NBA

Celtic Pride: Mais uma vez o Boston mostra incrível garra

Foto: Jason Miller/Getty Images

Existe algo que se chama “Celtic pride”.  É o orgulho de vestir a camisa de uma das franquias mais vitoriosas da história do esporte. É o orgulho de nunca se entregar, independentemente da situação.

O termo é usado desde a época de Red Auerbach quando Boston dominava o cenário da NBA e, especialmente ganhou forças, quando os Celtics derrubavam oponentes supostamente mais fortes, como aconteceu nas Finais de 1969 contra os Lakers.

Ontem, em Cleveland, vimos o que é “Celtic pride”.  Depois de perder por 46 pontos em casa no jogo 2, Boston ingressou em território hostil, sem seu melhor jogador, e derrubou os Cavs.  Foi a primeira derrota da equipe de Lebron James nesses playoffs.

A partida me fez lembrar dos playoffs de 1995.  Boston era o oitavo colocado da conferência, enfrentando o poderoso Orlando Magic.  Os Celtics somaram 35 vitórias na temporada regular, enquanto Orlando terminou 57-25.

O Magic destruiu no jogo 1, vencendo por 124 a 77.  Parecia Angola x Dream Team.  Foi um vexame total.

A partida 2 foi outra história.  Dominique Wilkins e Sherman Douglas dominaram, enquanto Anfernee Hardaway e Shaquille O’neal ficaram perdidos em quadra.  Boston venceu por 99 a 92.

Orlando acabou conquistando a série por 3 a 1 mas sofreu muito para vencer as partidas 3 e 4, em Boston. Aquele é o pior time dos Celtics que já vi nos playoffs. Não tinha como comparar as equipes.  O Magic era infinitamente superior e deveria ter varrido com ampla facilidade. O fato é que Orlando sentiu a pressão, jogou nervoso e quase não evitou um colapso monumental.

Não estou comparando aquele time dos Celtics com o atual, pois o de 2017 terminou com a melhor campanha da Conferência Leste. Entretanto, o domínio que Cleveland mostrou nos dois primeiros jogos fez muitos acreditarem que o Boston não merecia entrar na mesma quadra que Lebron e cia. As casas de apostas de Las Vegas deram um favoritismo para Cleveland de 16,5 pontos na partida 3.  Ou seja, uma aposta nos Celtics dava lucro caso Cleveland ganhasse por menos de 17 pontos!

Dizem que o melhor jeito de se livrar de um bully é dar um soco que ele jamais esquecerá.  Esse foi o caso ontem, quando Boston iniciou uma reação miraculosa no terceiro quarto. Perdendo por 21 pontos, o coletivo dos Celtics começou a funcionar.  Boston foi ganhando confiança, e os Cavs ficaram completamente desnorteados. Lebron James desapareceu inexplicavelmente, e Avery Bradley meteu a cesta da vitória faltando 0,1 segundo. 111-108.  Boston ganhou uma sobrevida em uma das maiores zebras da história dos playoffs.

Deixemos algo bem claro: não vejo os Celtics vencendo essa série.  Cleveland tem mais time.  Lebron James vai jogar melhor, e Marcus Smart não vai acertar 7 de 10 bolas de três pontos, provavelmente, nunca mais na vida.  Não ficaria surpreso se os Cavs vencessem por 4 a 1.

Agora, o Boston precisa ser respeitado.  Não pense por um segundo que os Celtics não vão batalhar até o último segundo. Como disse Rudy Tomjonavich (treinador bicampeão pelos Rockets em 1994 e 95): “nunca subestime o coração de um campeão.”  Boston carrega essa mentalidade há muitas décadas.  Isso se chama “Celtic pride”.

» Veja também: Todas as notícias de NBA

 

Comentários

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.