para voltar a se destacar na ATP.

 

Andy Murray

Correndo por fora está Andy Murray. Assim como Djokovic, o tenista da Terra da Rainha terminou mais cedo sua temporada. Porém, o problema do britânico parece ter sido mais grave, em razão das dores no quadril. Aparentemente recuperado, ele surge como uma das esperanças para derrubar Federer. O problema é que o tenista que ainda persegue seu primeiro Aberto da Austrália pode encarar uma chave complicada logo de cara. Isso por causa de sua queda acentuada no ranking devido ao período inativo. Atualmente em 16º lugar, ele pode iniciar a competição em 30º dependendo dos resultados dos torneios anteriores.

 

Rafael Nadal

Apesar de um ano inesquecível, vencendo Roland Garros e o Aberto dos Estados Unidos, além de se tornar o tenista mais velho a terminar a temporada da ATP na primeira posição do ranking desde 1973, Rafael Nadal é uma incógnita para 2018. Isso porque as dores no joelho direito voltaram a assombrar o espanhol. O desconforto havia sido o principal motivo pelo qual o tenista ficou aquém nos últimos dois torneios de 2017: Masters 1.000 de Paris e ATP Finals. Assim, só saberemos ao longo da primeira semana de GS se o valente espanhol estará em condições plenas para fazer frente a Federer, Djokovic e Murray.

 

Favoritos ao Aberto da Austrália

  1. Roger Federer (SUI)
  2. Rafael Nadal (ESP)
  3. Novak Djokovic (SRB)
  4. Andy Murray (GBR)
  5. Alexander Zverev (ALE)

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar